segunda-feira, 21 de outubro de 2019

#SÍNODOAMAZÔNICO. APRESENTADO O PROJETO DO DOCUMENTO FINAL



Com a presença do Papa Francisco, foi realizada na manhã desta segunda-feira, 21 de outubro, a 14ª Congregação Geral do Sínodo Especial dos Bispos para a Região Pan-Amazônica, que se realiza no Vaticano até o dia 27 de outubro. Estavam presentes 184 Padres Sinodais
Vatican News – Cidade do Vaticano
Foi o Relator Geral, Cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo e presidente da Rede Eclesial Pan-amazônica (Repam) a apresentar na Sala do Sínodo o projeto do documento final da Assembleia especial para a Região Pan-Amazônica. O texto, que reúne os frutos dos pronunciamentos apresentados durante os trabalhos, passará agora aos Círculos Menores para a elaboração de um documento geral.

Programa para os próximos dias

No decorrer dos trabalhos de quarta e quinta-feira, tais emendamentos serão colocados no Documento Final pelo Relator Geral e pelos Secretários Especiais, com a ajuda dos Peritos. Portanto o texto será revisto pela Comissão para a redação para depois ser lido na Sala sinodal na sexta-feira a tarde, no decorrer da 15ª Congregação Geral. Sábado a tarde, por fim, na 16ª Congregação Geral será feita a votação do Documento Final.

Reflexões de Dom Héctor Cabrejos Vidarte

Na abertura da Congregação de hoje, foi realizada a oração da Hora Média. A reflexão proposta foi feita por Dom Héctor Miguel Cabrejos Vidarte, arcebispo de Trujillo, Peru e presidente do CELAM, que convidou a olhar o exemplo de São Francisco e ao “Cântico das Criaturas”. “Para Francisco – evidenciou o bispo – a beleza não é uma questão estética, mas de amor, de fraternidade a todo custo, de graça a todo custo”. O Santo de Assis – falou ainda – “abraça todas as criaturas com um amor e uma devoção nunca vista, falando-lhes do Senhor e convidando-as a louvá-lo. Neste sentido, Francisco chega a ser o inventor do sentimento medieval pela natureza”.

Conhecer, reconhecer e restituir

Conhecer, reconhecer e restituir – disse ainda o presidente do CELAM – são os verbos que marcam “o ritmo” do caminho espiritual de São Francisco de Assis, ou seja conhecer o Sumo Bem, reconhecer os seus benefícios e restituir-Lhe os louvores. De fato, se para São Francisco o pecado é apropriação “não só da vontade, mas também dos bens” que o Senhor opera no ser humano, o louvor, ao contrário, significa restituição. “O ser humano – reforçou ainda Dom Héctor Vidarte – não pode louvar a Deus como convém, pois o pecado feriu a sua filiação” com o Senhor.

Deus, Pai de todos e de todas as coisas

Portanto serão as criaturas, como afirma São Francisco no “Cântico”, a cumprir a obra de mediação para levar o louvor a Deus. Com efeito, elas preenchem o vazio do ser humano, desprovido, por causa do pecado, de uma voz digna de louvar o Criador. “São Francisco descobre em Deus o lugar da Criação – concluiu o bispo – devolve a Criação a Deus, porque vê em Deus não só o Pai de todos, mas o Pai de todas as coisas”.
Os trabalhos desta manhã foram concluídos pelo pronunciamento de um convidado especial que falou sobre o tema da ecologia integral em relação à mudança climática.

