domingo, 24 de junho de 2018

BISPO ALERTA: TENTAM IMPLANTAR O ABORTO NO BRASIL ATRAVÉS DO JUDICIÁRIO CONTRA A VONTADE DO POVO






Foto referencial Pixabay (domínio público)

REDAÇÃO CENTRAL, 22 Jun. 18 / 06:00 am (ACI).- O Bispo da Diocese de Rubiataba Mozarlândia (GO), Dom Adair José Guimarães, lançou um alerta sobre o ativismo judicial que busca descriminalizar o aborto no Brasil por meio de iminente julgamento de uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) e convocou todos os católicos para que façam ouvir suas vozes em defesa da vida.
Em uma ‘Nota pública sobre a legalização do aborto no Brasil’, o Prelado recordou que “está em vias de ser julgada no Supremo Tribunal Federal a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 442 que, em suma, poderá abrir nosso país à prática do aborto”.
A ADPF 442 foi proposta pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) a fim de permitir a realização do aborto no Sistema Único de Saúde (SUS) até 12 semanas de gestação, bastando apenas o consentimento da gestante .
A relatora do caso, a ministra Rosa Weber, convocou para o dia 6 de agosto uma audiência pública que vai discutir essa questão.
“Nesse momento delicado, entendemos por bem vir a público expressar nossa preocupação com o julgamento mencionado”, manifestou Dom Adair.
O Bispo recordou que há muito tempo se observa no Brasil as investidas de “poderosos organismos internacionais que tentam legalizar o aborto” no país. Porém, assinalou, “fracassaram dada a heroica resistência de nosso povo, cuja maioria esmagadora é contrária à prática desse ato”.
Nesse contexto, indicou, o Congresso Nacional vem rejeitando “qualquer alteração legislativa que vise a legalizar a prática do aborto ou mesmo a ampliar as possibilidades de que ele venha a ser praticado sem punição na esfera criminal”.
Vale recordar que, no Brasil, a prática do aborto é despenalizada em três casos. Quando a gravidez é resultante de estupro, o aborto deve contar com a autorização da gestante ou de um responsável e deve acontecer até a 20ª semana. Quando há risco à vida da mãe e se não houver outro meio de salvá-la, o aborto pode ser feito em qualquer ponto da gravidez. E, o último caso foi autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2012 e diz respeito aos fetos com anencefalia.
Com a nova investida que busca implantar o aborto no Brasil por meio da ADPF 442, Dom Adair alerta que o “que está em curso no Supremo Tribunal Federal nada mais é do que uma tentativa espúria de dobrar o Poder Legislativo (cujos membros são eleitos pelo povo) ao Poder Judiciário (cuja cúpula representada pelo Supremo Tribunal Federal foi toda ela indicada pelos últimos presidentes da República)”.
“De fato – pontuou –, em países nos quais a consciência cristã já foi enfraquecida pelo laicismo e pelo individualismo, a tática destes grupos de pressão tem sido a de recorrer a plebiscitos e fazer o aborto triunfar pela manifestação direta da população (como recentemente aconteceu com a Irlanda)”.
Entretanto, “no Brasil, onde a fé cristã em suas vertentes católica e protestante ainda é parte importante da vida da quase totalidade da população, o que se tenta é conseguir, via Poder Judiciário, aquilo que jamais se conseguiria pela votação direita ou mesmo por meio de leis democraticamente aprovadas”.
“Devemos lembrar que o Supremo Tribunal Federal é apenas o guardião máximo das leis e da Constituição Federal”. Por isso, “caso julgue procedente a ADPF nº 442, os onze Ministros de nossa corte maior estarão atribuindo a si mesmos um papel que não lhes cabe: o de senhores das instituições, funcionando como agentes de crises e fomentadores de uma ruptura institucional que parece cada vez mais inevitável”.
Ao concluir, Dom Adair Guimarães convidou a rogar “a Deus, por intermédio da Virgem de Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, para que ilumine os Ministros do Supremo Tribunal Federal, dando-lhes a consciência da gravidade da situação atual, encorajando-os a que se limitem ao seu papel institucional”.
“E rogamos a todos os católicos sob nosso cuidado pastoral a que se ergam em defesa da vida, seja privadamente com orações, seja fazendo ouvir suas vozes publicamente de modo a evitar que o mal do aborto venha a ser permitido em terras brasileiras”, finalizou.

