terça-feira, 27 de setembro de 2016

ALMOÇO COMEMORATIVO AOS 25 ANOS DE ORDENAÇÃO EPISCOPAL DE DOM JOSÉ ANTONIO

Contando com a presença de dom Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo e um número significativo de sacerdotes e leigos, coordenadores de pastorais e movimentos, a Arquidiocese de Fortaleza promoveu um almoço comemorativo aos 25 anos de ordenação episcopal de dom José Antonio Aparecido Tosi Marques. O almoço foi servido no salão da Faculdade de Filosofia de Fortaleza.
Estiveram presentes ainda, dom Rosalvo, bispo Auxiliar de Fortaleza; dom Aldo Pagotto, bispo emérito da Paraíba, hoje residindo em Fortaleza, e dom Edmilson Cruz, bispo emérito de Limoeiro do Norte, também residindo nesta Capital.
Ele se estava bastante feliz, como mostra a foto.

As fotos do Site da Arquidiocese de Fortaleza 



CONHEÇA O PAÍS QUE PRODUZ MAIS DE 60 BÍBLIAS POR MINUTO



Pessoas lendo a Bíblia / Flickr da Igreja em Valladolid (CC-BY-SA-2.0)

BEIJING, 27 Set. 16 / 02:00 pm (ACI).- A fábrica que produz mais bíblias em todo mundo, Amity Printing, se encontra na China, ocupa um espaço semelhante ao de 8 campos de futebol e possui 600 trabalhadores, que produzem de 60 a 70 bíblias por minuto, ou seja, aproximadamente 18 milhões de cópias por ano.
Amity Printing foi aberta pela primeira vez em 1987 e sua sede está na cidade de Najing. Segundo ‘Financial Times’, até 2014 esta fábrica produziu 65 bilhões e 700 milhões de cópias em 10 dialetos chineses diferentes, assim como 59 bilhões e 300 milhões de cópias em outros 90 idiomas, que foram exportadas a 70 países.
A fábrica é um projeto conjunto de Sociedades Bíblicas Unidas e a Fundação Amity, uma ONG cristã local.
De acordo com as cifras oficiais, há menos de 30 milhões de cristãos na China, mas conforme estimativas independentes de maior credibilidade, indica-se que o número de católicos e protestantes no país supera os 86 bilhões e 700 milhões de membros do Partido Comunista Chinês.
O budismo, que chegou à China vindo da Índia pouco depois da morte de Cristo, continua sendo a religião predominante nesse país.
Entretanto, o cristianismo, sobretudo o protestante, é a religião que cresceu mais rapidamente no país. Muitos peritos acreditam que a China terá a maior população cristã do mundo nos próximos 15 anos.
“Na medida em que a China se abriu ao mundo (desde 1980), a maioria das pessoas se centrou em melhorar sua qualidade de vida, conseguir roupa e alimentar-se bem, porque todo mundo era pobre”, disse Qiu Zhonghui, presidente da Amity Printing.
“Uma vez que as pessoas chegam a um certo nível de vida, começam a procurar a plenitude espiritual e por isso vemos tanta demanda do cristianismo na China. O significado da vida chega a ser importante quando as pessoas têm o dinheiro suficiente para sobreviver”, adiciona Zhonghui.
Além disso, o presidente da fábrica explicou que “a Fundação Amity utiliza os benefícios procedentes dos seus lucros e doações para fazer trabalho de caridade a fim de promover a educação, serviços sociais, proteção do meio ambiente, saúde e desenvolvimento rural”.
O principal cliente da Fundação Amity é o Conselho Cristão da China (autorizado pelo governo), que subvenciona e distribui Bíblias em todo o país.
“Inclusive hoje em dia, alguns estrangeiros e grupos religiosos de outros países pensam que a China não permite bíblias e que algumas igrejas no Oeste ainda arrecadam fundos para o contrabando. Não percebem que essas bíblias provavelmente são feitas aqui na nossa fábrica na China”, disse Zhonghu


