domingo, 22 de maio de 2022

EVANGELHO DO DIA

 + Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 14,23-29

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 23'Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. 24Quem não me ama,
não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha,
mas do Pai que me enviou. 
25Isso é o que vos disse enquanto estava convosco.26Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito. 27Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou;
mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. 
28Ouvistes que eu vos disse: 'Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai,
pois o Pai é maior do que eu. 
29Disse-vos isto, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.
Palavra da Salvação. 


REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE

 

 

22 DE MAIO DE 2022

 

DOMINGO DA VI SEMANA

 

DA PÁSCOA

 

Cor Branco

 

1ª. Leitura – At 15, 1-2.22-29

 

Leitura dos Atos dos Apóstolos 15,1-2.22-29

Naqueles dias: 1Chegaram alguns da Judéia e ensinavam aos irmãos de Antioquia, dizendo: 'Vós não podereis salvar-vos, se não fordes circuncidados, como ordena a Lei de Moisés.' 2Isto provocou muita confusão, e houve uma grande discussão de Paulo e Barnabé com eles. Finalmente, decidiram que Paulo, Barnabé e alguns outros fossem a Jerusalém, para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos. 22Então os apóstolos e os anciãos, de acordo com toda a comunidade de Jerusalém, resolveram escolher alguns da comunidade para mandá-los a Antioquia, com Paulo e Barnabé. Escolheram Judas, chamado Bársabas, e Silas,
que eram muito respeitados pelos irmãos.
23Através deles enviaram a seguinte carta: 'Nós, os apóstolos e os anciãos, vossos irmãos, saudamos os irmãos vindos do paganismo e que estão em Antioquia e nas regiões da Síria e da Cilícia. 24Ficamos sabendo que alguns dos nossos causaram perturbações com palavras que transtornaram vosso espírito. Eles não foram enviados por nós.
25Então decidimos, de comum acordo, escolher alguns representantes e mandá-los até vós, junto com nossos queridos irmãos Barnabé e Paulo, 26homens que arriscaram suas vidas
pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo.
27Por isso, estamos enviando Judas e Silas, que pessoalmente vos transmitirão a mesma mensagem. 28Porque decidimos, o Espírito Santo e nós,
não vos impor nenhum fardo, além destas coisas indispensáveis:
29abster-se de carnes sacrificadas aos ídolos, do sangue, das carnes de animais sufocados e das uniões ilegítimas. Vós fareis bem se evitardes essas coisas. Saudações!' Palavra do Senhor.

 

Reflexão – “se queremos seguir Jesus precisamos nos conformar a Ele e ao Seu Evangelho”

Jesus morreu por todos nós!  O Pai nos chamou à salvação, por meio do Seu Filho Jesus Cristo por isso, todos nós temos oportunidade para nos apossar desta graça. No entanto, hoje como naquele tempo, ocorre ter no meio do povo de Deus aqueles (as) que “causam perturbações com palavras que transtornam o espírito” de quem está sendo atraído (a) para Deus. São pessoas que olham mais para o legalismo do que, realmente, para a justiça de Deus que é o Seu Amor. O Pai é cheio de Misericórdia e de Amor e não nos impõe a Sua doutrina, mas nos dá liberdade para optarmos por Ele. Ninguém que venha com palavras de rejeição, de discriminação, pode ser considerado enviado em Nome de Jesus, pelo contrário, os que são enviados em Seu Nome, terão que ser os mais acolhedores, compreensivos e amorosos porque o jugo de Jesus é suave e o Seu fardo é leve. Portanto, se queremos seguir a Jesus precisamos nos conformar a Ele e assumir a mentalidade do Evangelho que recebe de braços abertos os circuncidados e os incircuncisos. – Você impõe condições para as pessoas que desejam aproximar-se de Jesus e pedem-lhe ajuda? – Você é uma pessoa acolhedora? – Você tem medo de Deus? – Você trata as pessoas como Jesus fazia?

 

Salmo  66,2-3.5.6.8 (R. 4)

 

R. Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor,
que todas as nações vos glorifiquem!