Fonte: ACI Digital

PAPA NO ANGELUS: FAMÍLIA, UM SANTUÁRIO DA VIDA



"É preciso aprender a confiar e a se calar diante do mistério de Deus e a contemplar na humildade e no silêncio a sua obra, que se revela na história e que muitas vezes supera a nossa imaginação", disse Francisco.
Cidade do Vaticano
O Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus, deste domingo (24/06), Solenidade da Natividade de São João Batista, com os fiéis e peregrinos de várias partes do mundo, presentes na Praça São Pedro.
O nascimento de João Batista “é o evento que ilumina a vida de seus pais Isabel e Zacarias, e envolve os parentes e vizinhos na alegria e estupor. Esses pais idosos sonharam e prepararam aquele dia, mas agora não o esperavam mais. Sentiam-se excluídos, humilhados e desiludidos: não tinham filhos”.
“Diante do anúncio do nascimento de um filho, Zacarias ficou incrédulo, porque as leis naturais não o permitiam: eram idosos. Consequentemente, o Senhor o tornou mudo durante todo o tempo da gestação”, frisou o Papa.
Confiar e se calar diante do mistério de Deus
“É um sinal, mas Deus não depende de nossas lógicas e capacidades humanas limitadas. É preciso aprender a confiar e a se calar diante do mistério de Deus e a contemplar na humildade e no silêncio a sua obra, que se revela na história e que muitas vezes supera a nossa imaginação.”
Agora que o evento se cumpre e Isabel e Zacarias experimentam que “para Deus nada é impossível”, grande é a sua alegria.
“O Evangelho deste domingo anuncia o nascimento e depois se detém no momento da imposição do nome ao menino”, sublinhou Francisco.
“Isabel escolhe um nome estranho à tradição familiar e diz: ‘Ele vai chamar-se João’, dom gratuito e inesperado, porque João significa ‘Deus fez a graça’. Este menino será arauto, testemunha da graça de Deus para os pobres que esperam com fé humilde a sua salvação.”
Zacarias confirma inesperadamente a escolha daquele nome, escrevendo-o numa tabuinha, porque estava mudo, e ‘no mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu, sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus’.
Estupor, surpresa e gratidão
O nascimento de João Batista é circundado de uma sensação alegre de estupor, surpresa e gratidão. “Estupor, surpresa e gratidão. As pessoas ficaram tomadas pelo temor santo de Deus, e ‘a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Judéia’.”
Segundo o Papa, “o povo fiel entende que aconteceu algo de grande, embora humilde e escondido, e se pergunta: ‘O que virá a ser este menino?’ O povo fiel de Deus é capaz de viver a fé com alegria, com a sensação de estupor, surpresa e gratidão. Olhemos para as pessoas que falavam bem sobre esse fato maravilhoso, sobre esse milagre do nascimento de João, e faziam isso com alegria, estavam felizes, sentiam estupor, surpresa e gratidão”.
“Olhando para isso, perguntemo-nos: como anda a minha fé? É uma fé alegre ou uma fé sempre igual, uma fé plana? Fico surpreso quando vejo as obras do Senhor, quando ouço falar de evangelização ou da vida de um santo, ou quando vejo muitas pessoas boas: sinto a graça dentro ou nada se mexe dentro do meu coração? Sinto o consolo do Espírito ou estou fechado?” “Perguntemo-nos, cada um de nós, no exame de consciência: como está a minha fé? É alegre? É aberta às surpresas de Deus? Porque Deus é o Deus das surpresas. Experimentei na alma a sensação de estupor que a presença de Deus dá, o senso de gratidão? Pensemos nessas palavras que foram de ânimo para a fé: alegria, sensação de estupor, surpresa e gratidão”, disse o Papa.
Família, um santuário da vida 
Francisco concluiu, pedindo à “Virgem Maria para que nos ajude a entender que em cada ser humano existe a marca de Deus, fonte da vida”.
Que Maria, Mãe de Deus e nossa, “nos torne cada vez mais conscientes de que na gestação de um filho os pais agem como colaboradores de Deus. Uma missão realmente sublime que faz de toda família um santuário da vida e desperta, todo nascimento de um filho, a alegria, o estupor e a gratidão”.

Fonte: Vatican News

HORÁRIO DE MISSAS


Paróquia São Vicente de Paulo, à Avenida Desembargador Moreira, 2211, no bairro Dionísio Torres, em Fortaleza.