Fonte: Vatican News

SÍNODO: 14ª CONGREGAÇÃO GERAL



Teve início na manhã desta segunda-feira com a oração da Hora Média, na Sala do Sínodo, no Vaticano, a última semana de trabalhos dos Sínodo dos Bispos dedicado à região Pan-amazônica.
Silvonei José - Cidade do Vaticano
Na presença do Santo Padre realizou-se a 14ª Congregação Geral, durante a qual o Relator-geral, cardeal Cláudio Hummes, apresentou o Projeto do Documento final do Sínodo.
Na segunda parte da manhã e no período da tarde novamente os Círculos Menores.
A reflexão proposta no início dos trabalhos sinodais nesta manhã de segunda-feira foi feita pelo arcebispo de Trujillo, Peru, Dom Héctor Miguel Cabrejos Vidarte.
O arcebispo peruano iniciou a sua meditação propondo o Salmo 110,22: “Bendigam ao Senhor todas as suas obras”. O Papa Francisco escolheu como início de sua Encíclica Laudato Si, a poesia do Cântico do Irmão Sol. O Papa também confiou a São Francisco este Sínodo, nos jardins do Vaticano, no dia 4 de outubro. É por isso que convido vocês a percorrer uma parte do caminho espiritual de São Francisco, disse dom Vidarte.
Francisco substitui a beleza medieval, reservada apenas aos poderosos, com a beleza destes últimos, no tocar e beijar o leproso. Esta oração, composta no Monte Averna, nos diz que o Deus de Francisco não é mais um Deus guerreiro, mas o Deus sofredor, o Deus que padece e compadece a dor do ser humano, ferido pela mortalidade. Embriagado pelo encontro com o Deus da ternura, Francisco está sempre pronto a louvar o Senhor.
Não há nuvens que possam obscurecer a dignidade da pessoa, prodígio de Deus; não há nuvens que obscureçam o valor da vida, maravilha de Deus; nem nuvens que ameacem o dom dos irmãos, que o perdão pode fazer brilhar. Sim, porque para Francisco a beleza não é uma questão de estética, mas de amor, de fraternidade a todo custo, de graças a todo custo. Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão vento, pelo ar e pelas nuvens, pelo sereno e todo tempo... Tu és beleza! Conhecer o Sumo Bem, reconhecer seus benefícios e devolver ao Sumo Bem o louvor (conhecer, reconhecer e retribuir), são os verbos que marcam o ritmo do caminho espiritual de São Francisco de Assis. O Deus conhecido por Francisco é o todo: meu Deus e meu tudo. Deus et Omnia é repetido por Francisco no seu louvor ao Deus Altíssimo, Deus todo em todos. (1º Cor 15,28).
Francisco se refere ao Salmo 110,22: "Bendizei ao Senhor por todas as suas obras" e ao Salmo 18,2: "Os céus narram a glória de Deus. Também os qualificadores: belo, radiante, claro, precioso, expressam as qualidades divinas que tornam as criaturas aptas a ajudar o homem que, tendo pecado, é incapaz de um louvor digno.
Os louvores do Senhor feitos por São Francisco e que começam: "Altíssimo, Todo-Poderoso, Bom Senhor", o título: Cântico do Irmão Sol, que é a criatura mais bela. Pela manhã, quando o sol nasce, todo homem deveria louvar a Deus, que criou aquela estrela, pela qual nossos olhos são iluminados durante o dia. E à tarde, ao cair da noite, todo homem deveria louvar a Deus por aquela outra criatura: o irmão Fogo, por quem os nossos olhos são iluminados durante a noite”.
Ele ainda diz: "Somos todos como cegos e o Senhor ilumina os nossos olhos através destas duas criaturas. Por elas e por as outras criaturas, que usamos todos os dias, devemos sempre louvar o Criador glorioso”. São Francisco descobre em Deus o lugar da Criação, devolve a Criação a Deus, vê Deus em todas as coisas e ousa chamá-las irmãs. Ele é o irmão universal (cf. LS 11), porque vê em Deus não só o Pai de todos, mas o Pai de todas as coisas.

Fonte: Vatican News

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA SIMPÓSIO ECUMÊNICO 2020



Inscrições abertas para Simpósio Ecumênico 2020
Estão abertas as inscrições para o Simpósio Ecumênico 2020 que a Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) promove 31 de janeiro a 2 de fevereiro do próximo ano, no Centro de Convivência Mãe do Bom Conselho, em Jundiaí (SP). O tema desta edição é: “Violência em nome de Deus? Em tempos de ódio, injustiça e indiferença, educar para a paz”.
“Um dos aspectos peculiares da maioria dos conflitos contemporâneos é a aparente, e por vezes, drástica associação entre violência e religião. Em várias religiões do mundo, a religião é usada e manipulada incorretamente para justificar conflitos, agressões e assassinatos deliberados a seres humanos”, diz trecho do documento “Educação para a Paz em um mundo multi-religioso: uma perspectiva cristã”, do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, usado no material de divulgação.
Para o bispo de Cornélio Procópio (PA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CNBB, as religiões têm o papel de promover a paz.
O Simpósio Ecumênico terá como conferencistas o Pastor Rudolf Von Sinner, pastor da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, professor de Teologia Sistemática e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Teologia da PUC Paraná e o professor Luiz José Dietrich, professor da PUC Paraná e assessor nacional do Centro de Estudos Bíblicos (Cebi).
Confira mais detalhes sobre a atividade aqui:
 Fonte: CNBB