ACI Digital

FESTA DOS ARCANJOS, DIA 29, ENCERRA CERCO DE JERICÓ



festadosarcanjos
Na próxima quinta-feira, 29, a Comunidade Católica Shalom realiza, a partir das 16h, a Festa dos Arcanjos no Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU), na capital cearense. Terço da Divina Misericórdia, show com Naldo José e Santa Missa pelos enfermos estão na programação do evento que encerra o Cerco de Jericó.
Participar da Festa dos Arcanjos é muito importante para quem viveu as semanas de preparação através do Cerco de Jericó, no Shalom da Paz, em Fortaleza.
Padre Antônio Furtado, responsável pela Rádio Shalom 690, explica que este ano os encontros do cerco tiveram como tema “Em nome do Senhor” e como lema o versículo bíblico 1 Samuel 17, 45 que diz: “Você vem contra mim com espada, com lança e com dardo, mas eu vou contra você em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem você desafiou”. A cada encontro uma característica de Davi, jovem escolhido por Deus para combater contra Golias, foi estudada.
O sacerdote aconselha a quem não acompanhou o Cerco de Jericó a participar da Festa dos Arcanjos, pois é uma das festas mais belas da fé católica. Segundo ele, a Igreja dedica dois dias para os anjos: o primeiro é o dia 29 de setembro, com a Festa dos Arcanjos, e o segundo é o dia 2 de outubro, com a celebração dos anjos da guarda.
Os arcanjos são espíritos criados por Deus para auxiliar o povo eleito naquilo que diz respeito à salvação. Miguel, Gabriel e Rafael são os arcanjos de Deus. O nome de cada arcanjo tem um significado que caracteriza o Senhor do Antigo e do Novo Testamento.
Miguel quer dizer “Quem como Deus”. Segundo a tradição da Igreja, esse arcanjo foi quem liderou a batalha travada contra os anjos decaídos. Gabriel quer dizer “Deus é forte”. Esse anjo foi quem anunciou à virgem Maria o nascimento de Jesus. Rafael quer dizer “Deus cura”. Esse arcanjo foi enviado por Deus para ajudar Tobias a encontrar Sara sua futura esposa.
Serviço
Festa dos Arcanjos
Dia 29/09 | Hora 16h
Local:  Condomínio Espiritual Uirapuru
(Av. Alberto Craveiro, 2222 – Castelão, Fortaleza)
Fonte: Shalom
Jonas Viana

VOCÊ SE SENTE DEPRIMIDO E SEM VONTADE DE VIVER? VEJA O QUE DIZ O PAPA FRANCISCO



Papa na Missa. Foto: L'Osservatore Romano

VATICANO, 27 Set. 16 / 11:30 am (ACI).- Durante a homilia da Missa na Capela da Casa Santa Marta – na festa de São Vicente de Paulo –, o Papa Francisco meditou sobre a primeira leitura de hoje, que conta a história de Jó, o qual passou por uma grande “desolação espiritual” e “havia perdido tudo”. O Santo Padre ofereceu alguns conselhos para aquelas pessoas que se sentem tristes e deprimidas.
“A desolação espiritual é uma coisa que acontece com todos nós: pode ser mais forte ou mais fraca... mas é uma condição da alma obscura, sem esperança, desconfiada, sem vontade de viver, que não vê a luz no fim do túnel, que tem agitação no coração e nas ideias”.
Mas também, “a desolação espiritual nos faz sentir como se nossa alma fosse ‘achatada’: quando não consegue, não quer viver: ‘A morte é melhor!’”, acrescentou o Pontífice.
Isto foi o que aconteceu com Jó, “melhor morrer do que viver assim”. “E nós devemos entender quando nosso espírito está neste estado de tristeza geral, quando ficamos quase sem respiro. Acontece com todos nós e temos que compreender o que se passa em nosso coração”, aconselhou.
Francisco convidou então a nos perguntar: “O que se deve fazer quando vivemos estes momentos escuros, por uma tragédia familiar, por uma doença, por alguma coisa que me leva ‘para baixo’. Alguns pensam em engolir um comprimido para dormir e tomar distância dos fatos, ou beber ‘dois, três, quatro golinhos’. Mas isto não ajuda”, assegurou o Papa.
Em vez disso, a liturgia de hoje “nos mostra como lidar com a desolação espiritual, quando ficamos mornos, para baixo, sem esperança”.
O Santo Padre indicou que no salmo 87 está a resposta: “Chegue a ti a minha prece, Senhor”. Portanto, é preciso rezar: “É uma oração de bater na porta, mas com força!”, exclamou.
“Senhor, eu estou cheio de desventuras. A minha vida está à beira do inferno. Estou entre aqueles que descem à fossa, sou como um homem sem forças’”, disse o Papa.
“Quantas vezes nós sentimos assim, sem forças... E esta é a oração. O Senhor mesmo nos ensina como rezar nestes momentos difíceis. ‘Senhor, me lançaste na fossa mais profunda. Pesa sobre mim a Tua cólera. Chegue a Ti a minha oração’”.
Nesse sentido, o Pontífice disse novamente: “Assim devemos rezar nos piores momentos, nos momentos mais escuros, mais desolados, mais esmagados, que nos esmagam mesmo. Isto é rezar com autenticidade. E também desabafar como desabafou Jó com os filhos. Como um filho”.
Francisco destacou que o personagem da Bíblia viveu também o silêncio dos amigos nesta situação.
Diante de uma pessoa que sofre, disse o Papa, “as palavras podem ferir”. O que conta é estar perto, fazer sentir a proximidade, “mas não fazer discursos”.
“Quando uma pessoa sofre, quando uma pessoa se encontra na desolação espiritual, você tem que falar o mínimo possível e você tem que ajudar com o silêncio, a proximidade, as carícias, com a sua oração diante do Pai”.
Em seguida, o Santo Padre disse que existem 3 coisas que se devem fazer:
“Em primeiro lugar, reconhecer em nós os momentos de desolação espiritual, quando estamos no escuro, sem esperança, e nos perguntar por quê. Em segundo lugar, rezar ao Senhor, como na liturgia de hoje, com este Salmo 87 que nos ensina a rezar, no momento de escuridão”, prosseguiu o Papa.
“E em terceiro lugar, quando me aproximo de uma pessoa que sofre, seja por doenças, seja por qualquer sofrimento, mas que está na desolação completa, silêncio; mas silêncio com tanto amor, proximidade, ternura. E não fazer discursos que, depois, não ajudam e, também, lhe fazer mal”.
Ao concluir, o Papa Francisco disse: “Rezemos ao Senhor para que nos conceda essas três graças: a graça de reconhecer a desolação espiritual, a graça de rezar quando estivermos submetidos a este estado de desolação espiritual e também a graça de saber acolher as pessoas que passam por momentos difíceis de tristeza e de desolação espiritual”.
Leitura e salmo comentados pelo Papa:
Primeira Leitura (Jó 3,1-3.11-17.20-23)
“Jó abriu a boca e amaldiçoou o seu dia, 2dizendo: “Maldito o dia em que nasci e a noite em que fui concebido. Por que não morri desde o ventre materno, ou não expirei ao sair das entranhas? Por que me acolheu um regaço e uns seios me amamentaram? Estaria agora deitado e poderia descansar, dormiria e teria repouso, com os reis e ministros do país, que construíram para si sepulcros grandiosos; ou com os nobres, que amontoaram ouro e prata em seus palácios. Ou, então, enterrado como aborto, eu agora não existiria, como crianças que nem chegaram a ver a luz.
Ali acaba o tumulto dos ímpios, ali repousam os que esgotaram as forças. Por que foi dado à luz um infeliz e vida àqueles que têm a alma amargurada? Eles desejam a morte que não vem e a buscam mais que um tesouro; eles se alegrariam por um túmulo e gozariam ao receberem sepultura.
Por que, então, foi dado à luz o homem a quem seu próprio caminho está oculto, a quem Deus cercou de todos os lados? ”
Salmo responsorial 87, 2-8
A vós clamo, Senhor, sem cessar, todo o dia, e de noite se eleva até vós meu gemido. Chegue a minha oração até a vossa presença, inclinai vosso ouvido a meu triste clamor!
Saturada de males se encontra a minh’alma, minha vida chegou junto às portas da morte. Sou contado entre aqueles que descem à cova, toda gente me vê como um caso perdido!
O meu leito já tenho no reino dos mortos, como um homem caído que jaz no sepulcro, de quem mesmo o Senhor se esqueceu para sempre e excluiu por completo de sua atenção.
Ó Senhor, me pusestes na cova mais funda, nos locais tenebrosos da sombra da morte. Sobre mim cai o peso do vosso furor, vossas ondas enormes me cobrem, me afogam.