*Diariamente: 6h30 e 17h30
* De 3ª a 6ª: 11h30 e 19 horas
*Sábado: 6h30, 12 horas e 17h30
* Domingo: 6h30, 8h30, 11h30, 17h30 e 19h30

Comunidade Face de Cristo, à Rua Edmilson Barros de Oliveira, 191, no bairro Cocó, em Fortaleza
* De segunda à quinta-feira, às18 horas
* De segunda à sexta-feira: 7 horas.
* Domingo: às 8 e 18h30

 Paróquia São João Eudes:

Na Igreja  Menino Deus, à Rua Jaime Leonel, s/n, no bairro Luciano Cavalcante

* Às 3ªs e 5ªs feiras, às 19 horas
* Domingo: às 7 e 19 horas.

Na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, à rua Albert Sabin, s/n, no bairro Cocó/Guararapes.

* Às  4ªs feiras, às 18h30, novena de Nossa Senhor do Perpétuo Socorro, às 19 horas, missa e, às sextas-feiras, às 18h30, Adoração ao Santíssimo Sacramento e, logo em seguida, missa.
* Domingo: às 9, 17 e 19 horas.

Paróquia Nossa Senhora da Assunção (Santuário), no bairro Barra do Ceará

* De terça-feira a sábado, as 6 e 19horas.
*Domingo : às 7, 9, 17, 18h30 e 20horas.

Paróquia Nossa Senhora Aparecida, à Avenida Gomes de Matos, no bairro Montese.

*De 2ª à sexta-feiras, às 18h30, exceto nas terças-feiras.
*Domingo: às 7, 9,17 e 19 horas;*Nos dias 12, Missa em honra a Nossa Senhora Aparecida; dia 13, Nossa Senhora de Fátima, e dia19, Santo Expedito. E toda 1ª terça-feira do mês, Missa de Cura.

Paróquia do Coração de Jesus, no Centro de Fortaleza, na Praça do Coração de Jesus.

*Diariamente, de segunda-feira a domingo, às 7 horas.
* Domingo: às 7,8,30, 16 e 18 horas.

Paróquia de Cristo Rei, à Rua Nogueira Acioli, 263, na Aldeota.

De segunda-feira à sexta-feira, às 6h30 e às 17 horas
Sábado, às 6h30, 17 e 19 horas.
Domingo, 6h30, 9, 11, 17 e 19 horas
Últimas terças-feiras: “Noite da Misericórdia”. Observação: não há missa das 17 horas.
Dia 13 – Missa Mariana: às 12 horas, na Igreja Matriz e às 18 horas, na Praça Ceart.

Paróquia Nossa Senhora do Carmo, na Avenida Duque de Caxias, no Centro de Fortaleza

Domingo, às 8, 10, 17 e 18h30
Sábado, às 7h30, 17h30 e 17h30
De 3ª A 6ª feira, às 7h30 e 17 horas.     

Paróquia de Santa Luzia,  Rua Tenente Benévolo esquina com Rua Antônio Augusto

Diàriamente, às 17 horas
Sábado, às 17 e 19 horas.
Domingo, às 8, 10 (missa das crianças), 17 e 19 horas (missa dos jovens)
Todo dia 13 de cada mês, missa às 12 horas, em honra a Nossa Senhora de Fátima.

Paróquia de São Gonçalo do Amarante, a 57 quilômetros distante de Fortaleza

De terça-feira à sexta-feira, às 18 horas.
Domingo, às 19 horas.

Igreja Matriz de São José - Lagoa Redonda (Avenida Recreio, 1815)
- Sábado, 20 horas
- Domingo, 7 e 17h30

Capela de Santa Edwiges, Conjunto Curió Lagoa Redonda (Rua Isabel Ferreira, 1001)
- Domingo às 9 horas

Igreja dos Remédios – Benfica – na Avenida da Universidade
- Às segundas e quartas-feiras, às 6h30m.
- Às terças, quintas e sextas-feiras, às 17h30min.
- Aos sábados – 15h30min e 17 horas.
- Aos domingos, às 7, 17 e 19 horas.
- Domingos, ás 9horas, Missa com crianças (exceto no 1. domingo de cada mês, dia dos batizados)
- No primeiro sábado, missa pela saúde e todo o dia 13, às 12 horas, celebração em honra a Nossa Senhora. Mais informações pelo telefone (85) 3223.5644.