Ou: R.Aleluia, Aleluia, Aleluia

2Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção,*
e sua face resplandeça sobre nós!
3Que na terra se conheça o seu caminho*
e a sua salvação por entre os povos. R. 

5Exulte de alegria a terra inteira, 
pois julgais o universo com justiça;
os povos governais com retidão, 
e guiais, em toda a terra, as nações. R. 

6Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, 
que todas as nações vos glorifiquem! 
8Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe, 
e o respeitem os confins de toda a terra!R.

 

Reflexão - Todos os povos são chamados à salvação e precisam da graça e da bênção do Senhor. A alegria que nós sentimos por termos assumido a graça de Deus precisa se espalhar pela terra inteira, esse é o desejo do Pai. Somos chamados (as)a exalar no mundo o perfume do Amor de Deus para que todas as nações O glorifiquem e que o Senhor seja respeitado até os confins de toda a terra.

 

2ª. Leitura – Ap 21, 10-14.22-23

 

Leitura do Livro do Apocalipse de São João 21,10-14.22-23

10Um anjo me levou em espírito a uma montanha grande e alta. Mostrou-me a cidade santa, Jerusalém, descendo do céu, de junto de Deus, 11brilhando com a glória de Deus. Seu brilho era como o de uma pedra preciosíssima, como o brilho de jaspe cristalino.
12Estava cercada por uma muralha maciça e alta, com doze portas. Sobre as portas estavam doze anjos, e nas portas estavam escritos os nomes das doze tribos de Israel. 13Havia três portas do lado do oriente, três portas do lado norte, três portas do lado sul
e três portas do lado do ocidente.
14A muralha da cidade tinha doze alicerces, e sobre eles estavam escritos os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. 22Não vi templo na cidade, pois o seu Templo é o próprio Senhor, o Deus Todo-poderoso, e o Cordeiro.
23A cidade não precisa de sol, nem de lua que a iluminem,
pois a glória de Deus é a sua luz e a sua lâmpada é o Cordeiro.
Palavra do Senhor.

 

Reflexão – “Todos nós podemos mostrar ao mundo o brilho do céu!”

A visão de São João nos leva a refletir sobre a cidade santa, a Nova Jerusalém, lugar que passa a ser a nossa morada com Deus desde o momento em que abrimos o nosso coração à experiência com o Espírito Santo.  “A nova Jerusalém é dom de Deus e está aberta a todos os que dela quiserem participar. A Nova Jerusalém é a Igreja de Jesus Cristo, fundamentada no Antigo e no Novo Testamento, isto é, nas Doze tribos de Israel e nos Doze Apóstolos.  A glória de Deus brilha em nós e através do nosso testemunho de ser Igreja. Todos nós podemos mostrar ao mundo o brilho do céu, porque o Espírito Santo habita dentro do nosso coração, nós somos Igreja e formamos o templo vivo do Senhor, a Sua glória é a Luz que nos ilumina. – Você está esperando para usufruir da cidade Santa somente depois que você for para o céu?Você alguma vez já sentiu o “clima diferente” do céu? – O Espírito Santo tem motivado a sua caminhada? – Ele tem feito diferença na sua vida?

 

Evangelho – Jo 14, 23-29

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 14,23-29

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 23'Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. 24Quem não me ama,
não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha,
mas do Pai que me enviou.
25Isso é o que vos disse enquanto estava convosco.26Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito. 27Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou;
mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração.
28Ouvistes que eu vos disse: 'Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai,
pois o Pai é maior do que eu.
29Disse-vos isto, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.
Palavra da Salvação. 