ARENA FONTE NOVA RECEBEU 49 MIL ADMIRADORES DE SANTA DULCE DOS POBRES


A Arena Fonte Nova recebeu 49 mil admiradores de Santa Dulce dos Pobres
Palco de partidas de futebol e shows de música, a Arena Fonte Nova, em Salvador , se converteu em uma “grande catedral”, como definiu um mestre de cerimônias do evento, na tarde de domingo, 20 de outubro, para sediar a celebração pela canonização da freira baiana Irmã Dulce . Uma semana depois de ela se tornar a Santa Dulce dos Pobres , com a canonização no Vaticano, 49 mil admiradores da religiosa praticamente lotaram o estádio de futebol para o evento que culminou em uma missa, iniciada por volta das 17h e conduzida pelo arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, dom Murilo Krieger.
Os três anéis da arena, reformada para a Copa do Mundo de 2014, estavam quase totalmente tomados. A tarde foi repleta de música católica e homenagens à santa. A principal delas foi a espetáculo “Império de Amor”.
Antes de celebrar a “missa santa”, dom Murilo Krieger declarou a jornalistas que o espatáculo lhe tocou por demonstrar a obra que Irmã Dulce deixou é viva. Fazem parte do grupo que se apresentou 550 crianças e adolescentes do Centro Educacional Santo Antônio (CESA), núcleo de educação das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), além de idosos.
O governador Rui Costa participou da celebração, acompanhado da primeira-dama e presidente das Voluntárias Sociais da Bahia (VSBA), Aline Peixoto, e de José Maurício Moreira e Cláudia Araújo, que receberam a graça da cura, reconhecida pelo Vaticano. Para Rui, Santa Dulce dos Pobres está acima das religiões pela generosidade, história e cuidado com o próximo.
“Com a canonização de Santa Dulce dos Pobres, a Bahia torna-se uma referência ainda maior do que já é da fé, com suas mais de 300 igrejas, como a do Bonfim, de Nossa Senhora da Conceição da Praia, do Rosário dos Pretos e de São Francisco. Isso vai ser muito bom também para reforçar o destino religioso que é a nossa capital”, afirmou o governado
A cantora Margareth Meneses também participou da homenagem. “Ter participado da canonização, cantado na cerimônia, e agora estar nessa homenagem é para mim uma grande emoção. A energia, a força que ela teve e que continua, tudo isso é muito bonito. Proporcionar acolhimento aos seres humanos mais abandonados não tem preço”.
A superintendente das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid) e sobrinha de Santa Dulce dos Pobres, Maria Rita Lopes Pontes, disse que a canonização fortalece a obra e permite que a missão de Irmã Dulce seja ampliada. “Não é somente o atendimento de saúde. A gente tem que acolher bem as pessoas que chegam para conhecer a história de Irmã Dulce e o seu memorial”. A instituição realiza 2,2 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano e 12 mil cirurgias.
Dom Murilo Krieger ressaltou que a canonização de Santa Dulce dos Pobres não é importante somente para religião católica. “Ela é um exemplo para todos nós. Eu tenho certeza que os nossos irmãos, sejam de que religião forem, reconhecem a generosidade de Irmã Dulce e também que ela fez o bem para todos, sem perguntar de qual religião era a pessoa que recebia a ajuda. Assim, todos vamos aprendendo a nos respeitar mutuamente”.
Fonte: CNBB

CNBB REALIZA PROJETO DE ALFABETIZAÇÃO DE ADULTOS COM GRUPO DE COLABORADORES


CNBB realiza projeto de alfabetização de adultos com grupo de colaboradores
Pesquisas apontam, em sequência, a redução no analfabetismo no Brasil. Mesmo assim, ainda hoje, são mais de 11 milhões de pessoas jovens ou adultas que não sabem ler ou que não conseguem escrever um bilhete simples. Diante dessa realidade, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) realiza em sua sede, em Brasília (DF), um projeto de alfabetização voltado para um grupo de colaboradores.
A ideia partiu da assistente social da CNBB, Antônia Mendes, após saber que alguns colaboradores não sabiam ler e escrever. Ela conta que lembrou de seu avô e do sofrimento que ele tinha quando era para pegar um ônibus, por exemplo.
É o que sente o senhor José Pedro Lopes Ramos, que atua no Departamento de Manutenção da CNBB. “Tenho dificuldade de pegar um ônibus, eu sinto uma pessoa perdida”, lamenta o colaborador que estudou somente até o primeiro ano e, por conta das atividades que desempenhava com o pai na roça e depois com a família formada cedo, não deu sequência aos estudos.
Quem contribui para o desenvolvimento do projeto é a senhora Ada Lemos, que se voluntariou para oferecer um pouco da experiência de professora que adquiriu durante um período que atuou na área. “Eu sempre quis fazer algo por essas pessoas e hoje estou tendo essa oportunidade”, comenta sobre a possibilidade de ajudar as pessoas que convivem com o analfabetismo.
Para ela, a iniciativa “é um ato cristão, de amor, afinal de contas, você tem que atuar também pela melhoria pessoal de cada um e a CNBB, patrocinando algo do tipo, ajuda a cada um a evoluir e poder ter mais domínio da própria vida”.
De acordo com a Assistência Social da CNBB, o projeto assiste a seis colaboradores da CNBB e que estão no módulo 1 da iniciativa. Na sequência, pretende-se oferecer outros módulos que possam contemplar colaboradores com outros níveis educacionais, mas que precisam de apoio para melhor compreensão e uso da Língua Portuguesa, evitando e enfrentando o analfabetismo funcional.
Boaventura Domingos Costa, conhecido por Domingos, estudou até o primeiro ano do Ensino Médio, mas sentiu necessidade de melhorar sua relação com as palavras. “As letras, às vezes a gente pula por cima de algumas”, revela.
Sobre a iniciativa, considera um “momento muito gratificante, até porque são coisas que a gente não consegue em outros lugares”. Em uma redação, escreveu que agradece a Deus todos os dias pelo projeto: “é uma coisa que foi proporcionada para a gente que com certeza vai ajudar muito”.
Quem também pretende mudar a relação com a Língua Portuguesa, principalmente na forma de se expressar, é o encarregado do Departamento de Manutenção, Marcos Ferreira da Silva. O jovem de 25 anos tem Ensino Médio completo, mas quer que o vocabulário esteja mais adequado à realidade corporativa. “Aqui é um local que a gente trabalha conversando e tem certos modelos que, no meu modo de pronunciar certas palavras, as pessoas não entendem, então quero mudar a forma de falar e mudar a postura”, comenta Marcos, lembrando que quer superar também o uso gírias na comunicação.
Os participantes têm se mostrado entusiasmados e agradecidos pela iniciativa acolhida pela cúpula da CNBB no início deste quadriênio. No momento em que a CNBB escolhe como um dos pilares da ação evangelizadora a caridade, sustentada especialmente os mais frágeis, excluídos e invisíveis, se escolhe proporcionar uma mudança de vida para aqueles que em muitas organizações passam por processos de invisibilização. Dom Joel Portella Amado, bispo auxiliar do Rio de Janeiro (RJ) e secretário-geral da CNBB, recorda que, no campo da missão, a Igreja no Brasil é chamada a reconhecer que o “ad gentes” não é mais uma questão de geografia, “mas que muitas vezes você tem ao seu lado, ao alcance da sua mão”.