Envie-nos os horários de Missa de sua Paróquia ou Comunidade para o e-mailvaivém@secrel.com.br

EVANGELHO DO DIA


Lucas 1,57-66.80

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.Glória a vós, Senhor. 57Completou-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela deu à luz um filho. 58Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Isabel, e alegraram-se com ela. 59No oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. 60A mãe, porém, disse: “Não! Ele vai chamar-se João”.61Os outros disseram: “Não existe nenhum parente teu com esse nome!” 62Então fizeram sinais ao pai, perguntando como ele queria que o menino se chamasse. 63Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu: “João é o seu nome”. E todos ficaram admirados. 64No mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu, sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus. 65Todos os vizinhos ficaram com medo, e a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Judeia. 66E todos os que ouviam a notícia, ficavam pensando: “O que virá a ser este menino?” De fato, a mão do Senhor estava com ele. 80E o menino crescia e se fortalecia em espírito. Ele vivia nos lugares desertos, até o dia em que se apresentou publicamente a Israel.— Palavra da Salvação.

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE


24 DE JUNHO DE 2018

 

DOMINGO

 

NATIVIDADE DE SÃO JOÃO BATISTA


Cor: Branco

1ª Leitura - Is 49,1-6


Leitura do Livro do Profeta Isaías 49,1-61Nações marinhas, ouvi-me, povos distantes, prestai atenção:
o Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome; 2fez de minha palavra uma espada afiada, protegeu-me à sombra de sua mão e fez de mim uma flecha aguçada, escondida em sua aljava, 3e disse-me: 'Tu és o meu Servo, Israel, em quem serei glorificado'. 4E eu disse: 'Trabalhei em vão, gastei minhas forças sem fruto, inutilmente;
entretanto o Senhor me fará justiça e o meu Deus me dará recompensa'. 5E agora diz-me o Senhor - ele que me preparou desde o nascimento para ser seu Servo - que eu recupere Jacó para ele e faça Israel unir-se a ele; aos olhos do Senhor esta é a minha glória. 6Disse ele: 'Não basta seres meu Servo para restaurar as tribos de Jacó e reconduzir os remanescentes de Israel: eu te farei luz das nações, para que minha salvação chegue até aos confins da terra'. Palavra do Senhor.

Reflexão – “luz das nações” Precisamos ter em mente que a Palavra do Senhor é uma lâmpada que ilumina os passos da nossa caminhada aqui na terra e, por isso, devemos tomar posição dentro das diversas circunstâncias que os textos nos apresentam.  Na comemoração da natividade de São João Batista a leitura nos leva a tomar posse desse chamado e meditar sobre como podemos cumprir com a nossa missão a fim de, como Isaias, poder também afirmar: “o Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome”.  Ele disse-me: “Tu és o meu servo”.   Todos nós podemos nos inserir no mesmo contexto que o profeta Isaías, a fim de refletir sobre o chamado que Deus nos fez antes de nascermos, quando ainda estávamos no ventre da nossa mãe. Dessa forma, será mais compreensível perceber que o Senhor tem um plano para cada um de nós e que, para todos, há um alicerce único no projeto que Ele idealizou: sermos, Seus servos e Suas servas, cooperadores na construção do Seu reino. Todavia, muitas vezes, mesmo tendo acesso e lendo a Sagrada Escritura, nós nos pomos à margem e nos excluímos da Sua mensagem, porque entendemos que tudo aconteceu no passado.     O nosso chamado aconteceu no nosso Batismo, assim sendo, cada um de nós que somos batizados (as) em nome de Jesus fomos também escolhidos (as) para sermos luz das nações e manifestar na terra a glória de Deus. Cada pessoa a quem encontramos é uma nação que precisa conhecer a salvação. E cada um de nós recebeu do Senhor o poder para extirpar e destruir, para construir e plantar, porque é Ele quem nos garante: “Eu te farei luz das nações, para que minha salvação chegue até os confins da terra!” Somos, portanto, esses servos, escolhidos, preparados e designados pelo Criador a fazer muito mais do que simplesmente existir. Todos nós temos um papel importante na obra de Deus no mundo e os confins da terra significam todos os lugares por onde passamos. – Você consegue se inserir nesse contexto? – Você assumiu o seu papel de servo (a) de Deus? – Você sabia que, através das suas ações, do seu testemunho a glória de Deus se manifesta aqui na terra? –   Você tem medo de falar em Nome de Deus?

