segunda-feira, 30 de setembro de 2013

PAPA INSTITUI "CONSELHO DE CARDEAIS": UMA NOVA MODALIDADE DE CONSULTA, DIZ PADRE LOMBARDI

Cidade do Vaticano (RV) - O Papa Francisco instituiu nesta segunda-feira, com um Quirógrafo, o "Conselho de cardeais", grupo composto por oito purpurados cujos nomes foram publicados em 13 de abril passado, que terão a missão de coadjuvar o Papa no governo da Igreja e no projeto de reforma da Cúria Romana. Nesta terça-feira, 1º de outubro, tem lugar a primeira reunião do Conselho com a presença do Santo Padre. As sessões de trabalho prosseguirão até quinta-feira, dia 3. Sobre a importância dessa reunião, o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, concedeu uma coletiva na manhã desta segunda-feira. Pe. Lombardi iniciou lendo o Quirógrafo com o qual o Pontífice especificou o papel e as funções dos 8 cardeais. Em primeiro lugar, o grupo se chamará Conselho e ressalta-se que é fruto das sugestões apresentadas nas Congregações Gerais antes do último Conclave. Com o documento estabelece-se formalmente que o Conselho de cardeais ajudará o Papa "no governo da Igreja" e "no estudo de um projeto de revisão da Constituição apostólica Pastor Bonus sobre a Cúria Romana". Pe. Lombardi deteve-se sobre o novo método de governo querido pelo Papa Francisco: "Um modo com o qual talvez se possa definir esse Conselho é 'um ulterior instrumento que enriquece o governo da Igreja com uma nova modalidade de consulta': portanto, um enriquecimento dos instrumentos já disponíveis ao Santo Padre para o governo da Igreja mediante a consulta, a ajuda que se pode ter consultando." O quirógrafo evidencia que o Conselho pode ser alterado em seu número de componentes, quer ser uma ulterior expressão da comunhão episcopal e do auxílio ao munus petrinum, ao governo do Sucessor de Pedro. O porta-voz vaticano especificou quais são as duas palavras-chave para enquadrar essa passagem do quirógrafo: "As palavras-chave para pensar nesse método de governo que o Papa está configurando creio que sejam o caráter sinodal, a idéia do caminhar juntos: uma Igreja que caminha junto em seus diversos componentes e o Papa se coloca em caminho com essa Igreja; e o discernimento, que é a busca da vontade de Deus mediante uma consulta freqüente e paciente." Em seguida, o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé afirmou que os 8 cardeais, que nestes dias chegaram a Roma, já se reuniram informalmente antes do encontro desta terça-feira com o Papa. O Conselho de cardeais preparou-se colhendo sugestões e propostas em suas áreas geográficas. Ademais, foram enviados ao Papa documentos de vários dicastérios e da Secretaria de Estado. Ao todo, disse Pe. Lombardi, trata-se de cerca de oitenta documentos, dos quais o secretário do Conselho, Dom Marcello Semeraro, preparou um síntese. Os trabalhos se realizarão na Biblioteca privada do apartamento papal. Os cardeais, que neste período estarão hospedados na Casa Santa Marta, se reunirão pela manhã e pela tarde e o Papa estará sempre presente, exceto na quarta-feira pela manhã por causa da audiência geral. Pe. Lombardi deteve-se sobre como o Papa participará das sessões de trabalhos: "O Papa prevê fazer uma introdução muito breve e ouvir. Substancialmente, a presença do Papa é uma presença de escuta desses conselheiros que terão muito a trazer com as suas considerações, dado que o material é muito abundante." Respondendo às perguntas dos jornalistas, o sacerdote jesuíta quis especificar que com esse Conselho o Papa Francisco não introduz um governo colegial: "O Papa não está de modo algum condicionado. Para dizer que é um governo colegial precisaria dizer que o Papa 'deve' consultá-lo, 'deve' reuni-lo sobre determinados temas, 'deve'... Não se trata disso: trata-se de um Conselho ao qual pode ser pedido que dê o seu parecer." Por fim, o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé reiterou que se trata do primeiro encontro do Papa com os cardeais e que, portanto, não se deve esperar decisões relevantes. Aliás, especificou, não serão publicados documentos de trabalho nem está previsto nenhum comunicado final. (RL) Fonte: Rádio Vaticano

COLETIVO INTER-RELIGIOSO DEBATE A RELAÇÃO ESTADO E SOCIEDADE POR UM MARCO REGULATÓRIO

Teve início na manhã desta segunda-feira, 30 de setembro, o Coletivo Inter-religioso para a relação Estado e Sociedade, resultado do primeiro seminário realizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em novembro de 2012. O evento acontece no Centro Cultura de Brasília (CCB) até a terça-feira, 1º de outubro, e reúne diversas entidades religiosas para mais um debate sobre o Estado e a atuação social das organizações religiosas. Esta é a segunda edição do seminário, dando continuidade à discussão sobre o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. A mesa de abertura teve a participação do padre Geraldo Martins (CNBB), da pastora Romi Márcia Bencke, do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), Flamarion Vidal Arauto, da Federação Espírita Brasileira (FEB) e Welinton Pereira, da Aliança Cristã Evangélica Brasileira. Padre Geraldo Martins lembrou que o seminário foi iniciado pela CNBB, mas sendo um compromisso assumido por diversas outras entidades. “É importante estarmos cada vez mais unidos para a aprovação deste Marco Regulatório, que discuta e reconheça a Ação Social das organizações religiosas na vida do país”. “Estamos num momento de ameaças aos direitos conquistados. Isso reforça a necessidade de uma organização da sociedade civil. Não se faz um país somente com capital financeiro e grandes empresas, mas com a participação das organizações”, reforçou a pastora Romi Márcia Bencke (Conic). O tema “Marco Regulatório – Memória, situação e perspectivas” está sendo debatido pelos participantes do encontro. O encontro fomentará, ainda, o diálogo permanente entre as organizações religiosas e o Governo, bem como com outros grupos já constituídos e que atuam na melhoria do ambiente regulatório por um Estado de Direitos. Fonte: CNBB

PRESIDÊNCIA DA CNBB RECEBIDA PELO PAPA FRANCISCO

Presidência da CNBB recebida pelo Papa. Na pauta do encontro, formação e Amazônia Cidade do Vaticano (RV) – A Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, foi recebida na manhã de sábado, 28, pelo Papa Francisco, no Vaticano. Antes da audiência, o Cardeal Raymundo Damasceno Assis, Arcebispo de Aparecida, (Presidente); Dom José Belisário da Silva, Arcebispo de São Luís do Maranhão, (Vice-Presidente); e Dom Leonardo Ulrich Steiner, auxiliar de Brasília (Secretário-geral), concelebraram a missa da manhã presidida pelo Papa na Casa Santa Marta. Após o encontro com o Papa, Dom Raymundo conversou com a RV e revelou os temas abordados. Segundo o cardeal, Francisco insistiu na formação do clero, dando muito destaque à questão da Amazônia. Para ouvir o Presidente da CNBB, clique acima. No discurso feito aos bispos do Brasil, no dia 27 de julho, Francisco disse que considera a Amazônia relevante não somente para o caminho atual e futuro da Igreja no Brasil, mas para toda a estrutura social: “A Igreja está na Amazônia não como aqueles que têm as malas na mão para partir depois de terem explorado tudo o que puderem”, disse Francisco, acrescentando que “desde o início a Igreja está presente na Amazônia com missionários, congregações religiosas e lá continua ainda presente e determinante no futuro daquela área”. A Comissão Episcopal para a Amazônia, presidida pelo Cardeal Cláudio Hummes, atendendo à solicitação do Papa, promove de 28 a 31 de agosto, em Manaus, o I Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal. (CM) Fonte: Rádio Vaticano

PAPA FRANCISCO: "NÃO PODEMOS NOS RESIGNAR DIANTE DA DOR. O DIÁLOGO PODE VENCER A GUERRA"

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco recebeu na manhã desta segunda-feira, no Vaticano, os participantes do Encontro Internacional pela Paz, promovido pela Comunidade de Santo Egídio, sobre o tema: “A Coragem da Esperança”. O Encontro Internacional pela Paz foi aberto este domingo, em Roma, com a participação de 400 representantes das grandes religiões e expoentes da vida política e cultural provenientes de 60 países. O evento, que é anual, é uma herança do encontro convocado por João Paulo II em Assis, em 1986. Em seu discurso, o Pontífice recordou mais uma vez que o mundo necessita de paz. “Não podemos nos resignar diante da dor de povos inteiros, reféns da guerra, da miséria e da exploração. Não podemos assistir indiferentes ao drama de crianças, famílias e idosos atingidos pela violência. Não podemos deixar que o terrorismo aprisione o coração de poucos violentos para semear dor e morte a muitas pessoas.” Não existe qualquer justificação religiosa para a violência, disse ainda o Papa, ressaltando que um líder religioso é sempre homem de paz, já que o mandamento da paz está inscrito no profundo das tradições religiosas que representam. Para Francisco, encontros como os promovidos pela Comunidade de Santo Egídio indicam a estrada a seguir: a coragem do diálogo. “No mundo, nas sociedades, existe pouca paz porque falta o diálogo. A paz requer um diálogo tenaz, paciente, forte, inteligente, para o qual nada está perdido. O diálogo pode vencer a guerra.” Nesse contexto, prosseguiu, os líderes religiosos são chamados a serem “artesões da paz, unindo e não dividindo, extinguindo o ódio, abrindo as vias do diálogo e não erguendo novos muros! No encontro podemos instaurar a cultura do diálogo e a cultura do encontro”. A seguir, Francisco recordou a origem transcendente do diálogo. A herança do primeiro encontro de Assis, disse, mostra como o diálogo esteja intimamente relacionado com a oração de cada um. “Diálogo e oração crescem ou decaem juntos. A relação do homem com Deus é a escola e o alimento do diálogo com os homens.” E concluiu: “Continuemos a rezar pela paz no mundo, na Síria, no Oriente Médio, em tantos países do mundo. Esta coragem da paz doe a coragem da esperança ao mundo, a todos os que sofrem pela guerra e aos jovens que olham preocupados para seu futuro.” (BF) Fonte: Rádio Vaticano