Fonte: CNBB

FESTA EM HONRA A SÃO GONÇALO DO AMARANTE, NO CEARÁ


A Paróquia de São Gonçalo do Amarante realiza, de 5 a 15 de novembro de 2019, a Festa de seu padroeiro, tendo como tema: “Com São Gonçalo em Missão: Rumo aos 80 anos”, que serão comemorados no mês de julho de 2020. 

Programação do 1º dia dos festejos

Dia 5 de Novembro 
6h - Alvorada de Fogos, Adoração e Café Partilhado (Matriz).
18h - Procissão, Hasteamento da Bandeira e Banda de Música.
19h - Santa Missa presidida pelo Pe. Denis Acácio - Pároco. 
Atração Cultural - Artista da Terra (Forró Cativo). 

EVANGELHO DO DIA

Lucas 12,13-21

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 12,13-21

Naquele tempo: 13Alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: 'Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo.' 14Jesus respondeu: 'Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?' 15E disse-lhes: 'Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas,
a vida de um homem não consiste na abundância de bens.'
16E contou-lhes uma parábola: 'A terra de um homem rico deu uma grande colheita. 17Ele pensava consigo mesmo: 'O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita'. 18Então resolveu: 'Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. 19Então poderei dizer a mim mesmo: - Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!' 20Mas Deus lhe disse: 'Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?' 21Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus.' Palavra da Salvação.

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE


21 de outubro de 2019

2ª. FEIRA DA XXIX SEMANA DO

TEMPO COMUM

Cor Verde

1ª Leitura - Rm 4,20-25


Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos 4,20-25

Irmãos: 20Diante da promessa divina, Abraão não duvidou por falta de fé, mas revigorou-se na fé e deu glória a Deus, 21convencido de que Deus tem poder para cumprir o que prometeu. 22Esta sua atitude de fé lhe foi creditada como justiça. 23Afirmando que a fé lhe foi creditada como justiça, a Escritura visa não só à pessoa de Abraão, mas também a nós, pois a fé será creditada também para nós que cremos naquele que ressuscitou dos mortos Jesus, nosso Senhor. 25Ele, Jesus, foi entregue por causa de nossos pecados
e foi ressuscitado para nossa justificação. Palavra do Senhor.

Reflexão - "Jesus foi ressuscitado para nossa justificação "

Abraão, é o Pai da fé e homem justo porque não duvidou das promessas de Deus, pelo contrário, deu glórias a Ele e lhe foi obediente. Nós, mesmos, somos imperfeitos (as), impotentes, pecadores (as) e não conseguiremos nos justificar, no entanto, poderemos ser considerados filhos e filhas de Abraão, pois,  a verdade que nos leva à justiça é a nossa fé em Jesus, que foi ressuscitado por Deus.  Por esta razão, nunca devemos esquecer e a todo o momento precisamos proclamar  que Jesus Cristo é o nosso Senhor e que foi ressuscitado dos mortos para a nossa justificação. A Ele, nós devemos a vida eterna, por isso Ele é o Senhor da nossa existência.  Na nossa imperfeição, por mais que tentemos nunca poderemos chegar a Deus, nem mesmo ter comunhão com Ele.   Somos justificados (as) pela fé em Jesus Cristo e diante do Pai, Jesus Cristo intercede por nós e se apresenta como nosso defensor. Mas essa verdade nós a devemos cultivar desde já, porque a nossa vida tomará outro rumo, se assim estivermos firmados. Ninguém pode substituir o papel de Jesus na nossa vida, e só Ele, desde já, poderá transformar o nosso coração e nos fazer homens e mulheres renovados no amor do Pai. - Jesus Cristo é o Senhor da sua vida? - Você crê que Ele é a sua Salvação? - Você se considera um homem ou uma mulher justa? – Você crê nas promessas de Deus? – Você é obediente a Deus?