Salmo - Sl 138(139),1-3.13-14ab.14c-15 (R. 14a)


R. Eu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor,
porque de modo admirável me formastes!
1Senhor, vós me sondais e conheceis, +
2sabeis quando me sento ou me levanto; *
de longe penetrais meus pensamentos;
3percebeis quando me deito e quando eu ando, *
os meus caminhos vos são todos conhecidos. R.

13Fostes vós que me formastes as entranhas, *
e no seio de minha mãe vós me tecestes.
14aEu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, *
14bporque de modo admirável me formastes! R.

14cAté o mais íntimo, Senhor me conheceis; *
15nenhuma sequer de minhas fibras ignoráveis,
quando eu era modelado ocultamente, *
era formado nas entranhas subterrâneas. R.

Reflexão - Este salmo canta a maravilha que é o homem, tecido por Deus no seio de sua mãe, de quem Ele não se afasta e que percebe todos os seus passos. É o reconhecimento da criatura à ação do Criador que o fez de modo maravilhoso. Quando nós rezamos com este salmo compreendemos a grandeza do amor de Deus por cada um de nós que é infinito e, por isso, nos sentimos cada vez mais protegidos (as) e assistidos (as) por Ele. Assim, temos a certeza de que mesmo que passemos por situações de morte, há Alguém que nos acompanha para nos conservar vivos (as).

 

2ª Leitura - At 13,22-26


Leitura dos Atos dos Apóstolos 13,22-26
Naqueles dias, Paulo disse:  22Deus fez surgir Davi como rei
e assim testemunhou a seu respeito: 'Encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que vai fazer em tudo a minha vontade'. 23Conforme prometera, da descendência de Davi
Deus fez surgir para Israel um Salvador, que é Jesus.
24Antes que ele chegasse, João pregou um batismo de conversão
para todo o povo de Israel. 25Estando para terminar sua missão, João declarou: 'Eu não sou aquele que pensais que eu seja! Mas vede: depois de mim vem aquele, do qual nem mereço desamarrar as sandálias'.26Irmãos, descendentes de Abraão, e todos vós que temeis a Deus, a nós foi enviada esta mensagem de salvação.
Palavra do Senhor.

Reflexão – “o testemunho de João Batista”

Paulo pregava aos judeus uma mensagem de salvação que tinha como fundamento o testemunho de João Batista vindo ao mundo a fim de preparar o caminho para Jesus. João pregava um Batismo de conversão para que as pessoas tivessem consciência de que a Salvação estava próxima e consistia em que eles aceitassem a Jesus, que era da descendência de David e fora enviado pelo Pai. Paulo, então se refere às palavras de João Batista que tinha plena consciência do seu papel: “depois de mim vem aquele do qual nem mereço desamarrar as sandálias”. A nossa missão aqui na terra, como cristãos convictos, é também abrir caminho para que todos conheçam a Jesus e encontrem a salvação e o sentido para suas vidas. Precisamos, pois, estar conscientes de que, pelo fato de estar a serviço de Deus, não podemos nos considerar mais importantes nem melhores do que os outros. Assim como João Batista, devemos reconhecer a nossa limitação e reconhecer que tudo o que possuímos e o que realizamos é uma decorrência do poder de Deus agindo em nós.  -  Você também já assumiu a sua missão de precursor (a) de Jesus? -  Você tem aberto caminhos para Jesus entrar no coração de outras pessoas? –Você é um referencial dentro da sua família?   


Evangelho - Lc 1,57-66


+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 1,57-66
57Completou-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela deu à luz um filho. 58Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Isabel, e alegraram-se com ela.
59No oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias.60A mãe porém disse: 'Não! Ele vai chamar-se João.' 61Os outros disseram: 'Não existe nenhum parente teu com esse nome!' 62Então fizeram sinais ao pai,
perguntando como ele queria que o menino se chamasse.
63Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu: 'João é o seu nome.'
64No mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu, sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus. 65Todos os vizinhos ficaram com medo, e a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Judéia. 66E todos os que ouviam a notícia, ficavam pensando:
'O que virá a ser este menino?' De fato, a mão do Senhor estava com ele. Palavra da Salvação.