JOÃO XXIII E JOÃO PAULO II SERÃO CANONIZADOS EM ABRIL DE 2014

João XXIII e João Paulo II serão canonizados conjuntamente a 27 de abril de 2014, II domingo da Páscoa, domingo da Divina Misericórdia O Papa Francisco presidiu esta manhã, às 10 horas, no Vaticano, a um Consistório ordinário público no Vaticano com os cardeais presentes em Roma, para aprovar as causas de canonização de João Paulo II e João XXIII, estabelecendo que tal tenha lugar a 27 de abril de 2014. Trata-se do segundo domingo do tempo pascal, Domingo da Divina Misericórdia, celebração instituída por João Paulo II e na véspera da qual ele próprio faleceu, em 2005. Recordamos que em fins de julho, na viagem de regresso do Brasil o Papa justificou a decisão de juntar no mesmo dia a canonização dos seus dois predecessores: "Fazer a cerimónia de canonização dos dois juntos quer ser uma mensagem para a Igreja: estes dois são bons, eles são bons, são dois bons".O Papa reconheceu oficialmente um segundo milagre de João Paulo II em julho, depois de ter recebido o parecer favorável da Congregação para as Causas dos Santos, o que vai permitiu avançar com a canonização do beato polaco. No mesmo dia, o Santo Padre aprovou a canonização de João XXIII, falecido há 50 anos, após ter recebido o parecer favorável da Congregação para as Causas dos Santos, dispensando o reconhecimento de um novo milagre. João Paulo II foi proclamado beato por Bento XVI a 1 de maio de 2011, na Praça de São Pedro. A Igreja celebra a memória litúrgica de João Paulo II a 22 de outubro, data do início de pontificado de Karol Wojtyla, em 1978, pouco depois de ter sido eleito Papa.Por sua vez, João XXIII foi declarado beato pelo Papa João Paulo II, a 3 de setembro de 2000. A sua celebração litúrgica tem lugar a 11 de Outubro, data da abertura do Concílio Vaticano II, por ele convocado. O último Consistório público ordinário tinha tido lugar a 11 de fevereiro passado, durante o qual Bento XVI apresentou a sua renúncia pontificado. Fonte: Rádio Vaticano

CAVALGADA DA FÉ : ROMARIA DE SÃO FRANCISCO RENDE HOMENAGEM AOS VAQUEIROS DO SERTÃO

Canindé. Em um espetáculo de coragem, fé, aventura, religiosidade e muita perícia, este município realizou a sua 43ª Missa do Vaqueiro. A cerimônia, que contou com a presença de mais de dois mil participantes entre cavaleiros e amazonas, faz parte do calendário religioso da cidade. A tradição dos cavaleiros mobiliza participantes de diversas cidades cearenses e também de Estados vizinhos. Eles louvam o santo padroeiro e fortalecem os valores nordestinos em cada edição da festa FOTO: ANTÔNIO CARLOS ALVES De acordo com a Associação dos Vaqueiros, Boiadeiros e Pequenos Criadores dos Sertões de Canindé (Avaboc), estiveram presentes à celebração, presidida pelo pároco e reitor do santuário, frei João Amilton, vaqueiros de Canindé, Paramoti, Caridade, Itatira, Madalena, Boa Viagem, Maranguape, Morada Nova, Santa Quitéria, além de participantes dos Estados do Piauí, Rio Grande do Norte e também Maranhão. Logo cedo, os participantes da cavalgada religiosa estiveram reunidos no Parque de Exposição Francisco Diassis Bessa Xavier, onde fizeram um lanche antes da saída para a Capela de São Pedro no Alto do Moinho, ao lado da estátua de São Francisco. O presidente da Associação, José Curdulino, falou da importância de se preservar a cultura popular, através dos costumes do homem do sertão. Depois ele seguiram com destino ao local onde foi celebrada a missa do evento, em percurso de 6 quilômetros. A manfiestação de fé foi coordenada pela Cavalaria da Polícia Militar, Polícia Rodoviária Estadual e Guarda Municipal. Passou pela Avenida São Francisco, ruas Joaquim Magalhães, Mozart Pinto, Aristides Rabelo, José Veloso Jucá e Capela de São Pedro. Por onde a procissão passou, uma grande multidão aplaudia os heróis do sertão que dedicam o seu dia-a-dia na defesa da preservação de costumes regionais. Depois de duas horas de viagem, homens e cavalos chegaram ao destino final, onde atentamente assistiram à celebração, participaram do ofertório e, em forma de aboios, fizeram as passagens bíblicas e prestaram homenagens ao patrono da ecologia, São Francisco. Na abertura, o pároco Frei Amilton dos Santos lembrou a importância do vaqueiro na festa de São Francisco. "Essa tradição está sendo mantida, graças a essa integração de todos os setores que realizam esse evento de tão grande importância para a nossa gente. Quero aqui deixar as minhas homenagens aos defensores ferrenhos de nossa cultura", frisou o Frei. Durante a celebração frei Amilton dos Santos, fez referências ao sentido da vida e disse: "Se todos os vaqueiros hoje se tornassem profetas, porque o bom vaqueiro zela pelos animais. Hoje a profissão de vaqueiro foi reconhecida e todos eles agora poderão se aposentar como vaqueiro". Após a missa, os cavaleiros participaram de um almoço e ainda assistiram a uma novena realizada na Praça do Romeiro, na sexta noite de festividades da Romaria de São Francisco. Ontem, a cidade de Canindé ficou pequena para o grande número de romeiros que chegaram ao santuário. No sexto dia da programação, a novena teve como tema "Francisco, um jeito sempre alegre de louvar a Deus"´. O Estado homenageado foi a Bahia. Muitas romarias vieram a cidade na manhã de ontem. De acordo com a Polícia Militar, passaram no município uma multidão superior a 100 mil pessoas. Hoje, o tema da novena será "Francisco, um jeito sempre jovem de transmitir a fé´´ e a Paraíba receberá homenagem. Mais informações Santuário de São Francisco das Chagas - Paróquia Praça da Basílica - Centro Telefones: (85) 3343.0117 (85) 3343.0774 Antônio Carlos Alves Colaborador Fonte: Diário do Nordeste

COMUNIDADE SHALOM: FESTA DOS ARCANJOS ROGA PELA PAZ

A 8ª edição da festa foi marcada por emoção. A dupla Ítalo e Reno empolgou ao cantar a Oração de São Francisco Um momento de alegria, emoção e reflexão sobre os ensinamentos de Deus. Assim foi a 8ª edição da Festa dos Arcanjos promovida pela Comunidade Católica Shalom, ontem, no Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU), no Bairro Dias Macedo, reunindo fiéis da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e de vários municípios Interior do Estado, que vieram em caravanas participar do festejo. Diversas caravanas de católicos vieram a Fortaleza para participar da celebração Foto: Kid Júnior O Terço da Misericórdia deu início à programação, por volta das 15h, e logo em seguida aconteceu a apresentação de Marcelo Braga, do Ministério de Música Shalom, e da dupla Ítalo e Renno. A dupla emocionou os presentes ao cantar a Oração de São Francisco. Perto das 18 horas, Paulo José cantou a oração da Ave-Maria, sendo acompanhado por crianças, jovens e adultos católicos fervorosos. Neste ano, mais um vez, o padre Antonio Furtado, sacerdote difusor da devoção aos Arcanjos no Ceará, animou os presentes. E levou a todos uma mensagem em defesa da paz na Missa de Ação de Graças que celebrou. A Igreja Católica herdou do Antigo Testamento a devoção aos arcanjos, explicou a Assessoria de Imprensa do Shalom. A palavra arcanjo significa "anjo principal"; e anjo, "mensageiro". O nome do Arcanjo Miguel possui um revelador significado em hebraico: "Quem como Deus". Segundo a Bíblia, ele é um dos sete espíritos assistentes ao Trono do Altíssimo, portanto, um dos grandes príncipes do Céu e ministro de Deus. O nome do arcanjo São Gabriel, citado duas vezes nas profecias de Daniel, significa "Força de Deus" ou "Deus é a minha proteção". É muito conhecido devido à sua singular missão de mensageiro. "Foi ele que anunciou a Maria que ela iria conceber Jesus sem conhecer um homem", lembra ainda Evandro Monteiro, que foi consagrado na comunidade católica. Já o arcanjo São Rafael, que aparece no Antigo Testamento no livro de Tobit, é associado as palavras "Deus curou" ou "Medicina de Deus", uma vez restituiu à vista do piedoso Tobit. A fiel Luiza Magalhães explicou que resolveu adiar sua saída de Fortaleza em romaria a pé rumo a Canindé a fim de participar da festa de ontem. Demonstrando felicidade, ela disse que, tão logo a programação terminasse, ela iria se encontrar com mais de 100 devotos de São Francisco na BR-020. "Na quinta-feira a gente chega lá", previu. Fonte: Diário do Nordeste