 

Reflexão – “a prova de que amamos a Jesus é a vivência da Palavra do Pai”

Não precisamos de muitas provas para descobrir se amamos ou não a Jesus, mas apenas fazer um exame de consciência para perceber se estamos guardando a Sua Palavra: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra”, essa é a proposta de Jesus para nós.  Guardar a Palavra significa vivê-La como um ato de fé, sem questionar, mesmo se ainda não a compreendemos. Para nós já é uma grande graça o fato de que temos acesso à Palavra de Deus Pai, nosso Criador. Portanto, é grande motivo para que sejamos gratos a Jesus que veio nos revelar tudo o que o Pai deseja no conceder. Jesus veio em Nome do Pai para nos dar uma vida de felicidade e, isto também é o motivo maior para que O amemos com todo o nosso ser.  Quem acolhe os ensinamentos de Jesus está assumindo a vida em abundância prometida por Ele, assim como também fazendo a vontade do Pai. Com efeito, a prova de que amamos a Jesus é a vivência da Palavra do Pai que Ele veio nos anunciar. “... e o Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada”, disse ainda Jesus. Quando nós vivemos o Evangelho nós temos a garantia de que O Pai e o Filho moram em nós com todo o Poder do Espírito Santo. Assim sendo, cumprir a Palavra é morar na casa do Pai.

 – Você guarda a Palavra de Deus?

– Como tem sido a sua vivência dos ensinamentos de Jesus?

 – Você pode afirmar que ama a Jesus?

 – Você dá testemunho desse amor ao mundo?

 

Helena Serpa,

Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

sábado, 21 de maio de 2022

OITO DIÁCNOS TRANSITÓRIOS SERÃO ORDENADOS PARA A IGREJA DE CRATO

 

 


A partir do próximo dia 25 de maio a Igreja de Crato passará a contar com o serviço dos diáconos transitórios Admo de Sousa, Bruno Ferreira, Cícero Cladson, Cicero Felipe Dalisramon Cruz, Filipe Gonçalves, José Maycon e Rodrigo Rêmulo. A ordenação acontecerá na Sé Catedral de Nossa Senhora da Penha, às 16h. O ministério diaconal transitório – ou temporário – é dado àqueles que se prepararam para o sacerdócio.

Para prepararem os corações para este momento sagrado, entre os dias 9 e 14 de maio, os candidatos ao diaconato participaram de retiro espiritual, conduzido pelo Padre Antônio Romão, no Centro de Expansão Dom Vicente de Araújo Matos, em Crato.

Conheça os candidatos ao diaconato:

Admo de Sousa Matos, 27 anos, enviado ao Seminário pela Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, município de Juazeiro do Norte

“Minha vocação nasceu no seio familiar. Meus pais desde cedo levavam a mim e a meus irmãos para a Igreja, Participando da vida pastoral da paróquia. Participando, o chamado de Deus cresceu no meu coração a ponto de entregar minha vida a sua santa vontade e deixar que ele a guie. Chegando a esses dias próximos a ordenação diaconal, posso dizer que meu coração se encontra agradecido por tamanha graça me conceder servir a Cristo e a sua Igreja”.

Bruno Ferreira da Silva, 26 anos, enviado ao Seminário pela Paróquia de origem: Paróquia São José, município de Missão Velha

“Desde criança senti o desejo de ser sacerdote, nutrindo o início da vocação com as orações aprendidas na vivência da comunidade. De modo simples, mas do meio do povo senti o apelo de seguir o Senhor mais de perto.  Em 2012 fui convidado a participar do despertar vocacional, que reacendeu a chama da vocação. A ordenação confirma o chamado ao seguimento do Mestre, por isso de forma livre e amorosa espero confiante na graça que a Igreja me confiará em ser servidor da Palavra, da Eucaristia e do Povo de Deus”.

Cícero Cladson Pereira da Silva, 26 anos, enviado ao seminário pela Paróquia São Pedro, município de Caririaçu

“Iniciei minha caminhada vocacional com orientação dos Carmelitas, aonde fez frutificar minha espiritualidade pessoal, até que aos 17 anos, deixando de lado as oportunidades seculares, abracei a vida religiosa entrando no Seminário Diocesano São José. A expectativa para a ordenação diaconal é vivida com fortes emoções seguida do sentimento de grande responsabilidade. Uma vida que a 9 anos começou a se doar, chegou o momento de coroar toda uma caminhada com uma entrega total e incondicional da vida, ao mesmo passo em que me preparo para viver em uma nova história de amor”.