Reflexão – “Deus escolheu o nosso nome”O nascimento de João Batista anuncia para nós que a Salvação   está próxima e que Deus é o Senhor do tempo e da história. Neste episódio, nós percebemos a intervenção direta  do Senhor na vida de Zacarias e Izabel, os instruindo e formando para que Seu plano salvífico se realizasse com a chegada do Messias. João Batista foi predestinado, desde a sua concepção, a vir ao mundo para preparar o caminho do Salvador. Por isso, fatos extraordinários aconteceram com seus pais, os quais já idosos experimentaram a grande manifestação do poder do alto.  Percebia-se entre Isabel e Zacarias uma unidade perfeita, por isso, quando ele nasceu o seu nome foi suscitado no coração dos dois, embora houvesse outras sugestões.Assim também o Senhor faz conosco. Ele pensa em todos os detalhes para que o Seu plano de Salvação se realize na nossa vida e nos prepara para que possamos acolher o Messias, Aquele que veio para nos salvar e dar vida plena. Assim como designou um nome para João Batista, Deus também pensou no nosso nome, que também pode designar a nossa missão a que somos chamados a desempenhar.  O plano de Deus para nós também pode se revelar no significado do nosso nome e mesmo que não tenhamos conhecimento o Senhor nos motiva, pois Ele sabe de tudo a nosso respeito. No dia em que nascemos todos ficaram alegres com a nossa chegada, mas somente o Senhor sabia verdadeiramente qual seria a nossa missão aqui na terra.  O nome pelo qual somos evocados é muito importante, pois divulga a nossa identidade como pessoa humana, mas também como filho (a) de Deus batizados em Nome de Jesus. Todos nós também podemos nos considerar um João Batista, alguém que é muito importante para o reino de Deus! -  Você já pensou nisso? - Você sabe o que significa o seu nome? - Pergunte ao Senhor qual é a sua parte no Seu plano?  - Será que você já está vivendo dentro deste plano? - Você tem paz e serenidade em relação a quem você é e faz? - Você tem dúvidas? - Converse com Deus sobre isto!
 Helena Serpa,
Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

 


REFLETINDO SOBRE O EVANGELHO



Lucas 1,57-66.80


SANTO DO DIA - SÃO JOÃO BATISTA


Com muita alegria, a Igreja, solenemente, celebra o nascimento de São João Batista. Santo que, juntamente com a Santíssima Virgem Maria, é o único a ter o aniversário natalício recordado pela liturgia.
São João Batista nasceu seis meses antes de Jesus Cristo, seu primo, e foi um anjo quem revelou seu nome ao seu pai, Zacarias, que há muitos anos rezava com sua esposa para terem um filho. Estudiosos mostram que possivelmente depois de idade adequada, João teria participado da vida monástica de uma comunidade rigorista, na qual, à beira do Rio Jordão ou Mar Morto, vivia em profunda penitência e oração.
Pode-se chegar a essa conclusão a partir do texto de Mateus: “João usava um traje de pêlo de camelo, com um cinto de couro à volta dos rins; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre”. O que o tornou tão importante para a história do Cristianismo é que, além de ser o último profeta a anunciar o Messias, foi ele quem preparou o caminho do Senhor com pregações conclamando os fiéis à mudança de vida e ao batismo de penitência (por isso “Batista”).
Como nos ensinam as Sagradas Escrituras: “Eu vos batizo na água, em vista da conversão; mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu: eu não sou digno de tirar-lhe as sandálias; ele vos batizará no Espírito Santo” (Mateus 3,11).
Os Evangelhos nos revelam a inauguração da missão salvífica de Jesus a partir do batismo recebido pelas mãos do precursor João e da manifestação da Trindade Santa. São João, ao reconhecer e apresentar Jesus como o Cristo, continuou sua missão em sentido descendente, a fim de que somente o Messias aparecesse.
Grande anunciador do Reino e denunciador dos pecados, ele foi preso por não concordar com as atitudes pecaminosas de Herodes, acabando decapitado devido ao ódio de Herodíades, que fora esposa do irmão deste [Herodes], com a qual este vivia pecaminosamente.
O grande santo morreu na santidade e reconhecido pelo próprio Cristo: “Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João , o Batista” (Mateus 11,11).
São João Batista, rogai por nós!
Fonte: Canção Nova Notícias