ACI Digital

GREG BURKE: ´PAPA FRANCISCO NO CÁUCASO COM UMA MENSAGEM DE PAZ



Sexta-feira, 30 de setembro, o Papa Francisco deixa Roma de partida para a sua 16ª viagem internacional, “levando consigo o forte valor da paz”. É o que adianta o Diretor da Sala de Imprensa do Vaticano, o americano Greg Burke. Recebendo os jornalistas, ele acentuou a dimensão ecumênica da etapa na Geórgia e a inter-religiosa no Azerbaijão.
 “É evidentemente uma viagem de paz: o Papa levará uma mensagem de reconciliação a toda a região. Será a primeira vez que uma delegação na Geórgia participa da Missa do Papa, e também o Patriarca estará no aeroporto a aguardar Francisco”.
Enquanto na Geórgia o destaque serão os encontros do Pontífice com a comunidade ortodoxa local, no Azerbaijão a dimensão do diálogo inter-religioso será a predominante. Segundo o programa, os principais eventos na etapa em Baku serão a visita à mesquita e o encontro com o xeque dos muçulmanos no Cáucaso.
Durante a viagem – na qual o Papa vai fazer 10 discursos – haverá também um momento de proximidade com a população síria e iraquiana, sofridas pela guerra. Francisco vai fazer uma oração pela paz, rezando pela ‘Igreja-mártir’ na Síria, no templo católico caldeu de São Simone Bar Sabbae.
Geórgia, Azerbaijão e Armênia são três países soberanos na região do Cáucaso, os únicos cuja independência é reconhecida internacionalmente.
A viagem do Pontífice à Geórgia e Azerbaijão completa a sua ‘missão caucasiana’ iniciada com a visita à Armênia, em junho passado.(BS/CM)(from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vaticano