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE

Reflexão Pessoal – Zacarias 8, 1-8 – “na visão de Deus” Para Deus nada é impossível e, mesmo que aos nossos olhos, certas coisas sejam difíceis à nossa compreensão, nós precisamos confiar em que as promessas do Senhor se cumprem no tempo certo. Nesta profecia de Zacarias nós constatamos o cuidado e o zelo que Deus mantém com o povo que Ele escolheu. O zelo ciumento de Deus e o Seu amor misericordioso se manifestam por meio das promessas de salvação que a Palavra nos desvenda. O Seu desejo é nos salvar e nos atrair de volta para Jerusalém, a terra que o Senhor preparou para nós. Nela, viveremos e usufruiremos da plenitude da felicidade que consiste na visão beatífica de Deus. Por isso, a profecia nos fala de velhos e velhas que se sentarão nas praças da cidade santa e de meninos e meninas que encherão as suas ruas de ouro. Isso significa que todos, em qualquer idade ou situação, terão acesso à nova terra e que poderão usufruir da felicidade preparada pelo Pai. Esta é a obra que o Senhor faz no meio de nós! Enquanto isso, precisamos permanecer fieis e cheios de esperança, porque somos povo de Deus a quem Ele promete vida nova aqui na terra e a glória lá no céu. - Você crê que em qualquer situação em que esteja, o Senhor está pronto para salvá-lo (a)? – Quais as promessas que Deus tem feito a você? – Você espera o cumprimento das promessas de Deus com confiança?- Faça uma reflexão hoje sobre a Jerusalém celeste, onde Deus tem reservado o seu lugar. – Você acha que aqui na terra já se tem um vislumbre da Jerusalém celeste? Salmo 101 – “O Senhor edificou Jerusalém e apareceu na sua glória!” Esse salmo expressa a amplitude da promessa de Salvação do nosso Deus a todos os povos, em todas as gerações. O Senhor edificou Jerusalém, isto é, a cidade santa, o céu, a felicidade, para que nela vivam os Seus filhos. Ele olha para nós do alto do céu e atende os gemidos da nossa alma que anseia pelos átrios celestiais. Casa e segurança para nós e para a nossa descendência é o que nos promete o Senhor, a fim de que cantemos o Seu nome e O louvemos em Jerusalém quando todos os povos e nações se reunirem. Estaremos lá em segurança.! Evangelho – Lucas 9, 46-50 – “abandonadas com confiança nos braços do pai” Jesus veio nos esclarecer que no reino dos céus, tem poder aquele (a) que presta serviço por amor. Portanto, enquanto estivermos buscando o poder que domina e reprime, não poderemos construir o reino de Deus aqui na terra. Para que possamos compreender o messianismo de Jesus precisamos mudar a ideia que o mundo nos ensina a respeito do poder. Com simplicidade e firmeza Jesus tirou as dúvidas dos seus discípulos, mostrando mais uma vez que o pensamento do mundo não é igual ao que pensa Deus. No reino de Deus é grande, quem com humildade, se dispõe a imitar Jesus que veio ao mundo para entregar-se e servir por amor. Portanto, para tornarmo-nos grandes temos que nos fazer pequenos e humildes, dependentes do poder amoroso de Deus. Por isso, é que precisamos nos tornar como crianças, pois elas não se envergonham de reconhecer a sua incapacidade e limitação e se põem completamente abandonadas com confiança nos braços do pai ou da mãe, porque sabem que com eles terão amparo e segurança. Tem importância no reino dos céus todos os que estão prestando serviço no anúncio do Evangelho de Jesus, mesmo que não façam parte de um mesmo círculo, de uma mesma religião, pois a salvação de Jesus é universal. - Você é uma pessoa dependente de Deus ou auto suficiente? – O que você entende de “ser como criança”? – Você sabe ceder para outra pessoa algo que, por direito, seria seu, somente para agradar a Deus? – Você acha que todos têm condição de falar em Nome de Jesus? Helena Serpa, Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

EVANGELHO DO DIA

Lucas 9,46-50 Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas Glória a vós, Senhor.Naquele tempo, 46houve entre os discípulos uma discussão, para saber qual deles seria o maior. 47Jesus sabia o que estavam pensando, pegou então uma criança, colocou-a junto de si 48e disse-lhes: “Quem receber esta criança em meu nome, estará recebendo a mim. E quem me receber, estará recebendo aquele que me enviou. Pois aquele que entre todos vós for o menor, esse é o maior”. 49João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem que expulsa demônios em teu nome. Mas nós lho proibimos, porque não anda conosco”. 50Jesus disse-lhe: “Não o proibais, pois quem não está contra vós, está a vosso favor”. Palavra da Salvação.

SANTO DO DIA - SÃO JERÔNIMO

Neste último dia do mês da Bíblia, celebramos a memória do grande “tradutor e exegeta das Sagradas Escrituras”: São Jerônimo, presbítero e doutor da Igreja. Ele nasceu na Dalmácia em 340, e ficou conhecido como escritor, filósofo, teólogo, retórico, gramático, dialético, historiador, exegeta e doutor da Igreja. É de São Jerônimo a célebre frase: “Ignorar as Escrituras é ignorar a Cristo”. Com posse da herança dos pais, foi realizar sua vocação de ardoroso estudioso em Roma. Estando na “Cidade Eterna”, Jerônimo aproveitou para visitar as Catacumbas, onde contemplava as capelas e se esforçava para decifrar os escritos nos túmulos dos mártires. Nessa cidade, ele teve um sonho que foi determinante para sua conversão: neste sonho, ele se apresentava como cristão e era repreendido pelo próprio Cristo por estar faltando com a verdade (pois ainda não havia abraçado as Sagradas Escrituras, mas somente escritos pagãos). No fim da permanência em Roma, ele foi batizado. Após isso, iniciou os estudos teológicos e decidiu lançar-se numa peregrinação à Terra Santa, mas uma prolongada doença obrigou-o a permanecer em Antioquia. Enfastiado do mundo e desejoso de quietude e penitência, retirou-se para o deserto de Cálcida, com o propósito de seguir na vida eremítica. Ordenado sacerdote em 379, retirou-se para estudar, a fim de responder com a ajuda da literatura às necessidades da época. Tendo estudado as línguas originais para melhor compreender as Escrituras, Jerônimo pôde, a pedido do Papa Dâmaso, traduzir com precisão a Bíblia para o latim (língua oficial da Igreja na época). Esta tradução recebeu o nome de Vulgata. Assim, com alegria, dedicação sem igual e prazer se empenhou para enriquecer a Igreja universal. Saiu de Roma e foi viver definitivamente em Belém no ano de 386, onde permaneceu como monge penitente e estudioso, continuando as traduções bíblicas, até falecer em 420, aos 30 de setembro com, praticamente, 80 anos de idade. A Igreja declarou-o padroeiro de todos os que se dedicam ao estudo da Bíblia e fixou o “Dia da Bíblia” no mês do seu aniversário de morte, ou ainda, dia da posse da grande promessa bíblica: a Vida Eterna. São Jerônimo, rogai por nós!

domingo, 29 de setembro de 2013

COMUNIDADE SANTA TERESINHA NO PASSARÉ REALIZA FESTA DE SUA PADROEIRA

A Comunidade Santa Terezinha no Passaré que faz parte da Paróquia Mãe Santíssima, do bairro Parque Dois Irmãos está realizando desde dia 21 de setembro a 01 de outubro a festa de sua padroeira. Programação Hoje dia 29 - Domingo Às 17h30min - Novena; Às 18h15min - Santa Missa presidida pelo Padre Reginaldo (Paróquia Mãe Santíssima) estando responsável pela liturgia a Comunidade Nossa Senhora de Fátima (Jardim Castelão). Amanhã,dia 30 - Segunda-feira Às 19h - Novena; Às 19h30min - Santa Missa presidida pelo Padre Luciano (Área Pastoral São José) estando responsável pela liturgia a Comunidade São Vicente de Paulo. Dia 01 de outubro - Terça-feira (Encerramento) Às 19h - Procissão; Às 19h30min - Santa Missa presidida por Dom Vasconcelos (Bispo Auxiliar) e Co-celebrante Alexandre Andrade estando responsável pela liturgia a Comunidade Santa Teresinha. Informações pelo telefone (85) 8890 6473 Rejane – Comunidade Santa Terezinha / (85) 87325611 Paulinho - Comunidade Santa Terezinha.

O CATEQUISTA É AQUELE QUE GUARDA E ALIMENTA A MEMÓRIA DE DEUS - PAPA NA MISSA PARA O DIA DO CATEQUISTA NA PRAÇA DE SÃO PEDRO