sábado, 23 de junho de 2018

DOM MURILO: CRESCE CONSCIÊNCIA DE QUE CORRUPÇÃO NÃO PODE MAIS SER TOLERADA




Dom Murilo: cresce consciência de que corrupção não pode mais ser tolerada
Desde o ano passado, as movimentações em torno do pleito eleitoral de 2018 já fazem parte da agenda do país. Eventos, pessoas, partidos e entidades debatem a realidade brasileira e tentam apontar soluções para os desafios nacionais. O arcebispo de Salvador (BA) e vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Muilo Krieger, analisa este período que antecede a oficialização das candidaturas aos executivos e legislativos federal e estaduais.
“Se a partir dos debates crescer a consciência de que é preciso um verdadeiro mutirão, envolvendo não só políticos, mas toda a sociedade civil, para dar um novo impulso ao nosso país, ótimo!”, pontua dom Murilo. Para ele, “não podemos continuar com os índices atuais de desemprego; é ruim para todos, mas muito mais para os pobres. Além disso, cresce a consciência de que a corrupção não pode mais ser tolerada; ela é um câncer que destrói o país a partir de dentro”.
Confira a entrevista:
Dom Murilo Krieger, vice-presidente da CNBB | Foto: arquidiocese de Salvador
Neste ano, há muita movimentação em torno das pré-candidaturas, principalmente em vista da Presidência da República, com eventos, sabatinas, entrevistas e expectativa em torno daqueles que devem disputar o Planalto. É um momento diferente que o Brasil vive na sua política? Qual a sua avaliação?
Dom Murilo: Toda essa movimentação em tempos de pré-candidaturas é normal e faz parte do “jogo” da democracia. Quem viveu os tempos da ditadura militar se lembra que algumas candidaturas – refiro-me às do partido que expressava o pensamento de quem comandava o país – nasciam em gabinetes e eram impostas. Os tempos atuais são marcados por algumas particularidades: uma multiplicação de partidos sem expressão alguma, que tentam negociar seu limitado tempo na televisão – tempo que, repito, é limitado, mas que somado ao “limitado tempo” de mais alguns partidos inexpressivos, torna-se importante. Infelizmente, o povo, em geral, é um mero assistente desse processo, com quase nenhuma participação na escolha dos candidatos. Mesmo quem está filiado a algum partido, acaba apenas sacramentando os nomes que a cúpula escolheu. De certa forma, continua, ao menos em parte, a escolha feita em gabinete pelos que dirigem os partidos.
Toda a movimentação que tem sido feita por grupos sociais, empresariais e meios de comunicação tem trazido ao debate as reais demandas e problemáticas do país?
Dom Murilo: A época pré-eleitoral é excelente para conhecermos a realidade do país, pois todos os que desejam se candidatar mostram problemas e necessidades aos quais prometem dar uma resposta adequada. Se a partir dos debates crescer a consciência de que é preciso um verdadeiro mutirão, envolvendo não só políticos, mas toda a sociedade civil, para dar um novo impulso ao nosso país, ótimo! Não podemos continuar com os índices atuais de desemprego; é ruim para todos, mas muito mais para os pobres. Além disso, cresce a consciência de que a corrupção não pode mais ser tolerada; ela é um câncer que destrói o país a partir de dentro. Interessante que quando o povo se manifesta sobre o país que deseja, não diz que quer um país em que todos sejam ricos e famosos, mas que quer um país em que todos tenham os mesmos direitos, e que os direitos de todos sejam respeitados, em que se respeita os bens públicos etc.
Neste foco às pré-candidaturas presidenciais não estamos perdendo oportunidade de conhecer e debater candidaturas, propostas e finalidades no âmbito do Legislativo?
Dom Murilo: Aqui estamos diante de um problema sério: as atenções se voltam e quase se fixam nos candidatos à Presidência da República e nos candidatos ao governo do Estado. O problema é que, nessa situação, “velhos” políticos – muitas vezes “velhos” também nos defeitos – conseguem se candidatar, têm grandes possibilidades de se reeleger como deputados e senadores, com o risco de tudo continuar como antes. Será importante que as comunidades convoquem candidatos para debates, apresentem valores que quer ver defendidos no Parlamento e votem com um cuidado especial naquele que será seu deputado estadual, deputado federal ou senador.
Fonte: CNBB