CARROS USADOS PELO PAPA FRANCISCO NA JMJ LEILOADOS EM PROL DOS REFUGIADOS


Cracóvia (RV) – Três automóveis utilizados pelo Papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) foram leiloados pela Caritas polonesa para financiar a compra de uma clínica móbil para refugiados sírios no Líbano.
Segundo a responsável da Caritas Agnieszka Homan, este é o desejo do Papa.
Os três automóveis VW Golf azul escuro, com placas "K1 POPE", "K2 POPE" e "K3 POPE", têm certificados que especificam o percurso feito com o papa a bordo.
O carro empregado para o trajeto de Cracóvia (sul) ao Santuário Jasna Gora, em Czestochowa, é o que mais suscita interesse entre os participantes do leilão on-line.
Seu preço alcançou rapidamente 30.100 slots (7.800 dólares) desde que foi colocado à venda, segunda-feira (26/09) pela manhã. A venda prossegue até domingo, 9 de outubro.
Papa sensibilizou os jovens para a questão dos refugiados
Na JMJ; que reuniu de 27 a 31 de julho na Polônia centenas de milhares de jovens católicos de todo o mundo, o Papa fez um chamado para ajudar “os que sofrem com a guerra e a fome”, referindo-se aos refugiados.
A Caritas-Polônia, organização da Igreja católica, já vendeu vários presentes recebidos pelo Papa durante a JMJ, entre eles um par de sapatos adquirido por 28.000 slots (quase 7.300 dólares), informou Agnieszka Homan.(from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vaticano

PAPA FRANCISCO: REZAR COM FORÇA PARA VENCER A DESOLAÇÃO ESPIRITUAL



Cidade do Vaticano (RV) - O que acontece em nosso coração quando somos tomados por uma ‘desolação espiritual?’ Foi a pergunta feita por Francisco na missa desta manhã na Casa Santa Marta, centralizada no personagem de Jó. O Papa acentuou a importância do silêncio e da oração para vencer os momentos mais sombrios. Neste dia de São Vicente de Paulo, o Papa ofereceu sua missa às Irmãs Vicentinas, as Filhas da Caridade, que trabalham na Casa Santa Marta.  
 
“Jó estava com problemas: havia perdido tudo”. A partir desta leitura, que apresenta Jó despojado de todos os seus bens, inclusive seus filhos, o Papa desenvolveu a homilia. “Jó se sente perdido, mas não maldiz o Senhor”.
Todos, cedo ou tarde, vivemos uma grande desolação espiritual
Jó vive uma grande ‘desolação espiritual’ e desafoga com Deus. É o desabafo de ‘um filho diante de seu pai’. O mesmo o faz o profeta Jeremias, que desabafa com o Senhor, mas sem blasfemar: 
“A desolação espiritual é uma coisa que acontece com todos nós: pode ser mais forte ou mais fraca... mas é uma condição da alma obscura, sem esperança, desconfiada, sem vontade de viver, que não vê a luz no fim do túnel, que tem agitação no coração e nas ideias... A desolação espiritual nos faz sentir como se nossa alma fosse ‘achatada’: quando não consegue, não quer viver: ‘A morte é melhor!’ desabafa Jó. Melhor morrer do que viver assim'. E nós devemos entender quando nosso espírito está neste estado de tristeza geral, quando ficamos quase sem respiro. Acontece com todos nós, e temos que compreender o que se passa em nosso coração”.
Esta, acrescentou o Papa, “é a pergunta que devemos nos por: ‘O que se deve fazer quando vivemos estes momentos escuros, por uma tragédia familiar, por uma doença, por alguma coisa que me leva ‘prá baixo’. Alguns pensam em engolir um comprimido para dormir e tomar distância dos fatos, ou beber ‘dois, três, quatro’ golinhos’... “Isto não ajuda. A liturgia de hoje nos mostra como lidar com a desolação espiritual, quando ficamos mornos, prá baixo, sem esperança”.
Quando nos sentimos perdidos, rezar com insistência
No Salmo responsorial 87 está a resposta: “Chegue a ti a minha prece, Senhor”. É preciso rezar – disse o Papa – rezar com força, como disse Jó: gritar dia e noite até que Deus escute:
“É uma oração de bater na porta, mas com força! “Senhor, eu estou cheio de desventuras. A minha vida está à beira do inferno. Estou entre aqueles que descem à fossa, sou como um homem sem forças’. Quantas vezes nós sentimos assim, sem forças... E esta é a oração.  O Senhor mesmo nos ensina como rezar nestes momentos difíceis. 'Senhor, me lançaste na fossa mais profunda. Pesa sobre mim a Tua cólera. Chegue a Ti a minha oração’. Esta é a oração: assim devemos rezar nos piores momentos, nos momentos mais escuros, mais desolados, mais esmagados, que nos esmagam mesmo. Isto é a rezar com autenticidade. E também desabafar como desabafou Jó com os filhos. Como um filho”.
O Livro de Jó, em seguida, fala do silêncio dos amigos. Diante de uma pessoa que sofre, disse o Papa, “as palavras podem ferir”. O que conta é estar perto, fazer sentir a proximidade, “mas não fazer discursos”.
Silêncio, oração e presença, por isso realmente ajuda aqueles que sofrem
“Quando uma pessoa sofre, quando uma pessoa se encontra na desolação espiritual – continuou o Papa -, você tem que falar o mínimo possível e você tem que ajudar com o silêncio, a proximidade, as carícias, com a sua oração diante do Pai":
“Em primeiro lugar, reconhecer em nós os momentos de desolação espiritual, quando estamos no escuro, sem esperança, e nos perguntar por quê? Em segundo lugar, rezar ao Senhor, como na liturgia de hoje, com este Salmo 87 que nos ensina a rezar, no momento de escuridão. 'Chegue a Ti a minha oração, Senhor'. E em terceiro lugar, quando me aproximo de uma pessoa que sofre, seja por doenças, seja por qualquer sofrimento, mas que está na desolação completa, silêncio; mas silêncio com tanto amor, proximidade, ternura. E não fazer discursos que, depois, não ajudam e, também, lhe fazer mal”.
"Rezemos ao Senhor - concluiu Francisco –, para que nos conceda essas três graças: a graça de reconhecer a desolação espiritual, a graça de rezar quando estivermos submetidos a este estado de desolação espiritual, e também a graça de saber acolher as pessoas que passam por momentos difíceis de tristeza e de desolação espiritual”. (SP) (from Vatican Radio)
Fonte: Rádio Vaticano

ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA REALIZA ENCONTRO DO DIZIMO


A Arquidiocese de Fortaleza, por meio da Pastoral do Dízimo, realizará no dia 29 de outubro, das 8h às 12h, na Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, bairro de Fátima, em Fortaleza o Encontro Arquidiocesano do Dízimo. O evento visa discutir o Documento da CNBB 106: O Dízimo na Comunidade de Fé: orientações e propostas, publicado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB.

O encontro acontecerá na Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, sendo destinado às coordenações e agentes da Pastoral do Dízimo das Regiões Episcopais, Paróquias e Áreas Pastorais. As inscrições devem ser confirmadas até o dia 24 de outubro pelo e-mail: jastascxak@gmail.com.

Encontro Arquidiocesano do Dízimo
Tema: Documento da CNBB 106: O Dízimo na Comunidade de Fé: orientações e propostas.

Taxa de inscrição: R$ 10,00.


Informações: (85) 99922-4449 com João Augusto Stascxak.

COMUNIDADE ANUNCIA-ME PROMOVE SEMINÁRIO DE VIDA NO ESPÍRITO SANTO


O Projeto Sagrada Família da Comunidade Católica Anuncia-me realizará nos dias 14, 15 e 16 de outubro o Seminário de Vida no Espírito Santo para Casais tendo como tema “O Bom Deus deu-me um pai e uma mãe mais dignos do céu do que da terra” com participação do Padre Josieldo Nascimento da Arquidiocese de Fortaleza. 

Durante o evento terá o Espaço KIDS com Evangelização Infantil e no dia 15 de outubro Jantar Romântico com música ao vivo.

A Comunidade Católica Anuncia-me fica na Rua Padre Nóbrega, 461 no bairro Serrinha em Fortaleza - CE (Próximo a UECE).


Informações pelos telefones 3225 8494 / 988402269 / 985911346.

ENCERRAM-SE HOJE OS FESTEJOS EM HONRA A SÃO VICENTE DE PAULO


Ficam encerrados hoje, com uma  missa solene concelebrada, às 18h30 , e uma procissão pelas imediações da Igreja Matriz, os festejos em honra a São Vicente de Paulo.

Para o encerramento da festa, o padre  Raimundo Neto, pároco da Paróquia de São Vicente, Dionísio Torres, está convidando as forças vivas da paróquia - pastorais, movimentos, ministérios, serviço, paroquianos e devotos de São Vicente para participarem da festa que neste ano tem como tema: São Vicente de Paulo e o Ano Santo do Jubileu Extraordinário da Misericórdia. 6h30, 8h30, 11h30 e 18h30.

Na celebração das 8h30, a participação dos idosos carentes e, em seguida, no Salão Paroquial - sopa e cestas básicas (Coordenadores: Viviane, Legionárias, Pastoral do Idoso e Grupo Dirigente ECC).

- das 15h às 18h - Adoração do Santíssimo Sacramento.

- 18h30min - Missa Solene concelebrada e em seguida procissão pelas imediações da Matriz.