 

Salmo - Lc 1,69-70. 71-72. 73-75 (R. Cf. 68)


R. Bendito seja o Senhor Deus de Israel,
porque a seu povo visitou e libertou!

69Fez surgir um poderoso Salvador *
na casa de Davi, seu servidor,
70como falara pela boca de seus santos, *
os profetas desde os tempos mais antigos.R.

71para salvar-nos do poder dos inimigos *
e da mão de todos quantos nos odeiam.
72Assim mostrou misericórdia a nossos pais, *
recordando a sua santa Aliança.R.

73e o juramento a Abraão, o nosso pai, *
de conceder-nos 74que, libertos do inimigo,
a ele nós sirvamos sem temor +
75em santidade e em justiça diante dele, *
enquanto perdurarem nossos dias.R. 

Reflexão - Jesus é o poderoso Salvador de quem fala o salmo de hoje. Ele veio cumprir o que as Escrituras já anunciavam por meio dos profetas e consolidar a aliança de Deus com a humanidade, quando prometeu salvá-la das mãos do inimigo. A aliança de Deus conosco por meio de Jesus é uma aliança de amor e de misericórdia e foi selada com o Seu Corpo e Seu Sangue. Quando somos libertos das mãos do inimigo nós nos sentimos dispostos a servir ao Senhor sem temor, em santidade e em justiça. Que tudo isso seja para o resto da nossa vida. Amém.

 
Evangelho - Lc 12,13-21

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 12,13-21

Naquele tempo: 13Alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: 'Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo.' 14Jesus respondeu: 'Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?' 15E disse-lhes: 'Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas,
a vida de um homem não consiste na abundância de bens.'
16E contou-lhes uma parábola: 'A terra de um homem rico deu uma grande colheita. 17Ele pensava consigo mesmo: 'O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita'. 18Então resolveu: 'Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. 19Então poderei dizer a mim mesmo: - Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!' 20Mas Deus lhe disse: 'Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?' 21Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus.' Palavra da Salvação.

Reflexão - "há diferença entre prosperidade e ambição "

A ganância é uma arma que dispara contra o próprio ganancioso, porque, o homem ou a mulher, cobiçosos, têm o coração regido pelo desejo de ter sempre mais, de amealhar, de juntar egoisticamente e nunca estão satisfeitos. Quanto mais conseguem possuir, mais e mais lutam para conseguir, achando que a sua vida "vale mais quanto mais pesarem os seus bens" e não conseguem distinguir a diferença entre prosperidade e ambição. Jesus não condena a prosperidade, a semeadura para produzir mais e ajudar na construção do mundo, mas sim, no querer ter só para si, e regalar-se com o prazer que o dinheiro compra. Por isso, Jesus nos abre os olhos: "Cuidado com todo tipo de ganância!" Precisamos ter em mente, porém, que a ganância e a ambição não estão ligadas somente ao mundo material. Tudo o quanto perseguimos com cupidez e desejamos ter como propriedade nossa se constitui um empecilho para que não sejamos ricos diante de Deus. Deus deseja que o nosso coração seja livre de toda preocupação exagerada com o ter, com o possuir, com o poder. Ele sabe que a nossa alma não descansará em paz se o nosso ideal de vida estiver voltado para a nossa satisfação pessoal e humana. Não sabemos quanto tempo de vida ainda teremos aqui. A nossa alma poderá ser pedida de volta, ainda hoje, e de quem serão os bens que acumulamos?   Necessitamos, portanto, ser ávidos do amor de Deus que é o maior tesouro que precisamos cultivar em nós. A riqueza que acumulamos no céu é uma oferenda perfeita que agrada a Deus.  No entanto, mesmo esse amor, nós não poderemos guardar somente para nós, porque assim estaremos também sendo interesseiros e gananciosos.  Quem ama com o amor que vem do céu é rico diante de Deus e está pronto (a) para retornar à casa do Pai.  
- Como você tem administrado o tesouro que tem recebido em vida?
-Você o guarda só pra si ou tem construído algo que possa estar servindo para elevar o mundo
-  O que você tem feito com o Amor de Deus que está no seu coração? 
– Você encontra alguma a mensagem  neste Evangelho para a sua situação de vida atual.