Hoje Jornada do Catequista, o Papa Francisco presidiu à missa na Praça de São de São Pedro para cerca de dois mil catequistas vindos de várias partes do mundo em peregrinação à Sé de Pedro e para tomar parte no Congresso Internacional da Catequese, realizado nos últimos três dias em Roma, no âmbito do ano da Fé. Com o Santo Padre concelebraram numerosos bispos e padres da igreja universal, entre os quais D. Salvatore Fisichella, Presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização. Na sua homilia o Papa deixou-se inspirar pelas palavras do Profeta Amós que diz: “Ai dos que vivem comodamente (…) e não se preocupam dos outros”. Palavras duras – disse o Papa - mas que nos chamam a atenção para o perigo que todos corremos. O perigo de termos como centro de tudo apenas o nosso bem-estar, sem nos preocuparmos com os outros, com os pobres; o perigo de - tal como o rico citado no Evangelho - perdermos a nossa identidade de pessoa, o nosso rosto humano, e de termos como rosto e como identidade apenas os nossos haveres. Mas porque é que acontece isto, perguntou o Papa, respondendo que isto acontece quando perdemos a memória de Deus: “Se falta a memória de Deus, tudo se nivela pelo eu, pelo meu bem-estar. A vida, o mundo, os outros perdem consistência, já não contam para nada, tudo se reduz a uma única dimensão: o ter. Se perdemos a memória de Deus, também nós mesmos perdemos consistência, também nós nos esvaziamos, perdemos o nosso rosto, como o rico do Evangelho! Quem corre atrás do nada, torna-se ele próprio nulidade – diz outro grande profeta, Jeremias. Estamos feitos à imagem e semelhança de Deus, não das coisas, nem dos ídolos!” E lançando o olhar à extensa Praça de São Pedro, repleta de catequistas (entre os outros fiéis) o Papa perguntou-se: “Quem é o catequista”? É aquele que guarda a alimenta a memória de Deus; guarda-a em si mesmo e sabe despertá-lo nos outros. É belo isto!” É belo isto, prosseguiu o Papa, referindo-se a Nossa Senhora que, depois de ter recebido o anuncio do Anjo de que ia ser a mãe de Jesus, soube, de forma humilde e cheia de fé, fazer memória de Deus. A fé contém a memória de Deus, da história de Deus connosco, do Deus que toma a iniciativa de salvar o homem - continuou o Papa, afirmando que “o catequista é precisamente um cristão que põe esta memória ao serviço do anuncio: não para dar nas vistas, nem para falar de si, mas para falar de Deus, do seu amor, da sua fidelidade.” Uma tarefa não fácil, a de guardar memória de Deus e despertá-lo na no coração dos outros, pois que isto compromete a vida toda –continuou o Papa, recordando que o próprio Catecismo não é senão memória de Deus, memória da sua acção na História, presença de Cristo na sua Palavra… e aqui o Papa dirigiu-se directamente aos catequistas: “Amados catequistas pergunto-vos: Somos memória de Deus? Procedemos verdadeiramente como sentinelas que despertam nos outros a memória de Deus, que inflama o coração (…)? Que estrada seguir para não sermos pessoas “que vivem comodamente”, que põem a sua segurança em si mesmos e nas coisas, mas homens e mulheres da memória de Deus?” Como resposta o Papa sugeriu as indicações dadas por São Paulo na sua carta a Timóteo e que podem caracterizar também o caminho do catequista, isto é: procurar a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão. E rematou: “O catequista é pessoa da memória de Deus, se tem uma relação constante, vital com Ele e com o próximo; se é pessoa de fé, que confia verdadeiramente em Deus e põe n’Ele a sua segurança; se é pessoa de caridade, de amor, que vê a todos como irmãos; se é “hypomoné”, pessoa de paciência e perseverança, que sabe enfrentar as dificuldades, as provas, os insucessos, com serenidade e esperança no Senhor; se é pessoa gentil, capaz de compreensão e de misericórdia” ** No final da missa, e antes da oração mariana do Angelus, o Papa agradeceu todos, especialmente os catequistas vindos de tantas partes do mundo e dirigiu uma saudação particular a Sua Beatitude Youhanna X, Patriarca greco-ortodoxo de Antioquia de todo o Oriente, definindo-o irmão e dizendo que a sua presença nos convida a rezar mais uma vez para a paz na Síria e no Médio Oriente… Saudou, entre outros, também um grupo de peregrinos de Assis vindos a Roma a cavalo, os peregrinos da Nicarágua, país que celebra o centenário da fundação canónica da Província eclesiástica… e concluiu recordando que sábado foi proclamado Beato na Croácia, Mirislav Bulevisic, sacerdote, morto como mártir em 1947. E no meio meio dum tripudio de bandeirinhas amarelas e brancas, cartazes com frases saudando o Papa, rostos sorridentes e num pano de fundo de cânticos, o Papa foi dando a mão, saudando prelados, padres, catequistas, fieis… primeiro a pé e depois no automóvel papal até à Via da Conciliação cheinha de gentes de mãos no ar a acená-lo e saudá-lo com gritos de alegria… Fonte: Rádio vaticano

SETEMBRO NOS RECORDA A BÍBLIA

A fé é a resposta à revelação de Deus que nos dá a capacidade de ler e interpretar, mediante a nosssa história individual e a de toda a humanidade, os gestos de salvação operados por deus. A pessoa de fé é aquela que imerge na história porque sabe que é nela e nos fatos concretos que Deus se manifesta e se revela, e não nas especulações, nos nossos conceitos abstratos. O conhecimento de Deus, portanto, é possível somente quando ele decide fazer-se conhecer - e concretamente o fez por meio da história humana de Abraão, de Isaac, de Jacó e de seu Filho, Jesus Cristo O Concílio Vaticano II nos oferece excepcional documento sobrea revelação divina, Dei Verbum (Verbo de Deus): "Ouvindo religiosamente a palavra de Deus e proclamando-a com confiança, este Santo Sínodo adere às palavras de são João: "Anunciamos-vos a vida eterna, que estava junto ao Pai e se manifestou. O que vimos e ouvimos , no-lo anunciamos, para que também vós tenhais comunhão conosco e nossa comunhão seja com o Pai e com o seu Filho, Jesus Cristo" (I Jo 1,2-3), a fim de que, pelo anúncio da salvação, o mundo inteiro, ouvindo, creia, crendo, espere, esperando, ame". No Ano da Fé, relembrando os 50 anos do Concílio Vaticano II, somos convidados a conhecer e "dar razões de nossa esperança" (1Pd 3,5) e a afirmar: "Sei em quem acreditei" (2Tm 1,12). O papa Bento XVI, em discurso de 16/9/2005, disse: "O Concílio indica um aspecto qualificante da Igreja: ela e uma comunidade que escuta e anuncia a palavra de Deus. A Igreja não vive de si mesma, mas do evangelho, e dele tira sempre de novo a orientação para o seu caminho. Trata-se de uma observação que cada cristão deve acolher e aplicar a si mesmo: só quem se coloca, acima de tudo, à escuta da Palavra pode depois tornar-se anunciador". D. Geraldo Majella Agnelo Cardeal Arcebispo Emérito de Salvador Fonte: Liturgia Diária

PAPA FRANCISCO: "QUE TODA A IGREJA SEJA FRANCISCANA"

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco deseja, em nome de toda a Igreja Católica, “uma adesão sempre maior à espiritualidade do pobrezinho de Assis, ícone de Cristo Senhor e generoso testemunho evangélico continuamente amparado por um sincero amor fraterno”. É o que afirma o Pontífice em uma mensagem enviada ao quinto ‘Festival Franciscano’, recém-inaugurado na cidade de Rimini, norte da Itália. No texto, o Papa se diz “próximo desta iniciativa que leva o carisma franciscano às praças e em meio ao povo”. Francisco também pede que rezem por ele e por seu ministério. O Festival, que se encerra hoje, domingo, 29, é dedicado ao tema do Caminho, ocasião para recordar a passagem de São Francisco pela região da Romagna, há 800 anos, e também para falar da “viagem como uma metáfora da condição existencial dos homens e mulheres de hoje”. (CM) Fonte: Rádio Vaticano

PAPA FRANCISCO: "CATEQUISTA GUARDA A MEMÓRIA DE DEUS E A DESPERTA NOS OUTROS, SEM PENSAR NO PRESTIGIO"

Cidade do Vaticano (RV) – Às 10h30, horário de Roma, o Papa Francisco entrou em procissão na Praça São Pedro para presidir, do adro da Basílica vaticana, a missa do Dia dos Catequistas, convocado no âmbito do Ano da Fé. A Praça São Pedro estava completamente lotada. Com o Pontífice, vestido com paramentos verdes, concelebraram a liturgia 600 sacerdotes. Francisco começou a homilia com uma citação do Profeta Amós: “Ai dos que vivem comodamente em Sião e dos que vivem tranquilos, deitados em leitos de marfim”, comem, bebem, cantam, divertem-se e não se preocupam com os problemas dos outros”. Fonte: Rádio Vaticano Leia mais...

TRANQUILIDADE NA "TERRA DOS MONÓLITOS"

Quixadá. Pode parecer um paradoxo, mas nesta terra onde a maioria dos visitantes chega a procura de adrenalina, para praticar esportes radicais, se aventurar nas trilhas ecológicas e se divertir nas festas de forró, em um recanto especial o sossego está assegurado. Situada a 22 quilômetros do Centro de Quixadá e a 580 metros acima do nível do mar, no Serrão do Estevão, a Pousada São José é o lugar ideal para quem procura meditação e tranquilidade. Ao lado da Vila do distrito de Dom Maurício, a hospedaria mantem a tradição da hospitalidade das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus. Rodeada de mata nativa, a pousada mantém sua estrutura rústica, preservando os traços arquitetônicos da sua fundação, iniciada em julho de 1900, mas de lá para cá com algumas adaptações, como energia elétrica, água encanada, antena parabólica e rede de internet sem fio, exigência mais recente dos hóspedes mais jovens. Apenas a telefonia celular deixa a desejar, "mas esse problema está em todo lugar", comenta a administradora do hotel, Irmã Maria Oliva. Fonte: Diário do Nordeste Foto: Alex Pimentel Leia mais...

ENGENHARIA GENÉTICA E MORALIDADE

A engenharia genética é um conjunto de técnicas que envolvem a manipulação de genes de um determinado organismo. Esta manipulação geralmente se dá de forma artificial. Ela envolve duplicação, transferência e isolamento de genes, com o objetivo de produzir organismos geneticamente melhorados para desempenharem melhor suas funções e produzir substâncias úteis ao homem. Nos últimos anos houve enormes avanços no campo da engenharia genética. Obviamente, trocar um gene defeituoso por outro, saudável, e curar uma doença é algo louvável. Porém, se a modificação genética fosse feita somente para tornar o ser humano mais forte como, por exemplo, em atletas para aumentar sua competitividade ou para um ser humano ficar mais bonito com olhos azuis ou maior força física etc., sem razão médica, há perguntas importantes a serem respondidas. Porque talvez estamos entrando na área da eugenia. A ambição da eugenia é usar a ciência para controlar a natureza humana até para fins considerados bons, para aumentar nossa eficiência. O nazismo de Adolf Hitler usou a eugenia para mostrar que a raça alemã era superior a outras raças, por isso, segregava negros, judeus e ciganos que mais tarde foram mortos no Holocausto. Pela sua natureza, o desenvolvimento da engenharia genética convive com problemas legais e éticos. Um dos principais fatores que exigem um controle rígido pela sociedade organizada, e que tem gerado polêmicas ético-morais, é a manipulação do genoma de seres vivos com fins eugênicos, ou seja, a de depuração da espécie. Outro caso é a retirada de células-tronco de embriões humanos, principalmente condenada por religiões cristãs, que consideraram o ato uma agressão à vida. A escolha dos melhores embriões, a escolha do sexo do filho, o aborto porque o feto tem defeitos físicos, a esterilização por motivos de raça ou debilidade mental etc. tudo isso é influenciado pela engenharia genética e tem fortes tendências eugenicas. Grandes cientistas criticam a manipulação do material genético sem finalidade médica. Nesta área a moral católica condena os seguintes casos: a) o aborto em si por qualquer motivo e especificamente o aborto quando o feto tem defeito físico ou mental, ou tem o sexo não desejado; b) os vários tipos de inseminação artificial; c) a fecundação “in vitro”; d) laqueadura das trompas (provavelmente lícito em certos casos graves); e) eutanásia; e f) distanásia. Há cientistas que nos alertam para os riscos de se querer controlar a natureza humana. Acredito que o conhecimento científico seja irrestrito, mas argumento que seu uso social deve ser bem regulado. Pe. Dr. Brendan Coleman c Donald, Redentorista.