-Hoje, no dia de São Vicente – 27 de setembro – convide uma pessoa (principalmente pobre - material ou espiritualmente), para tomar café, almoçar ou lanchar em sua casa. Essa pessoa, com certeza, será o São Vicente da atualidade.

A Paróquia de São Vicente de Paulo fica na Av. Desembargador Moreira, 2211 - Dionísio Torres. Informações pelo telefone (85) 3224 6489, Secretaria Paroquial.

EVANGELHO DO DIA


Lucas 9,51-56
 Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.— Glória a vós, Senhor.51Estava chegando o tempo de Jesus ser levado para o céu. Então ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém 52e enviou mensageiros à sua frente. Estes puseram-se a caminho e entraram num povoado de samaritanos, a fim de preparar hospedagem para Jesus. 53Mas os samaritanos não o receberam, pois Jesus dava a impressão de que ia a Jerusalém. 54Vendo isso, os discípulos Tiago e João disseram: “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?” 55Jesus, porém, voltou-se e repreendeu-os. 56E partiram para outro povoado. Palavra da Salvação.

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE


27/09/2016 - 3a. Feira – XXVI semana comum – São Vicente de Paulo

- Jó 3,1-3.11-17.20-23 – “um justo desabafo”

“Tudo quanto é humano constitui material apropriado para a oração perfeita. Nas nossas reflexões em oração podemos tratar do medo, ira, culpa e pecado, perguntas e dúvidas, necessidades e desejos, louvor e gratidão, sofrimento e morte. Nada humano é excluído da oração do homem justo.” (trecho retirado do Livro Maravilhosa Bíblia) Portanto, a amargura do homem justo que é provado pelas intempéries da vida, que sofre na própria carne a provação e o infortúnio, a miséria e aflição descritos aqui neste trecho do livro de Jó se constitui como um clamor a Deus. O desabafo de Jó é, portanto, semelhante ao que muitas vezes fazemos quando, no auge do suplício ou do sofrimento desejaríamos nem ter nascido ou então desaparecer da face da terra. Isso tudo faz parte do nosso ser humano, fraco e limitado na sua capacidade de suportar a agonia da dor. Podemos, porém, observar que mesmo em meio ao seu desabafo, Jó nunca se revoltou contra Deus. Pelo contrário, ele se julgava infeliz e merecedor de tudo que lhe estava acontecendo. Conhecer a história de Jó nos faz compreender como Deus tem um plano para nós ainda que possamos passar pelos sofrimentos e desgostos próprios da nossa existência humana. Às vezes, cultivamos um conceito de que o sofrimento é destinado somente às pessoas que procedem mal e, por isso, são provadas a passar por grandes tribulações. O livro de Jó vem, justamente, evidenciar e nos conscientizar de que mesmo o justo e aquele que está ligado a Deus passa por provações e desgostos. O nosso sofrimento já é também uma consequência do viver no meio dos homens pecadores e insensatos. No entanto, diante de Deus o homem justo tem liberdade de abrir o seu coração e desabafar as suas angústias, como uma oração e assim sentir-se amparado e consolado pelo Senhor. – Como é a sua oração quando está passando por problemas? – Você se sente livre para argumentar com Deus? – Você expõe a Ele sua angústia e sofrimento, as suas indagações e dúvidas? Experimente fazê-lo, o Senhor o compreenderá.

Salmo 87 – “Chegue a minha oração até a vossa presença.”

O salmo é um verdadeiro lamento daquele que está sendo provado e atribulado. Pode-se dizer que mesmo temente a Deus, mesmo confiante em Deus o ser humano é fraco na dor. A oração que se faz, porém, com o coração dorido é um verdadeiro bálsamo para a alma aflita. O desabafo da nossa alma diante de Deus se constitui uma oração de súplica para a qual o Senhor inclina o Seu ouvido e atende com misericórdia.

Evangelho Lucas 9, 51-56 – “Não podemos promover discórdia em nome de Deus”