Helena Serpa,
Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho


SANTO DO DIA - SANTA ÚRSULA

Úrsula nasceu no ano 362, filha dos reis da Cornúbia, na Inglaterra. A fama de sua beleza se espalhou e ela passou a ser desejada por vários pretendentes (embora Úrsula tenha feito um voto secreto de consagração total a Deus). Seu pai acabou aceitando a proposta de casamento feita pelo duque Conanus, um general de exército pagão, seu aliado.
Úrsula fora educada nos princípios cristãos. Por isso ficou muito triste ao saber que seu pretendente era pagão. Quis recusar a proposta mas, conforme costume da época, deveria acatar a decisão de seu pai. Pediu, então, um período de três anos para se preparar. Ela esperava converter o general Conanus durante esse tempo, ou então, encontrar um meio de evitar o casamento. Mas não conseguiu nem uma coisa, nem outra.
Conforme o combinado, ela partiu para as núpcias, viajando de navio, acompanhada de onze jovens, virgens como ela, que iriam se casar com onze soldados do duque Conanus. Há lendas e tradições que falam em onze mil virgens, ao invés de onze apenas. Mas outros escritos da época e pesquisas arqueológicas revelaram que foram mesmo onze meninas.
Foram navegando pelo rio Reno e chegaram a Colônia, na Alemanha. A cidade havia sido tomada pelo exército de Átila, rei dos hunos. Eles mataram toda a comitiva, sobrando apenas Úrsula, cuja beleza deixou encantado ao próprio Átila. Ele tentou seduzi-la e lhe propôs casamento. Ela recusou, dizendo que já era esposa do mais poderoso de todos os reis da Terra, Jesus Cristo. Átila, enfurecido, degolou pessoalmente a jovem, no dia 21 de outubro de 383. Em Colônia, uma igreja guarda o túmulo de Santa Úrsula e suas companheiras.
Durante a Idade Média, a italiana Ângela de Mérici, fundou a Companhia de Santa Úrsula, com o objetivo de dar formação cristã a meninas. Seu projeto foi que essas futuras mamães seriam multiplicadoras do Evangelho, catequizando seus próprios filhos. Foi um avanço, tendo em vista que nesta época a preocupação com a educação era voltada apenas para os homens. Segundo a fundadora, o nome da ordem surgiu de uma visão que ela teve.
Atualmente as Irmãs Ursulinas, como são chamadas as filhas de Santa Ângela, estão presentes nos cinco continentes, mantendo acesas as memórias de Santa Ângela e Santa Úrsula.
Santa Úrsula, rogai por nós!
Fonte: Canção Nova Noticias

domingo, 20 de outubro de 2019

PAPA NO ANGELUS: A ORAÇÃO: E CONDIÇÃO INDISPENSÁVEL PARA A MISSÃO



A oração, aquela "fervorosa e incessante, segundo o ensinamento de Jesus", é indispensável para os missionários do Evangelho, disse o Papa Francisco na alocução que precedeu a Oração Mariana do Angelus neste domingo (20), na Praça São Pedro.
Andressa Collet – Cidade do Vaticano
A mensagem do Papa Francisco que precedeu a Oração Mariana do Angelus deste domingo (20), Dia Mundial das Missões, assim como a homilia na Santa Missa durante a manhã na Basílica de São Pedro, insistiu no comprometimento em anunciar a Palavra. Por ocasião especial da data que recorda milhares de missionários atuando no mundo, o Pontífice exortou “que todo batizado tome uma viva consciência da necessidade de cooperar no anúncio do Reino de Deus por meio de um compromisso renovado”.
Essa responsabilidade missionária de toda a Igreja foi enfatizada inclusive 100 anos atrás, lembrou Francisco, com a Carta Apostólica Maximum Illud do Papa Bento XV. O documento tinha o objetivo de “requalificar evangelicamente a missão no mundo”.
“No contexto transformado de hoje, a mensagem de Bento XV é ainda atual e nos estimula a superar a tentação de qualquer fechamento autorreferencial e de toda forma de pessimismo pastoral para nos abrirmos à alegre novidade do Evangelho. Em nosso tempo, marcado por uma globalização que deveria ser solidária e respeitosa com a particularidade dos povos e que, ao invés disso, sofre ainda da homologação e dos velhos conflitos de poder que alimentam guerras e arruínam o planeta, nesse tempo que é assim, os crentes são chamados a levar a todos os lugares, com novo ímpeto, a boa nova de que em Jesus a misericórdia vence o pecado, a esperança vence o medo, a fraternidade vence a hostilidade. Cristo é a nossa paz e n’Ele toda divisão é superada, n’Ele só tem a salvação de todo homem e de todo povo.”

Eu rezo para os missionários?