Cícero Felipe Tavares de Sousa, 27 anos, enviado ao Seminário pela Paróquia Sagrado Coração de Jesus – Palestina do Cariri, distrito de Mauriti

“Desde criança, ao ver o padre celebrar a missa na Igreja, mantive no coração o desejo de abraçar a vocação sacerdotal. O trabalho das Irmãs beneditinas missionárias de Tutzing também foi muito importante na minha caminhada de Igreja e em meu discernimento vocacional. Com o coração cheio de entusiasmo, amor e confiança aguardo o dia da nossa ordenação Diaconal, com entusiasmo e muito amor, pois com certeza será um grande dia, em que poderei pronunciar o meu “sim” ao Senhor, que me chamou para esta missão”.

Dalisramon Cruz Silva, 29 anos, enviado ao Seminário pela Paróquia São José, município de Missão Velha

“Desde pequeno eu brincava de celebrar missa e de fazer igrejinhas era a minha maior felicidade e diversão fazer tudo isso. Com o passar do tempo cada vez mais ardia no meu coração o chamando de Deus. Com a ordenação diaconal só se confirma o chamado de Deus na minha vida. Quero servir com muito amor e alegria o meu ministério diaconal sempre com o meu olhar para Cristo servidor e fazer sempre aquilo que o Senhor me pede servir com alegria. Acredito que esse momento ficará marcado na minha vida e na vida daqueles que mim acompanham e rezam por mim.”.

Filipe Gonçalves Macêdo, 30 anos, enviado ao Seminário da Paróquia Senhor Menino Deus, município de Aurora

“Era véspera de uma Quinta-feira Santa. Eu tinha 9 anos de idade. Um amigo me convidou para ser coroinha em minha paróquia, e logo comecei o período de experiência. Este primeiro contato com a liturgia me encantou e cativou. Pela Liturgia Ele me chamou e me sustenta. Onze anos após aquele dia, resolvi aceitar o chamado de Deus e iniciei o processo de discernimento vocacional paróquia. À medida que se aproximam os dias da consagração por meio da Ordenação Diaconal, reafirmo o desejo de seguir o Senhor oferecendo-Lhe meu ser em sua Igreja e no seu povo”.

José Maycon de Lacerda Sales, 26 anos, enviado ao Seminário pela Paróquia Nossa Senhora de Conceição, município de Mauriti

“Minha vocação nasceu no meio de minha família, pela fé simples, nutrida no amor à Igreja, aos santos, à Virgem Maria e à Santíssima Eucaristia. Todavia, foi a partir do grupo de coroinhas que este chamado à vocação sacerdotal ganhou força, sobretudo, pela proximidade ao altar do Senhor. No altar amadureci este desejo de ser padre. Quanto às expectativas para o ministério ordenado, o meu coração exulta de alegria pela chegada deste dia. Espero corresponder com solicitude aquilo que o Cristo, Bom Pastor pede a mim”.

Rodrigo Rêmulo Leite Pereira, 27 Anos, enviado ao Seminário pela Paróquia Santo Antônio – Santuário Diocesano da Misericórdia, no município de Barro

“Senti o despertar da vocação desde a infância, pois cresci numa família muito católica, sobretudo nos momentos fortes da comunidade, como o mês mariano. A inserção na vida paroquial veio confirmar o desejo de uma entrega maior ao serviço de Deus e do povo, por isso desejei entrar no seminário e aqui estou. A expectativa maior é servir com generosidade, na caridade pastoral, a Cristo e à Igreja, inserido na comunidade, com seus desafios próprios, dócil aos apelos de Deus na situação específica à qual serei enviado”.