Neste Evangelho, mais uma vez, Jesus nos mostra que Deus não deseja a destruição de ninguém, e não se compraz em liquidar com as pessoas para realizar os Seus planos. Mesmo sabendo que em Jerusalém iria se dar o desfecho da Sua Missão de Salvador da humanidade, onde seria crucificado, morto e sepultado e depois ressuscitado, Jesus tomou a firme decisão de seguir para lá com os Seus discípulos. No caminho, os samaritanos, sabedores de que Jesus ia para Jerusalém, lugar do templo do povo judaico, com quem eles não se davam bem, não aceitaram hospedá-Lo no povoado da cidade de Samaria. Os discípulos que acompanhavam Jesus não estavam entendendo a dimensão do Seu ministério e insinuaram para que Ele fizesse alguma coisa a fim de liquidar com os samaritanos que se opunham aos seus propósitos. Queriam aproveitar-se do poder de Jesus para revidarem a oposição dos samaritanos. Jesus, porém, não os aprovou e os repreendeu. Mesmo tendo todo o poder Jesus teve bom senso e mudou a sua rota evitando assim o
confronto com os samaritanos. Jesus nos dá, assim, uma grande lição de humildade ao ser rejeitado pelos samaritanos. Nós, como os discípulos de Jesus não nos conformamos quando somos rejeitados por alguém e não somos acolhidos dignamente. Na maioria das vezes desejamos logo dar o troco, nos valendo, muitas vezes, da nossa posição social, ou financeira, achando que também podemos “mandar descer fogo do céu” para prejudicar a quem nos feriu. Mesmo quando nos consideramos homens e mulheres de Deus e seguidores (as) de Jesus, nos arvoramos da nossa posição, nos achando intocáveis e, então, esquecemos dos exemplos de Jesus. Não podemos promover discórdia em nome de Deus nem tampouco oferecer vingança quando Jesus no ensina a amar. O fogo de que precisamos pedir para vir do céu é o fogo do Espírito Santo, que é o amor de Deus que incendeia os corações dos nossos inimigos. – Qual a lição que você tira para a sua vida? – Você é uma pessoa vingativa que quer dar o troco seja de que jeito for? – Você aceita perder numa discussão, num jogo, numa competição? - Você, é daquelas pessoas que evitam os conflitos ou dão tudo por uma confusão? - Você gosta de se aproveitar de situações que o (a) privilegiam.

Helena Serpa,

Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

SANTO DO DIA - SÃO VICENTE DE PAULO


“Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e espírito e amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Mat 22,37.39).
Se não foi o lema da vida deste santo, viveu como se fosse. O santo de hoje, São Vicente de Paulo, nasceu na Aquitânia (França) em 1581. No seu tempo a França era uma potência, porém convivia com as crianças abandonadas, prostitutas, pobreza e ruínas causadas pelas revoluções e guerras.
Grande sacerdote, gerado numa família pobre e religiosa, ele não ficou de braços cruzados mas se deixou mover pelo espírito de amor. Como padre, trabalhou numa paróquia onde conviveu com as misérias materiais e morais; esta experiência lhe abriu para as obras da fé. Numa viagem foi preso e, com grande humildade, viveu na escravidão até converter seu patrão e conseguiu depois de dois anos sua liberdade.
A partir disso, São Vicente de Paulo iniciou a reforma do clero, obras assistenciais, luta contra o jansenismo que esfriava a fé do povo e estragava com seu rigorismo irracional. Fundou também a “Congregação da Missão” (lazaristas) e unido a Santa Luísa de Marillac, edificou as “Filhas da Caridade” (irmãs vicentinas).
Sabia muito bem tirar dos ricos para dar aos pobres, sem usar as forças dos braços, mas a força do coração. Morreu quase octogenário, a 27 de setembro de 1660.
São Vicente de Paulo, rogai por nós!
Fonte: Canção Nova Notícias