O Papa continuou encorajando os missionários do Evangelho e finalizou:
“ Para viver em plenitude a missão, há uma condição indispensável: a oração, uma oração fervorosa e incessante, segundo o ensinamento de Jesus proclamado também no Evangelho de hoje, em que ele conta uma parábola «sobre a necessidade de rezar sempre, sem nunca se cansar" (Lc 18: 1). Hoje também é uma boa oportunidade para nos perguntar: eu rezo para os missionários? Rezo por aqueles que vão para longe levar a Palavra de Deus com o testemunho? Vamos pensar. ”
Fonte: Vatican News

PAPA: A MISSÃO NÃO PODE SER UM PESO, MAS UM DOM PARA OFERECER




No Dia Mundial das Missões, celebrado neste domingo (20) no âmbito do Mês Extraordinário Missionário, o Papa Francisco presidiu a Santa Missa na Basílica de São Pedro. O Pontífice usou o substantivo 'monte', o verbo 'subir' e o pronome 'todos' para encorajar o testemunho de milhares de missionários no mundo.
Andressa Collet – Cidade do Vaticano
Uma celebração eucarística caracterizada pela comunhão dos povos na Basílica de São Pedro. Na manhã deste domingo (20), o Papa Francisco presidiu uma missa, por ocasião do Dia Mundial das Missões no âmbito do Mês Missionário Extraordinário. A cerimônia foi especialmente animada pela genuína participação do coro e orquestra “Palmarito e Urubichà”, da Bolívia.
Na homilia, o Papa usou o substantivo monte, o verbo subir e o pronome todos, extraídos das leituras do dia, para encorajar o testemunho de milhares de missionários no mundo.

monte, lugar de grandes encontros

Ao iniciar falando do monte, Francisco indicou aquele da Galileia, mas que poderia o do Sinai, do Tabor ou das Oliveiras, mas sempre “o monte parece ser o lugar onde Deus gosta de marcar encontro com toda a humanidade”.
“A nós, o que nos diz o monte? Que somos chamados a nos aproximar de Deus e dos outros: nos aproximar de Deus, o Altíssimo, no silêncio, na oração, nos afastando das maledicências e boatos que poluem; e nos aproximar também dos outros.”
Francisco então falou da importância de olhar o outro de uma outra perspectiva, do alto do monte, onde descobrimos que “a harmonia da beleza só é dada pelo conjunto”.
“O monte nos lembra que os irmãos e as irmãs não devem ser selecionados, mas abraçados com o olhar e sobretudo com a vida. O monte liga Deus e os irmãos num único abraço, o da oração. O monte nos leva para o alto, longe de tantas coisas materiais que passam; nos convida a redescobrir o essencial, o que permanece: Deus e os irmãos. A missão começa no monte: lá se descobre aquilo que conta. No coração deste mês missionário, vamos nos interrogar: para mim, o que é que conta na vida? Quais são as altitudes para onde vou?”

subir, um êxodo do próprio eu

O Papa partiu para o verbo que acompanhe o substantivo monte: o subir, já que “nascemos, não para ficar em terra nos contentando com coisas triviais, mas para chegar às alturas encontrando Deus e os irmãos”.
“ Para isso, porém, é preciso subir: é preciso deixar uma vida horizontal, lutar contra a força de gravidade do egoísmo, realizar um êxodo do próprio eu. Por isso, subir requer esforço, mas é a única maneira para ver tudo melhor, como o panorama mais bonito ao escalar a montanha só se vê no cimo. ”
O Papa recordou que a subida muitas vezes não é fácil, pois estamos carregados de coisas e é preciso deixar de lado o que não serve:
“É também o segredo da missão: para partir é preciso deixar, para anunciar é preciso renunciar. O anúncio credível é feito, não de bonitas palavras, mas de vida boa: uma vida de serviço, que sabe renunciar a tantas coisas materiais que empequenecem o coração, tornam as pessoas indiferentes e as fecham em si mesmas; uma vida que se separa das inutilidades que enchem o coração e encontra tempo para Deus e para os outros. Podemos nos interrogar: Como procede a minha subida? Sei renunciar às bagagens pesadas e inúteis do mundanismo para subir ao monte do Senhor?”

O pronome todos, a missão de todos

O que prevalece, porém, nas leituras, é o pronome todos, disse Francisco, repetido várias vezes: todos os povos, todas as nações, todos os homens.
“O Senhor Se obstina a repetir esse «todos». Sabe que somos teimosos a repetir «meu» e «nosso»: as minhas coisas, a nossa nação, a nossa comunidade... e Ele não Se cansa de repetir «todos». Todos, porque ninguém está excluído do seu coração, da sua salvação; todos, para que o nosso coração ultrapasse as alfândegas humanas, os particularismos baseados nos egoísmos que não agradam a Deus. Todos, porque cada qual é um tesouro precioso e o sentido da vida é dar aos outros este tesouro. Eis a missão: subir ao monte para rezar por todos, e descer do monte para se doar a todos.”
“Subir e descer… assim o cristão está sempre em movimento, em saída”, e “ao encontro de todos, não apenas dos seus e do seu grupinho”, enfatizou o Papa, que provocou mais questionamentos a todos: “assumimos o convite de Jesus ou nos ocupamos apenas das nossas coisas?”.
A missão, disse Francisco, é “mostrar, com a vida e mesmo com palavras, que Deus ama a todos e não se cansa jamais de ninguém”. E o Papa finalizou afirmando que “cada um de nós é uma missão nesta terra”.
“ Vai com amor ao encontro de todos, porque a tua vida é uma missão preciosa: não é um peso a suportar, mas um dom a oferecer. Coragem! Sem medo, vamos ao encontro de todos! ”

Fonte: Vatican News

HORÁRIO DE MISSAS



Paróquia São Vicente de Paulo, à Avenida Desembargador Moreira, 2211, no bairro Dionísio Torres, em Fortaleza.