SEMINÁRIO DEBATE RELAÇÃO ENTRE ESTADO E ORGANIZAÇÕES RELIGIOSAS

O Coletivo Inter-religioso para a relação Estado e Sociedade, resultado do primeiro seminário realizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em novembro de 2012, promoverá mais um debate sobre o Estado e a atuação social das organizações religiosas. Fonte: CNBB Leia mais...

TRÍDUO E JANTAR BENEFICENTE NO SEMINÁRIO PROPEDÊUTICO

De 24 a 26 de outubro, o Seminário Propedêutico realizará um Tríduo em homenagem a S. João Maria Vianney. O dia do Santo em questão é em agosto, mas devido à festa da Paróquia ao lado, que também é em agosto, foi feita essa transferência para o encerramento do Mês das Missões. Todos os recursos adquiridos nesses três dias, especialmente, no Jantar Beneficente, serão revestidos em favor das reformas na estrutura do Seminário Propedêutico. Programação: 24/10 - 19h - Santa Missa seguida de Quermesse Presidente da Celebração: Pe. Rafhael (ou Padre convidado) Local: Capela e Pátio do Seminário Propedêutico Rua Prof. Paulo Lopes, 122 Henrique Jorge 25/10 - 19h - Santa Missa seguida de Quermesse Presidente da Celebração: Pe. Roberto (ou Padre convidado) Local: Capela e Pátio do Seminário Propedêutico Rua Prof. Paulo Lopes, 122 Henrique Jorge 26/10 - 19h - Santa Missa seguida de JANTAR BENEFICENTE com música ao vivo (R$ 10,00) Presidente da Celebração: Pe. Rafhael Local: Missa: Capela do Seminário Propedêutico Jantar: Quadra da Paróquia (ao lado do Seminário) Rua Prof. Paulo Lopes, 122 Henrique Jorge Os ingressos do Jantar Beneficente podem ser adquiridos com os Padres e Seminaristas do Propedêutico: 3290.1045/ 3290.7694 PARTICIPE Informações do Pe. Rafhael.

SHOW DO CANTOR ZÉ VICENTE NO CONJUNTO PALMEIRAS

Acontece no dia 1º de outubro, às 20h30, na Igreja Matriz de São Francisco, no Conjunto Palmeiras, Show do Cantor Zé Vicente. Essa apresentação faz parte da programação dos festejos do padroeiro São Francisco. Pe. Valber, pároco do Conjunto Palmeiras, convida todos os fiéis a participarem deste momento. Informações pelo telefone (85) 3269 3032 ou 8733 0005 na Secretaria Paroquial.

HORÁRIO DE MISSAS

Paróquia São Vicente de Paulo, à Avenida Desembargador Moreira, 2211, no bairro Dionísio Torres, em Fortaleza. *Diariamente: 6h30 e 17h30 * De 3ª a 6ª: 11h30 e 19 horas *Sábado: 6h30, 12 horas e 17h30 * Domingo: 6h30, 8h30, 11h30, 17h30 e 19h30 Comunidade Face de Cristo, à Rua Edmilson Barros de Oliveira, 191, no bairro Cocó, em Fortaleza * De segunda à sexta-feira: 7 horas. * Domingo: às 8 e 18h30 Paróquia São João Eudes: Na Igreja Menino Deus, à Rua Jaime Leonel, s/n, no bairro Luciano Cavalcante * Às 3ªs e 5ªs feiras, às 19 horas * Domingo: às 7 e 19 horas. Na Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, à rua Albert Sabin, s/n, no bairro Cocó/Guararapes. * Às 4ªs e 6ªs feiras, às 19 horas. Meia hora antes, nas 6ªs feiras, às 18h30, Adoração ao Santíssimo Sacramento. * Domingo: às 9 e 18h30. Paróquia Nossa Senhora da Assunção (Santuário), no bairro Barra do Ceará * De terça-feira a sábado, as 6 e 19horas. *Domingo : às 7, 9, 17, 18h30 e 20horas. Paróquia Nossa Senhora Aparecida, à Avenida Gomes de Matos, no bairro Montese. *De 2ª à sexta-feiras, às 18h30, exceto nas terças-feiras. *Domingo: às 7, 9,17 e 19 horas;*Nos dias 12, Missa em honra a Nossa Senhora Aparecida; dia 13, Nossa Senhora de Fátima, e dia19, Santo Expedito. E toda 1ª terça-feira do mês, Missa de Cura. Paróquia do Coração de Jesus, no Centro de Fortaleza, na Praça do Coração de Jesus. *Diariamente, de segunda-feira a domingo, às 7 horas. * Domingo: às 7,8,30, 16 e 18 horas. Paróquia de Cristo Rei, à Rua Nogueira Acioli, 263, na Aldeota. De segunda-feira à sexta-feira, às 6h30 e às 17 horas Sábado, às 6h30, 17 e 19 horas. Domingo, 6h30, 9, 11, 17 e 19 horas Últimas terças-feiras: “Noite da Misericórdia”. Observação: não há missa das 17 horas. Dia 13 – Missa Mariana: às 12 horas, na Igreja Matriz e às 18 horas, na Praça Ceart. Paróquia Nossa Senhora do Carmo, na Avenida Duque de Caxias, no Centro de Fortaleza Domingo, às 8, 10, 17 e 18h30 Sábado, às 7h30, 17h30 e 17h30 De 3ª A 6ª feira, às 7h30 e 17 horas. Paróquia de Santa Luzia, Rua Tenente Benévolo esquina com Rua Antônio Augusto Diàriamente, às 17 horas Sábado, às 17 e 19 horas. Domingo, às 8, 10 (missa das crianças), 17 e 19 horas (missa dos jovens) Todo dia 13 de cada mês, missa às 12 horas, em honra a Nossa Senhora de Fátima. Paróquia de São Gonçalo do Amarante, a 57 quilômetros distante de Fortaleza De terça-feira à sexta-feira, às 18 horas. Domingo, às 19 horas. Igreja Matriz de São José - Lagoa Redonda (Avenida Recreio, 1815) - Sábado, 19h30 - Domingo, 7 e 20 horas Capela de Santa Edwiges, Conjunto Curió Lagoa Redonda (Rua Isabel Ferreira, 1001) - Domingo às 8 horas Igreja dos Remédios – Benfica – na Avenida da Universidade - Às segundas e quartas-feiras, às 6h30m. - Às terças, quintas e sextas-feiras, às 17h30min. - Aos sábados – 15h30min e 17 horas. - Aos domingos, às 7, 17 e 19 horas. - Domingos, ás 9horas, Missa com crianças (exceto no 1. domingo de cada mês, dia dos batizados) - No primeiro sábado, missa pela saúde e todo o dia 13, às 12 horas, celebração em honra a Nossa Senhora. Mais informações pelo telefone (85) 3223.5644." Envie-nos os horários de Missa de sua Paróquia ou Comunidade para o e-mail vaivém@secrel.com.br para que sejam divulgados no Blog.