  Por Assessoria de Comunicação

Fonte:https://diocesedecrato.org/oito-diaconos-transitorios-serao-ordenados-para-a-igreja-de-crato/

O TEMPO DE DEUS

Pe. Johnja López

 

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURS DE HOJE

 

21 DE MAIO DE 2022

 

SÁBADO DA V SEMANA DA PÁSCOA

 

Cor: Branco

 

1ª. Leitura – At 16, 1-10

 

Leitura dos Atos dos Apóstolos 16,1-10

Naqueles dias: 1Paulo foi para Derbe e Listra. Havia em Listra um discípulo chamado Timóteo, filho de uma judia, crente, e de pai grego. 2Os irmãos de Listra e Icônio davam bom testemunho de Timóteo. 3Paulo quis então que Timóteo partisse com ele. Tomou-o consigo e circuncidou-o, por causa dos judeus que se encontravam nessas regiões, pois todos sabiam que o pai de Timóteo era grego. 4Percorrendo as cidades, Paulo e Timóteo transmitiam as decisões que os apóstolos e anciãos de Jerusalém haviam tomado. E recomendavam que fossem observadas.
5As igrejas fortaleciam-se na fé e, de dia para dia, cresciam em número. 6Paulo e Timóteo atravessaram a Frígia e a região da Galácia, pois o Espírito Santo os proibira de pregar a Palavra de Deus na Ásia. 7Chegando perto da Mísia,  eles tentaram entrar na Bitínia, mas o Espírito de Jesus os impediu. 8Então atravessaram a Mísia e desceram para Trôade. 9Durante a noite, Paulo teve uma visão: na sua frente, estava de pé um macedônio que lhe suplicava: 'Vem à Macedônia e ajuda-nos!' 10Depois dessa visão,
procuramos partir imediatamente para a Macedônia, pois estávamos convencidos de que Deus acabava de nos chamar
para pregar-lhes o Evangelho. Palavra do Senhor.

 

Reflexão - “O Espírito Santo foi enviado para nos ajudar a superar as barreiras

A ação do Espírito Santo na caminhada dos primeiros cristãos   foi impressionante! As pessoas que iam conhecendo a Jesus tornavam-se logo missionários e eram guiados pelo Seu poder, compreendendo claramente todas as recomendações: o que fazer ou não fazer, para onde ir e por onde não ir. Por esta razão, a Igreja fortalecia-se na fé e crescia em número de seguidores. Precisamos ter consciência de que o Espírito Santo é o mesmo e que hoje, também, Ele está pronto para nos orientar e nos dirigir na nossa caminhada, por isso não precisamos ficar angustiados (as) e aflitos (as) diante dos nossos desafios. O Espírito Santo foi enviado para nos ajudar a superar as barreiras, iluminar o caminho pedregoso, revelar passo a passo o que é bom para nós. É Ele também quem nos dá visão para enxergarmos as nossas limitações e nos capacita para que cresçamos nas nossas potencialidades. Ele nos revela por meio de sinais aonde devemos ir e nos impulsiona a nos envolver no projeto de Deus para a vida das pessoas. Assim como Paulo teve a visão do macedônio que lhe pedia ajuda, nós também, pelo poder do Espírito, intuímos sobre as sugestões de Deus para a nossa missão de edificadores do reino de Deus e anunciadores da Salvação de Jesus. – O Espírito Santo tem  mostrado a você alguém que precisa da sua ajuda? – Você tem obedecido às Suas sugestões? – Você acha que poderá um dia ser cobrado pela desobediência ao Espírito Santo?

 

Salmo  99, 2. 3. 5 (R. 2a)

 

R. Aclamai o Senhor, ó terra inteira.
Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

2Aclamai o Senhor, ó terra inteira,
servi ao Senhor com alegria,*
ide a ele cantando jubilosos!R.

3Sabei que o Senhor, só ele, é Deus,
Ele mesmo nos fez, e somos seus,*
nós somos seu povo e seu rebanho.R.

5Sim, é bom o Senhor e nosso Deus,
sua bondade perdura para sempre,*
seu amor é fiel eternamente!R.