*Diariamente: 6h30 e 17h30
* De 3ª a 6ª: 11h30 e 19 horas
*Sábado: 6h30, 12 horas e 17h30
* Domingo: 6h30, 8h30, 11h30, 17h30 e 19h30

Comunidade Face de Cristo, à Rua Edmilson Barros de Oliveira, 191, no bairro Cocó, em Fortaleza
* De segunda à quinta-feira, às18 horas
* De segunda à sexta-feira: 7 horas.
* Domingo: às 8 e 18h30

 Paróquia São João Eudes:

Na Igreja  Menino Deus, à Rua Jaime Leonel, s/n, no bairro Luciano Cavalcante, nas proximidades da Câmara Municipal de Fortaleza

* De segunda à sexta-feira: 6h30min
* Às 3ªs e 5ªs feiras, às 19 horas
* Domingo: às 7 e 19 horas.

Na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, à rua Albert Sabin, s/n, no bairro Cocó/Guararapes.

* Às  4ªs feiras, às 18h30, novena de Nossa Senhor do Perpétuo Socorro, às 19 horas, missa e, às sextas-feiras, às 18h30, Adoração ao Santíssimo Sacramento e, logo em seguida, missa.
* Domingo: às 9, 17 e 19 horas.

Paróquia Nossa Senhora da Assunção (Santuário), no bairro Barra do Ceará

* De terça-feira a sábado, as 6 e 19horas.
*Domingo : às 7, 9, 17, 18h30 e 20horas.

Paróquia Nossa Senhora Aparecida, à Avenida Gomes de Matos, no bairro Montese.

*De 2ª à sexta-feiras, às 18h30, exceto nas terças-feiras.
*Domingo: às 7, 9,17 e 19 horas;*Nos dias 12, Missa em honra a Nossa Senhora Aparecida; dia 13, Nossa Senhora de Fátima, e dia19, Santo Expedito. E toda 1ª terça-feira do mês, Missa de Cura.

Paróquia do Coração de Jesus, no Centro de Fortaleza, na Praça do Coração de Jesus.

*Diariamente, de segunda-feira a domingo, às 7 horas.
* Domingo: às 7,8,30, 16 e 18 horas.

Paróquia de Cristo Rei, à Rua Nogueira Acioli, 263, na Aldeota.

De segunda-feira à sexta-feira, às 6h30 e às 17 horas
Sábado, às 6h30, 17 e 19 horas.
Domingo, 6h30, 9, 11, 17 e 19 horas
Últimas terças-feiras: “Noite da Misericórdia”. Observação: não há missa das 17 horas.
Dia 13 – Missa Mariana: às 12 horas, na Igreja Matriz e às 18 horas, na Praça Ceart.

Paróquia Nossa Senhora do Carmo, na Avenida Duque de Caxias, no Centro de Fortaleza

Domingo, às 8, 10, 17 e 18h30
Sábado, às 7h30, 17h30 e 17h30
De 3ª A 6ª feira, às 7h30 e 17 horas.     

Paróquia de Santa Luzia,  Rua Tenente Benévolo esquina com Rua Antônio Augusto

Diàriamente, às 17 horas
Sábado, às 17 e 19 horas.
Domingo, às 8, 10 (missa das crianças), 17 e 19 horas (missa dos jovens)
Todo dia 13 de cada mês, missa às 12 horas, em honra a Nossa Senhora de Fátima.

Paróquia de São Gonçalo do Amarante, a 57 quilômetros distante de Fortaleza

De terça-feira à sexta-feira, às 18 horas.
Domingo, às 19 horas.

Igreja Matriz de São José - Lagoa Redonda (Avenida Recreio, 1815)
- Sábado, 20 horas
- Domingo, 7 e 17h30

Capela de Santa Edwiges, Conjunto Curió Lagoa Redonda (Rua Isabel Ferreira, 1001)
- Domingo às 9 horas

Igreja dos Remédios – Benfica – na Avenida da Universidade
- Às segundas e quartas-feiras, às 6h30m.
- Às terças, quintas e sextas-feiras, às 17h30min.
- Aos sábados – 15h30min e 17 horas.
- Aos domingos, às 7, 17 e 19 horas.
- Domingos, ás 9horas, Missa com crianças (exceto no 1. domingo de cada mês, dia dos batizados)
- No primeiro sábado, missa pela saúde e todo o dia 13, às 12 horas, celebração em honra a Nossa Senhora. Mais informações pelo telefone (85) 3223.5644.

Envie-nos os horários de Missa de sua Paróquia ou Comunidade para o e-mailvaivém@secrel.com.br