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE

Reflexão Pessoal – 1ª. Leitura – Amós 6, 1.4-7 “mensagem de solidariedade” Esta palavra precisa cair na terra do nosso coração como uma semente que deve florescer e frutificar a fim de que possamos mudar a nossa mentalidade, hábitos e costumes na medida em que ela se adéqua à realidade da nossa vida. O profeta Amós prognostica contra sobre os ricos “despreocupados”, ou seja, aqueles que se sentem seguros nas suas riquezas materiais, que usufruem de muitos bens, se divertem, bebem e comem do bom e do melhor, se perfumam, cantam, brincam, e não se preocupam com a ruína dos “José” que existem perto deles. Podemos até imaginar que a mensagem dessa leitura não nos atinge, porque não temos muitos bens e, por isso, não nos excedemos visto não possuirmos condições. A principal mensagem dessa exortação de Amós, porém, é referente à nossa despreocupação em relação ao nosso próximo a quem desconhecemos, por isso, o ignoramos, tão preocupados que estamos com a nossa vidinha já tão cheia de apelos. No entanto, mesmo que tenhamos pouco necessitamos nos conscientizar de que poderá haver ao nosso lado ou muito perto de nós alguém que possui menos ainda e que vive na indigência e na miséria. De qualquer maneira, tendo muito ou pouco, o que importa é o nosso reconhecimento de que o que possuímos está nas mãos de Deus que nos concedeu a vida e os bens a fim de que sejamos solidários uns com os outros. Deus nos colocou no mundo, nos deu oportunidades de prosperar, determinou-nos uma época e um número de dias, deu-nos domínio sobre tudo o que está na terra, mas impôs a cada um de nós, deveres para com o nosso próximo. Por isso, não fujamos da nossa responsabilidade e acolhamos a Palavra de hoje como semente fértil na terra do nosso coração. – Como você tem vivido com os bens que Deus lhe concedeu: saúde, trabalho, inteligência, dinheiro? - Existe alguém perto de você a quem faltam essas coisas? – Como você tem olhado para essas pessoas? – Salmo 145 – “Bendize, minha alma, e louva ao Senhor!” O salmista também nos direciona a percebermos que Deus fará justiça àqueles que vivem oprimidos, aos que hoje estão famintos e cativos das situações do mundo. Na Sua justiça, porém o Senhor confundirá o caminho dos que são maus, isto é, os que desconhecem àqueles que são provados pela vida. Por isso, ele se refere à viúva e ao órfão como símbolo dos que são desamparados aqui na terra. Para que nós possamos bendizer ao Senhor, portanto, nós precisamos repensar a nossa vida e os nossos critérios em relação aos nossos irmãos mais carentes e nos tornarmos justos aos olhos de Deus. 2ª. Leitura 1 Timóteo 6, 11-16 –“ as propostas da Palavra de Deus” A todos nós que desejamos ser “homens e mulheres de Deus” São Paulo aconselha a fugir das coisas perversas, isto é, de tudo o que nos desvia dos caminhos do Senhor. Dessa maneira, ele nos recomenda a procurar a justiça, que é a vontade de Deus; a piedade, que é a amizade com Deus e com os irmãos; a fé, que é a confiança e dependência de Deus; o amor que é a essência da Lei de Deus; a firmeza e a mansidão que são frutos do Espírito Santo de Deus em nós. Munidos desses atributos, nós poderemos combater o bom combate da fé e assim conquistar a vida eterna que nos foi prometida pelo Pai e alcançada por Jesus Cristo. Foi diante de Pôncio Pilatos que Jesus deu testemunho da verdade de Deus, com firmeza e convicção de que estava fazendo a vontade do Pai. Por isso, São Paulo nos exorta, assim como fez a Timóteo, a que nós também, como Jesus, saibamos dar um bom testemunho da Sua verdade, assumindo o nosso mandato, isto é, a nossa missão até a Sua manifestação gloriosa. Isso significa que o tempo em que estamos vivendo é propício para que ponhamos em prática tudo o que nos é proposto pela verdade da Palavra de Deus, esperando o tempo oportuno em que nós também, habitaremos com Cristo numa luz inacessível, que nenhum homem viu nem pode ver. É a vida eterna em plenitude que nos foi prometida pelo Pai e que Jesus Cristo conquistou para que a vivamos um dia. – Você tem sido fiel ao seu chamado para ser homem e mulher de Deus? – Você tem combatido o bom combate da fé? – Você espera a manifestação de Jesus Cristo em Sua glória? – Você fica feliz quando pensa nisso? Evangelho – Lucas 16,19-31 – “A partilha é uma necessidade da nossa alma” Aqui na terra nós recebemos de Deus as condições para nos apropriarmos dos “terrenos lá do céu”, no entanto, para que isso aconteça há uma condição imprescindível: a que partilhemos os nossos bens e os dons que possuímos nos nossos “terrenos aqui da terra” com os outros moradores que não receberam o mesmo que nós. Por isso, neste Evangelho Jesus conta a parábola do rico “Epulão e do pobre Lázaro denunciando a ordem injusta que faz o homem viver desligado de seu destino eterno, por causa das suas atitudes, que se baseiam apenas no interesse pessoal e na riqueza. Com efeito, Jesus faz um apelo de conversão a todos nós, ricos ou pobres e nos dá uma amostra do julgamento de Deus. Diante disso, nós podemos nos questionar: Será que o rico não poderá ser feliz no céu, assim como o pobre? Podemos entender, que o rico avarento não ficará sem um justo julgamento, não tanto pela riqueza em si, mas pelo desprezo ao pobre que lhe mendigava o pão para saciar sua fome. A avareza, o luxo, o supérfluo de uns continuam favorecendo a miséria, a nudez e a carência de outros e, enquanto uns têm demais outros nada possuem. Todavia, ninguém é tão pobre que não possua algo para dar nem tão rico que se baste a si mesmo e não necessite partilhar com alguém a sua riqueza. A partilha é uma necessidade da nossa alma e uma questão de sobrevivência. Há uma lei natural que rege os nossos relacionamentos aqui na terra: é dando que se recebe, é no esquecimento de nós mesmos (as) que nos encontramos e somos felizes. Consequentemente, se não seguirmos essa lei enquanto aqui vivemos, com certeza, na outra vida estaremos como o rico da parábola, recebendo a recompensa prevista por Jesus no Evangelho. Para nós, hoje, não existem somente a Lei e os Profetas para nos abrir os olhos, mas o próprio Filho de Deus é quem nos adverte: ser rico não é ser mal. Ser mal é querer tudo somente para si e esquecer-se de quem não tem nada material, mas tem um coração agradecido pelo que receber. – Qual é o seu conceito de justiça? - Quais os bens que você tem recebido na vida? – Você tem partilhado com alguém o que possui? – Será que existe algum Lázaro na sua porta que precisa de um pouquinho do que você tem? – Pense nisso! Helena Serpa, Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

EVANGELHO DO DIA

Lucas 16,19-31 Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas. Glória a vós, Senhor! Naquele tempo, Jesus disse aos fariseus: “19Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.20Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. 21Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico.E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.22Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado.23Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado.24Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim!Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.25Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te que tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. 26E, além disso, há um grande abismo entre nós; por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.27O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, 28porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’.29Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem!’ 30O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’.31Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos’”. Palavra da Salvação.

REFLETINDO SOBRE O EVANGELHO

Lucas 16,19-31 Vigésimo Sexto Domingo Em Lucas (16, 19-31) encontramos a parábola do rico e do pobre Lázaro. O rico, sem nome na parábola, é conhecido por Epulão, por sua vida na comilança e na bebedeira. O pobre Lázaro (Eleazar e Eliezer), em hebraico, significa “Deus ajuda”. Lázaro ferido no corpo e na dignidade, verdadeiro excluído, encontra solidariedade em Deus. Durante muito tempo, pensou-se que esta parábola era uma espécie de geografia do inferno. É uma análise psicológica dos sentimentos de pessoas complicadas. A parábola é um convite ao discernimento: é dirigida a todos nós, pobres e ricos. O rico não se condena pelo simples fato de ser rico, mas porque não teme a Deus, porque se nega a compartilhar o que é seu com o pobre que está morrendo de fome. O pobre se salva não pelo fato de ser pobre, mas porque está aberto à graça de Deus e espera a salvação, provinda de quem faz justiça aos oprimidos e dá pão aos famintos (Cf. Salmo 145). Ao refletir sobre esta parábola, corre-se o perigo de se crer que ela é dirigida somente aos ricos a quem todos condenam; no entanto, a parábola é dirigida a todos nós, ricos e pobres, pedindo conversão, amor e solidariedade. A riqueza em si não é pecado. O pecado está, muitas vezes, no modo de adquiri-la e, freqüentemente, no modo de usá-la, como quando ela se torna instrumento de vaidade, de ostentação e de exploração dos outros. Alguém usou uma comparação muito apropriada. O dinheiro é como um fertilizante: acumulado, não traz nenhum proveito; pelo contrário, torna-se prejudicial e agressivo; espalhado no solo, é extremamente benéfico: Fertiliza a terra e a cobre de frutos. Que o homem nunca se torne servo do dinheiro, mas saiba fazer dele sempre um servo obediente e prestimoso, fonte de harmonia e de paz. Celebramos hoje, em todo o Brasil o Dia da Bíblia. Foi escolhido este dia (30 de setembro), em memória de São Jerônimo, que dedicou toda a sua vida ao seu estudo e tradução. Por determinação dos Bispos do Brasil, celebra-se, nessa data, o Dia da Bíblia ou no último domingo de setembro. Neste dia, o Senhor Jesus quer abrir os nossos ouvidos e o nosso coração para acolher a palavra “viva e eficaz”, que é caminho e luz para a humanidade. Pe. Raimundo Neto. Pároco de São Vicente de Paulo

SANTO DO DIA - SÃO MIGUEL,SÃO GABRIEL SÃO RAFAEL

Com alegria, comemoramos a festa de três Arcanjos neste dia: Miguel, Gabriel e Rafael. A Igreja Católica, guiada pelo Espírito Santo, herdou do Antigo Testamento a devoção a estes amigos, protetores e intercessores que do Céu vêm em nosso socorro pois, como São Paulo, vivemos num constante bom combate. A palavra “Arcanjo” significa “Anjo principal”. E a palavra “Anjo”, por sua vez, significa “mensageiro”. São Miguel O nome do Arcanjo Miguel possui um revelador significado em hebraico: “Quem como Deus”. Segundo a Bíblia, ele é um dos sete espíritos assistentes ao Trono do Altíssimo, portanto, um dos grandes príncipes do Céu e ministro de Deus. No Antigo Testamento o profeta Daniel chama São Miguel de príncipe protetor dos judeus, enquanto que, no Novo Testamento ele é o protetor dos filhos de Deus e de sua Igreja, já que até a segunda vinda do Senhor estaremos em luta espiritual contra os vencidos, que querem nos fazer perdedores também. “Houve então um combate no Céu: Miguel e seus anjos combateram contra o dragão. Também o dragão combateu, junto com seus anjos, mas não conseguiu vencer e não se encontrou mais lugar para eles no Céu”. (Apocalipse 12,7-8) São Gabriel O nome deste Arcanjo, citado duas vezes nas profecias de Daniel, significa “Força de Deus” ou “Deus é a minha proteção”. É muito conhecido devido a sua singular missão de mensageiro, uma vez que foi ele quem anunciou o nascimento de João Batista e, principalmente, anunciou o maior fato histórico: “No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré… O anjo veio à presença de Maria e disse-lhe: ‘Alegra-te, ó tu que tens o favor de Deus’…” a partir daí, São Lucas narra no primeiro capítulo do seu Evangelho como se deu a Encarnação. São Rafael Um dos sete espíritos que assistem ao Trono de Deus. Rafael aparece no Antigo Testamento no livro de Tobit. Este arcanjo de nome “Deus curou” ou “Medicina de Deus”, restituiu à vista do piedoso Tobit e nos demonstra que a sua presença, bem como a de Miguel e Gabriel, é discreta, porém, amiga e importante. “Tobias foi à procura de alguém que o pudesse acompanhar e conhecesse bem o caminho. Ao sair, encontrou o anjo Rafael, em pé diante dele, mas não suspeitou que fosse um anjo de Deus” (Tob 5,4). São Miguel, São Gabriel e São Rafael, rogai por nós!