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

HALLELUYA RIO PROMOVE A MISERICÓRDIA DE DEUS E SOLIDARIEDADE AOS IRMÃOS



Festival Halleluya no Rio de Janeiro. Foto: Divulgação

Rio de Janeiro, 26 Set. 16 / 04:00 pm (ACI).- O Festival Halleluya chega a sua sexta edição no Rio de Janeiro e reafirma o seu caráter solidário com a campanha de arrecadação de alimentos não perecíveis, que serão destinados a obras sociais. Entre os projetos beneficiados está o “Amor que Cura”, que tem a missão de ajudar os moradores de Jardim Gramacho, comunidade localizada em um antigo aterro sanitário, em Duque de Caxias (RJ).
Com o tema "Um mar de misericórdia", o evento promovido pela Comunidade Católica Shalom acontecerá no marco do Ano da Misericórdia convocado pelo Papa Francisco. Será entre os dias 28 e 30 de outubro. Pela terceira vez, terá como palco os Arcos da Lapa, um local no centro do Rio de Janeiro, conhecido por seus bares e agitação noturna.
A responsável pela Comunidade Shalom no Rio de Janeiro, Roneide Santos, explica que a “Lapa é um local privilegiado, onde encontramos muitos jovens que estão à procura de um sentido para suas vidas, a procura da felicidade e do amor e nem desconfiam que estão na verdade com sede de plenitude, com sede de Deus”.
Nesse sentido, ressalta que “Deus quer que todos experimentem da sua misericórdia” Além disso, Roneide lembra que muitos dos jovens que frequentam este local “não iriam a uma missa, não iriam a um show católico se fossem convidados”. Entretanto, assinala, “são surpreendidos no local que consideram ‘o berço da boemia carioca’ pela presença dos filhos da Igreja, que saem de seus muros, como pediu o Papa Francisco”.
“Então, escolhemos a Lapa porque queremos que o Halleluya seja um canal de encontro de homens e mulheres com Deus, para que, dando Jesus a eles, possamos ser canais da misericórdia, que cura e liberta de toda a opressão”, acrescenta.
A preocupação dos organizadores do evento e o desejo de promover a misericórdia e a solidariedade vai além dos participantes do festival. Nesse sentido, busca, através a arrecadação de alimentos, promover a caridade em relação a diversas obras sociais.
Entre os beneficiados está especialmente para o projeto “Amor que Cura”, realizado pelo Hospital São Francisco da Providência de Deus, localizado na Tijuca, que ajuda moradores de Jardim Gramacho.
Para a organização do evento, a través da doação de alimentos, os participantes do festival poderão dividir com os mais necessitados a alegria que vem da experiência com o amor de Deus.
“A alegria que experimentamos no Halleluya não acaba ao final do evento. Ela nos acompanha em nossa vida, através da experiência com o amor de Deus. E nada melhor para expressar isso do que a solidariedade com os que sofrem pela carência de alimentos”, afirma Roneide Santos.
Segundo a responsável pela Comunidade Shalom no Rio de Janeiro, “com a doação de cada um que estará na Lapa durante o evento, poderemos aliviar a dor de muitos irmãos, oferecendo a eles o mínimo necessário para a sua subsistência”.
“É um pequeno gesto, que simboliza nossa responsabilidade por construir um mundo melhor, onde não falte o essencial ao nosso irmão”, declara.
Três dias para a festa que nunca acaba
Durante os dias 28, 29 e 30 de outubro, mais de 10 atrações passarão pelo palco principal do Festival Halleluya, entre bandas e cantores católicos, espetáculo de teatro e dança, sorteios e muita solidariedade. A expectativa é reunir mais de 50 mil pessoas nas três noites do evento. O acesso do público será gratuito.
Com apoio da Arquidiocese do Rio de Janeiro e da Fundação Rádio Catedral, o Halleluya terá como uma de suas marcas a unidade dos carismas pela evangelização da juventude. Durante toda a programação, centenas de missionários, sacerdotes, religiosos e leigos estarão na Lapa para acolher os jovens nas tendas da confissão, oração e aconselhamento, promoção humana e prevenção ao uso de drogas. Haverá ainda um espaço privilegiado de encontro com Jesus Eucarístico para adoração e o ápice da programação em todos os dias será a celebração da Eucaristia.
Nascido em Fortaleza (CE), em 1998, como uma alternativa para os jovens no mês das férias de julho, o Halleluya cresceu e se consolidou na cidade, tornando-se uma festa fixa no calendário dos cearenses.
Contudo, os organizadores explicam que, mais do que uma festa, no festival os jovens têm uma experiência com Deus e a alegria que experimentam não é euforia nem folia, mas sim tem rastros de vida eterna. Por conta dessa proposta, o evento traz o slogan: “A festa que nunca acaba”.


ACI Digital

CRIANÇAS CRISTÃS E MUÇULMANAS REZARÃO JUNTAS PELA PAZ NA SIRIA



Imagem referencial / Foto: Flickr European Commission DGECHO (CC-BY-ND-2.0)

ROMA, 26 Set. 16 / 06:00 pm (ACI).- Centenas de crianças de Aleppo (Síria), cristãs e muçulmanas, se encontrarão no dia 6 de outubro para rezar pela paz nesta cidade e em todo o país, para que assim se detenha a espiral de crueldade e morte que tem aumentado nos últimos dias.
O Arcebispo armênio católico de Aleppo, Dom Boutros Marayati, informou à agência vaticana Fides que a iniciativa nasceu dos frades franciscanos e envolve em primeiro lugar os alunos das escolas.
Além disso, indicou, os poderosos do mundo serão exortados a colocar um fim às matanças que, com particular crueldade, tiram a vida das crianças, que em todas as guerras são os mais vulneráveis.
“Mas sobretudo rezarão. Rezarão por todos os seus coetâneos. Confiamos no fato de que a oração das crianças seja mais potente do que a nossa”, acrescentou Dom Marayati.
A agência Fides assinalou que os bombardeios e mortes, especialmente em Aleppo, mostram a o naufrágio da trégua frágil e parcial proclamada menos de uma semana atrás.
As forças do governo sírio, apoiadas pela Rússia, bombardeiam a região oriental da cidade, que é controlada por grupos rebeldes, entre os quais também há jihadistas.
Abd Arrahman, representante da Associação Médica da Síria, denunciou que, “em Aleppo, o objetivo claro é destruir todo o sistema de saúde. Os hospitais e todos os lugares associados a estes se tornaram os lugares mais perigosos da Síria”. Segundo ele, há apenas cerca de 30 médicos no leste da cidade, onde vivem 250.000 pessoas, entre elas 85.000 crianças.
Dom Marayati disse a Fides que “muitas famílias de civis deixaram esses bairros” para buscar refúgio na área controlada pelo governo.

ACI Digital