 

Reflexão - Servir ao Senhor com alegria é a característica de quem é filho de Deus Pai. Se, servimos a Jesus, estamos também servindo ao Deus que nos criou. Nós sabemos que somos do Pai e só a Ele pertencemos e que o Seu amor é fiel eternamente e a Sua bondade perdura para sempre. Nunca podemos servi-Lo com má vontade, nem resmungando, pois, o nosso desígnio é louvar, adorar e servir a Deus.

 

Evangelho – Jo 15, 18-21

 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 15,18-21

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 18Se o mundo vos odeia, sabei que primeiro me odiou a mim. 19Se fôsseis do mundo,
o mundo gostaria daquilo que lhe pertence. Mas, porque não sois do mundo, porque eu vos escolhi e apartei do mundo, o mundo por isso vos odeia. 20Lembrai-vos daquilo que eu vos disse: 'O servo não é maior que seu senhor'. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós. Se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. 21Tudo isto eles farão contra vós por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou.

Palavra da Salvação.

 

Reflexão   – “Por que somos odiados pelo mundo?”

Jesus nos exorta a não estranhar nem nos admirar quando formos perseguidos por procurar viver uma vida honesta e fiel a Deus, vivenciando o Evangelho. Ele mesmo nos explica: “Se fôsseis do mundo, o mundo gostaria daquilo que lhe pertence... Eu vos escolhi e apartei do mundo, o mundo por isso vos odeia!” O mundo tem uma mentalidade contrária a tudo quanto Jesus no ensina e nós nunca seremos bem acolhidos no mundo se não agirmos como ele prega. Quem não aceita a Jesus vive na ignorância e não conhece o amor perfeito do Pai. Se queremos seguir a Jesus e somos seus servos, então, também seremos perseguidos. Portanto, precisamos ter bem em mente que nunca seremos amados pelo mundo e não experimentaremos a sua paz, pois, ele anda na contramão dos ensinamentos de Jesus. Mesmo sabendo disso, muitas vezes também esperamos receber muito do mundo, consequentemente temos que nos contentar apenas com migalhas, quando somos bem-sucedidos nas coisas daqui que logo passam. Às vezes, também, não admitimos a existência da luta, da conquista, da perseguição achando que, se somos de Deus Ele tem a obrigação de tirar todos os obstáculos da nossa frente. No entanto, Deus nunca irá nos mostrar o caminho completo. Ele guia os nossos passos na medida em que enfrentamos os obstáculos. Por isso, Jesus mesmo nos avisou: “Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós”. Nós estamos no mundo, porém não pertencemos a ele, assim sendo, nunca poderemos nos amoldar a ele. 

 – Você entende o que é não ter parte com o mundo? 

– Você realmente pensa diferentemente do mundo? 

 – O que você tem esperado da sua vida: acomodação, sucesso, vida mansa, tudo dentro dos conformes? 

– Você quer ser discípulo (a) de Jesus?  

– O que você tem sofrido em Nome de Jesus? 


Helen Serpa,

Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

SANTO DO DIA - BEATOS PADRE MANUEL GONZÁLEZ E SEU COROINHA, ADILIO DARONCH


Mártires [1924]

Resumo
Padre Manuel Gómez González (1877-1924) e seu coroinha Adílio Daronch (1908-1924), mártires que, no Brasil, depois de serem maltratados e amarrados a duas árvores de um morro foram fuzilados, morrendo por causa do ódio à fé cristã e a Igreja Católica.

Vida de González
Emmanuel Gómez González, filho de José e Josefina, nasceu em 29 de maio de 1877 em São José de Ribarteme, na Diocese de Tuy, Espanha. Ele foi batizado no dia seguinte. Ordenado sacerdote em 24 de maio de 1902 e exerceu seu ministério sacerdotal em sua Diocese natal por dois anos. 