sábado, 28 de setembro de 2013

ENCERRADOS OS FESTEJOS EM HONRA A SÃO VICENTE DE PAULOE MISSA

Com um dia bastante movimentado, com missas, que começaram a ser celebradas às 6h30, distribuição de cestas básicos aos idosos e procissão, que percorreu ruas e avenidas da Paróquia, ficaram encerrados, ontem, à noite, os festejos em honra a São Vicente de Paulo, "um homem que se preocupou muito com o social", comentou o padre Raimundo Nonato de Oliveira Neto, Pe. Neto. MISSA A celebração eucarística teve início dentro do horário previsto - 19 horas - presidida pelo padre Fernando Cabral, vigário da Arquidiocese de Fortaleza e coordenador da Região São José, que fez rasgados elogios ao padre Neto, pelo trabalho que vem desenvolvendo na Paroquia São Vicente de Paulo. "Trata-se de um profundo conhecedor das coisas não só da sua como de outras paróquias e da Arquidiocese de Fortaleza". Participaram ainda da celebração os padres Luís Gonzaga, Chagas, Guilherme e Vicente.
QUEM FOI O padre Neto começou a sua homília agradecendo ao padre Cabral, "que está me dando a oportunidade de fazer essa homília" e prosseguiu dizendo quem foi São Vicente de Paulo, que viveu no XVII, numa época de guerra na França e que enfrentou grandes problemas, mas também foi um tempo de muita efervescência cultural e de muita miséria", disse o pároco Neto, que acrescentou: "São Vicente foi um pároco exemplar,denominado de o "Santo da Ação Social', porque se ppreocupou muito com os mais humildades" finalizou.
PROCISSÃO
Depois da missa, os fiéis, especialmente os devotos de São Vicente, participaram de uma procissão, que começou em frente à Igreja Matriz, prosseguindo pela rua Dom Expedito Lopes, Visconde de Mauá, Tertuliano Potiguara e Avenida Desembargador Moreira. No final, um momento de confraternização no salão paroquial, que fica ao lado da Igreja de São Vicente de Paulo.

100 MIL AGUARDAM O PAPA EM ASSIS

Assis (RV) – “Francisco encontra São Francisco”, um evento histórico: mais de 100 mil peregrinos estarão na cidade de Assis, sexta-feira, 04, aguardando o Papa. 12 mil jovens acompanharão a jornada na Praça de Santa Maria dos Anjos; mais de 200 voluntários ajudam na organização e 9 telões devem ainda ser montados. Mais de mil jornalistas de 14 países estão credenciados para cobrir a visita. Segundo Frei Enzo Fortunato, diretor da Sala de Imprensa do Convento de Assis, dezenas de trupes televisivas já estão na cidade em busca da melhor posição para suas câmeras. Enquanto isso, os dois telões instalados diante da Basílica Superior e de Santa Maria dos Anjos passam vídeos das oito vezes em que Papa Francisco citou o Santo de Assis. Até o dia 2 de outubro, às 17h40, os bispos da região fazem a tradicional Novena com procissão, celebração eucarística e oração pelo Papa, em preparação para a festa do Padroeiro da Itália de quem o Pontífice tomou o nome e os ideais de pobreza, paz e defesa da Criação. Por ocasião da visita, a Província dos Frades Menores da Úmbria lançou no site www.porziuncola.org a iniciativa “Uma mensagem para o Papa”, que até o dia 1º, oferece a possibilidade de enviar uma mensagem ao Pontífice. Todas as mensagens serão impressas e entregues diretamente a Francisco, que poderá eventualmente respondê-las. (CM)

O PAPA FRANCISCO À GENDARMERIA: "DEFENDEI O VATICANO DAS INTRIGAS

Junto à Gruta de Lourdes nos Jardins do Vaticano, o Papa Francisco celebrou esta manhã por volta das 9 horas (hora de Roma) uma Eucaristia com a Gendarmeria do Vaticano. Na homilia o Santo Padre afirmou serem os gendarmes muito importantes para a defesa da cidade contra os ladrões e os delinquentes. Contudo, seguros de que Napoleão não voltará e dificilmente um exército voltará para invadir a Cidade do Vaticano, o Papa Francisco considerou existir uma guerra em curso para a qual todos devem estar preparados: é a guerra da escuridão contra a luz e da noite contra o dia: “..Mas Napoleão não voltará, eh? Foi-se embora. E não é fácil que venha um exército aqui a tomar a cidade. A guerra hoje é a guerra da escuridão contra a luz; da noite contra a o dia.” Desta forma, o Papa Francisco pediu à Gendarmeria Vaticana que não seja só a guarda das portas e janelas do Vaticano mas sejam guardas das portas do coração, resistindo ao diabo que atenta contra a unidade através das intrigas e que anda à procura de uma guerra interna, uma espécie de guerra espiritual: “O diabo tenta criar a guerra interna, uma espécie de guerra civil e espiritual, não? È uma guerra que não se faz com as armas que nós conhecemos: faz-se com a língua.” (RS) Fonte: Rádio Vaticano

PEDIR A GRAÇA DE NÃO ESCAPAR À CRUZ - O PAPA NA MISSA DESTE SÁBADO EM SANTA MARTA

Na homilia desta manhã na Missa em Santa Marta, partindo da Leitura do Evangelho, proposta pela liturgia deste dia, em que Jesus anuncia a sua Paixão, o Santo Padre afirma que as palavras de Jesus gelaram os discípulos. Estes provavelmente esperavam um caminho triunfante e tinham medo de colocar perguntas:“Tinham medo da Cruz. O próprio Pedro, depois daquela confissão solene na região de Cesareia, quando mais uma vez chama a atenção do Senhor: Não, nunca Senhor! Isto não! Tinha medo da Cruz. Mas não só os discípulos, também Jesus tinha medo da Cruz! Ele não podia enganar-se, Ele sabia. Tanto era o medo de Jesus que naquela noite de quinta-feira suou sangue; tanto era o medo de Jesus que quase dizia o mesmo que Pedro, quase...’Pai afasta de mim este cálice...Mas faça-se a Tua vontade.’ Esta era a diferença!” A Cruz faz-nos medo mesmo nas obras de evangelização. E o Papa Francisco recordou que não há redenção sem a efusão de sangue, não há obra apostólica fecunda sem a Cruz:“Talvez nós pensamos, cada um de nós pensará: E a mim o que acontecerá? Como será a minha Cruz? Não sabemos. Não sabemos, mas haverá! Devemos pedir a graça de não escapar à Cruz quando ela vier: com medo, eh! Isso é verdade! Aquilo faz-nos medo. Mas a sequela de Jesus termina aí. Vêm-me à mente as últimas palavras que Jesus disse a Pedro, naquela coroação pontifícia no Tiberiades: Amas-me! Paz!... Mas as últimas palavras eram aquelas: Vão levar-te onde tu não queres ir! A promessa da Cruz.” (RS)

RÁDIO VATICANO COMEMORA SÃO GABRIEL, PADROEIRO DOS COMUNICADORES

Cidade do Vaticano (RV) - O Presidente do Pontifício Conselho das Comunicações, Dom Claudio Maria Celli, presidiu na manhã de sábado, 28, uma missa na Capela da Anunciação, na sede da Rádio Vaticano. O arcebispo foi convidado a celebrar com os funcionários a festividade do Padroeiro, o arcanjo São Gabriel, que a Igreja recorda no dia 29 de setembro. O arcebispo Celli iniciou a homilia questionando sobre a existência dos anjos e fazendo uma reflexão baseada no Catecismo, lembrando que as Escrituras afirmam que eles são uma ‘verdade de fé’. Santo Agostinho diz que “a palavra anjo designa o ofício, não a natureza; e o nome desta natureza é o espírito”. Ainda segundo o Catecismo, “em todo o seu ser, os anjos são servidores e mensageiros de Deus; são poderosos executores das ordens de Deus, prontos a dar voz à sua Palavra”. Segundo Dom Claudio Maria Celli, esta é a referência para o nosso caminho, pois a reflexão do Catecismo tem para os comunicadores um significado ainda mais profundo, “porque somos servidores e mensageiros de Cristo e temos esta vocação como missão”. O arcebispo lembrou que o termo “vocação” vai além do profissionalismo: é uma realidade que exige uma dimensão de interioridade e um caminho pessoal muito mais profundo, pois não podemos ser simplesmente “técnicos da comunicação”. “Nosso caminho profissional exige uma contemplação mais profunda, mais rica do mistério de Deus em nossas vidas. Somente assim podemos dar realmente aquilo que nasce de nossos corações”. Em seguida, o arcebispo citou a entrevista concedida pelo Papa Francisco à revista Civiltà Cattolica, em que ele se refere à “Igreja-hospital”, que acompanha os homens e mulheres que sofrem a solidão, a dificuldade de viver, de ir avante. Disse que nós, como Rádio do Papa, devemos expressar sempre proximidade a estas pessoas. “Nossa comunicação pressupõe uma eclesiologia que o Papa nos revela continuamente: lembremos os discursos feitos no Brasil, especialmente aos bispos: a Igreja que partilha, que caminha ao lado, que está perto. Creio que este aspecto deva ser ressaltado sempre em nossos programas”, frisou o Presidente das Comunicações do Vaticano. Enfim, o arcebispo evocou Maria, a servidora da Palavra, e referindo-se à Capela da Anunciação, disse que “nosso caminho de servidores da Palavra e mensageiros de Deus deve encontrar Nela a inspiradora, aquela que nos acompanha, nos ampara; que em certos momentos nos consola, porque nem sempre é fácil entender o sentido do caminho e o sentido de nossa vocação”. (CM) Fonte: Rádio Vaticano

COMEÇA HOJE O TRÍDUO EM HOMENAGEM A SANTA TERESINHA

As monjas da Ordem da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, também conhecida como Irmãs Carmelitas, promovem hoje,dia 28; amanhã, domingo,29 e 30 de setembro, Tríduo em homenagem a Santa Teresinha. No primeiro dia,hoje,às 17 horas, a reflexão abordará o tema “Santa Teresinha e os jovens”; no segundo dia, 29 ( domingo) às 10 horas, “Santa Teresinha e as crianças; no terceiro dia, 30, às 19 horas, a abordagem será “Santa Teresinha e as Famílias”. No dia 1º de outubro, dia de Santa Teresinha, a comunidade carmelita e o povo de Deus celebrarão a Santa missa às 8 horas. O ato litúrgico será presidido pelo Bispo Auxiliar de Fortaleza, Dom Rosalvo Cordeiro de Lima. O Carmelo de Santa Teresinha está situado na Avenida Alberto Craveiro, 1680, no Dias Macedo. Informações no telefone (85) 3295.1067.