Missionário
Em 1904, seu pedido para ser incardinado na vizinha Diocese de Braga, Portugal, foi atendido. Ele serviu lá como pároco de 1905 a 1913. Quando a perseguição política e religiosa começou em 1913, Padre González foi autorizado a navegar para o Brasil. Após breve passagem pelo Rio de Janeiro, Dom Miguel de Lima Valverde o acolheu na Diocese de Santa Maria (RS), e em 23 de janeiro de 1914 confiou-lhe o cargo de pároco da Saudade. Em dezembro de 1915, o Padre González foi transferido para a parte norte da diocese, para uma grande paróquia de Nonoai (RS), que poderia ser considerada uma pequena diocese. 

Frutos do ministério
Dedicou-se à evangelização com tanto entusiasmo que, nos oito anos de seu ministério, melhorou significativamente o nível de fé nessa área. Seu ministério também incluiu o cuidado pastoral dos índios nativos e o cargo de administrador paroquial na paróquia vaga de Palmeiras das Missões. Ele foi, de fato, martirizado naquela região remota.

Adílio Daronch
O terceiro dos oito filhos de Pedro Daronch e Judite Segabinazzi, nasceu em 25 de outubro de 1908 em Dona Francisca, no município de Cachoeira do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil. Em 1911 a família mudou-se para Passo Fundo e em 1913 para Nonoai (RS).

Fiel discípulo do Padre González
Adílio foi um dos adolescentes que acompanhou o Padre González em suas longas e cansativas visitas pastorais, que incluíam também os índios Kaingang. Foi também fiel coroinha e aluno da escola fundada pelo Padre Manuel. Em 21 de maio de 1924, com quase 16 anos de idade, este jovem corajosamente deu seu testemunho de Cristo ao lado de seu mentor.

O martírio dos dois
O bispo de Santa Maria pediu ao padre espanhol que visitasse as colônias teutônicas na floresta de Três Passos, perto da fronteira com o Uruguai. Depois de celebrar a Semana Santa na paróquia de Nonoai (RS) e apesar de a região estar repleta de movimentos revolucionários, o padre embarcou nesta perigosa viagem missionária, acompanhado pelo seu bravo coroinha e protegido, Adílio. Ao longo do caminho, o padre parou em Palmeria, onde administrou os sacramentos e exortou os revolucionários locais ao respeito mútuo, pelo menos por causa da fé cristã comum que compartilhavam. Os piores extremistas não apreciaram sua mensagem, nem o fato de ele ter dado sepultura cristã às vítimas das bandas locais. Assim, o Padre Manuel passou a ser visto com desconfiança. Continuando o caminho missionário, pararam novamente no caminho para pedir indicações e celebrar a Santa Missa; o dia era 20 de maio de 1924. Desejando trazer a graça de Deus e proclamar a Boa Nova, os missionários ardentes não atenderam ao aviso dos moradores, que tentaram impedi-los de seguir a missão na floresta. Assim, aceitaram a assistência dos militares que se ofereceram para acompanhá-los até Três Passos. Então, caíram na armadilha preparada para eles e foram levados para uma área remota da floresta, onde foram amarrados às árvores e depois foram fuzilados em 21 de maio de 1924, mártires da fé.

Restos mortais
Embora os seres humanos se recusassem a aceitar a mensagem de respeito mútuo dos santos mártires, parece que a natureza o fez, pois nenhuma fera ou animal os tocou: os habitantes de Três Passos encontraram seus corpos ainda intactos quatro dias depois. Seus restos mortais foram enterrados nas proximidades por 40 anos. Em 1964 seus corpos foram exumados e trasladados para a igreja paroquial de Nonoai (RS), e um monumento foi erguido no local de seu martírio. Em 16 de dezembro de 2006, o Papa Bento XVI proclamou o decreto de martírio desses dois fiéis servos de Cristo assassinados por ódio à fé.

A minha oração                    
“Segundo a amizade dos mártires, que foram fiéis a Cristo e companheiros um do outro na hora da morte, pedimos o dom da amizade que nos leva a evangelizar doando a nossa vida. Fazei-nos anunciadores da Palavra a todo custo e evangelizadores dos lugares mais remotos, por Cristo, nosso Senhor. Amém!”

Beatos padre Manuel e Adílio mártires, rogai por nós!

Fonte: Canção Nova Notícias