A PREPARAÇÃO PRÁTICA DA PREGAÇÃO

Coluna do Pe. Antonio Rivero, L.C., Doutor e professor de Teologia e Oratória no seminário Mater Ecclesiae de São Paulo Por Pe. Antonio Rivero, L.C. SãO PAULO, (Zenit.org) - Agora chegamos na parte operativa: como fazer na prática a pregação, seja homilia, discurso, panegírico, reflexão eucarística, meditação, etc. Estamos falando da preparação prática da pregação. Primeira dica: essa pregação não deve ser preparada na véspera. Devemos prepará-la, pelo menos, durante toda a semana. Não se faz uma homilia ou discurso; surgem, crescem, amadurecem. E todo crescimento precisa de tempo de fecundação. Uma semana ou quinze dias, mínimo. Só assim essa pregação terá o perfume da intimidade com Deus e a preparação consciente e séria. É preciso dedicar um bom tempo na semana para ler as leituras do domingo ou festa correspondente; ler também alguns comentários às leituras; ver quais problemas da vida cristã e humana dos meus paroquianos são afetados por essas leituras. Qual o método? Depende muito dos humores e talentos pessoais e das várias circunstâncias. É bom fixar por escrito as ideais e pontos de vista que forem surgindo ao longo da preparação, porque o que não se escreve se esquece. E, acima de tudo, é preciso olhar para o objetivo dessa pregação: o que quero conseguir com esta pregação? Explicar, persuadir, motivar, demonstrar, emocionar, convencer? Como fazer: partir do texto bíblico para o hoje, ou partir do hoje para ir ao texto bíblico e voltar ao hoje? Alguns preferem partir do texto bíblico e, em seguida, aplicá-lo ao hoje. É bom e lógico. Outros preferem partir do hoje para ver se esse texto bíblico ilumina esse hoje. É o método indutivo seguido pela Gaudium et Spes do Vaticano II. Este método é psicologicamente mais eficaz hoje em dia, porque o ouvinte vem com todos os seus problemas do hoje. Seguindo esse segundo método psicológico, qual seria o esquema a ser seguido? - Motivação: o ouvinte deve ser preparado antes de apresentar os problemas e as soluções. Isto pode ser conseguido narrando uma experiência que gere interesse, um fato histórico, uma anedota bem contada, uma notícia mundial, que esteja no contexto do tema que trataremos na pregação. Dessa forma consegue-se o que os clássicos chamaram “captatio benevolentiae” do ouvinte, ou seja, que o ouvinte me escute e pegue o trem da minha pregação. Se não, facilmente se desconecta e cai. - Apresentação do problema: formula-se o problema vital que afeta o ouvinte e que exige solução. Por exemplo: “A pena de morte é um problema que preocupa a todos nós. Tenho aqui umas estatísticas horripilantes dos Estados que permitiram a pena de morte em pleno século XXI... Diante disso, o que pensa Deus, a Igreja, nossa consciência?". - Objeções ao tema: apresentam-se as dificuldades sobre, as objeções contra a fé ou contra o objetivo da pregação. São Paulo faz isso em Rm 3, 1-8. - Oferecer uma solução: o pregador apresenta uma solução adequada para o problema, com uma forma e linguagem compreensíveis, de tal forma que a questão abordada encontre aqui uma resposta. A solução tem que vir da Sagrada Escritura ou da tradição da fé, se o tema é espiritual. Ou da ciência e filosofia, se o tema é científico ou especulativo. - Reforço da solução: se dá a solução para as situações específicas. A pregação não pode terminar com generalidades. A solução tem que causar mudanças na vivência prática dos ouvintes. É um convite como resumo do que foi dito, mas que toque já a situação concreta. Nesse momento colocam-se alguns exemplos de como viver essa verdade que expliquei na solução. Continuaremos ... Caso queira se comunicar com o Padre Antonio Rivero pode fazê-lo por este e-mail:arivero@legionaries.org Trad.TS Envie a um amigo

PLANO DE SEGURANÇA DA FESTA DOS ARCANJOS

O Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU) receberá neste domingo, dia 29, a oitava edição da Festa dos Arcanjos. Os portões serão abertos às 14 horas para acolher caravanas dos vários bairros de Fortaleza, Região Metropolitana e interior do estado. A organização do evento informou que a entrada pela Dedé Brasil fica reservada para os ônibus, topics e vans; pela Av. Alberto Craveiro é preferencial para veículos de passeio. Público a pé poderá entrar pelas duas entradas. Haverá estacionamento para 3 veículos no entorno na arena principal do evento. Ambulância com socorristas, 40 seguranças particulares, efetivo de 20 homens da Polícia Militar garantirão a segurança da Festa que tem entrada franca e início às 15h. Mais de mil voluntários estão escalados para os diversos serviços de atendimento aos participantes que terão um amplo espaço de 40.000 m². Pela experiência dos anos anteriores a organização percebe que o público celebra os arcanjos mesmo sob o forte sol, mas lembra alguns cuidados importantes como o uso do protetor solar ou uso de “sombrinhas”. Oração pela Paz no Estado Estão confirmadas 60 caravanas de diversos bairros de Fortaleza, Região Metropolitana e interior do estado. Na programação, destaque para o Momento Mariano. “Ele acontecerá às 18 horas e faremos uma forte súplica pela Paz em nosso estado. Pedimos que os representantes dos municípios levem as bandeiras de suas cidades. Para nos ajudar neste momento de oração, o cantor Paulo José entoará a Ave-Maria”, explicou Padre Antonio Furtado, organizador da festa. Ítalo e Renno são atrações da Festa “Ítalo e Renno são dois artistas que representam bem o nosso estado. São também artistas com raízes católicas e estarão na Festa dos Arcanjos nos ajudando a rezar através da música”, disse o sacerdote organizador da Festa. No repertório da dupla, destaque para a canção “Oração de Francisco”. “Será uma homenagem ao santo tão querido dos cearenses e que está sendo festejado em Canindé e também uma forma de agradecer pelo Papa Francisco”, disse Pedro Davi, coordenador da divulgação do evento. SERVIÇO Festa dos Arcanjos Data: 29/09/2013 Local: Condomínio Espiritual Uirapuru – CEU (Av. Alberto Craveiro, 2222, Dias Macedo). Horário: Das 15h às 21h (Celebração Eucarística pelos enfermos às 18h) Participações: Padre Antonio Furtado, Marcelo Braga, Paulo José, Italo e Renno, Ministério de Música Shalom. Informações: 3261.4444 Mais informações: 8172.3283 | 8894.3283 Assessoria de Imprensa: 8172.3283 (Vanderlúcio Souza)

PASTORAIS SOCIAIS, CEBs E ORGANISMOS ESTUDAM A 5ª URGÊNCIA

Amanhã, domingo, dia 29, no Centro de Pastoral Maria Mãe da Igreja, no Centro de Fortaleza, as Pastorais Sociais, CEBs e Organismos estudarão a 5ª Urgência. O assessor do estudo será o padre Luis Sartorel. A 5ª Urgência, que se refere às consequências sociais, como também ao trabalho para a vida plena para todos está nas Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 – 2015. A fé no Deus da vida nos leva a valorizar, defender e amar a vida em todas as suas expressões, mas, de maneira especial, a vida humana. Informações com Sinval [85] 8643.4074 ou Francisca Nobre [85] 8599.3109 Fonte: Site da Arquidiocese de Fortaleza

ARCEBISPO MAMBERTI: "É HORA DE ELIMINAR ARMAS NUCLEARES DO PLANETA"

Nova York (RV) - "A eliminação completa das armas nucleares é essencial para remover o perigo de uma guerra nuclear, objetivo ao qual devemos dar a máxima prioridade": foi o que afirmou na sede da ONU, em Nova York, o secretário das Relações com os Estados, Dom Dominique Mamberti, durante o Encontro de alto nível da Assembléia Geral das Nações Unidas sobre o desarmamento nuclear. "A preocupação pela proliferação das armas nucleares em outros países – disse de modo muito claro o representante vaticano – se mostrará vazia enquanto outros Estados detentores de armas nucleares permanecerem apegados às próprias armas." Cinco anos atrás, o secretário-geral apresentara um plano em cinco pontos para o desarmamento nuclear. "É chegada a hora de dar a esse plano a séria atenção que merece", para que o mundo possa ir além "das tétricas doutrinas da destruição recíproca certa". "Agora é imperativo – prosseguiu Dom Mamberti – que afrontemos de modo sistemático e coerente os requisitos legais, políticos e técnicos para um mundo livre de armas nucleares" iniciando o quanto antes o trabalho preparatório para uma Convenção sobre a eliminação "gradual e verificável" das armas nucleares. Mas "o obstáculo principal no início destes trabalhos – afirmou – é a persistente adesão à doutrina da dissuasão nuclear. Com o fim da guerra fria, os tempos em que essa doutrina podia ser aceita estão superados". "A Santa Sé não admite o prosseguimento da dissuasão nuclear, porque é evidente que está favorecendo o desenvolvimento de armas sempre mais novas, impedindo assim um autêntico desarmamento nuclear." Em seguida, o secretário vaticano das Relações com os Estados afirmou que não se pode justificar a continuação de uma política de dissuasão nuclear permanente, dada a perda de recursos humanos, financeiros e materiais num tempo em que escasseiam fundos para a saúde, a educação e os serviços sociais no mundo inteiro, e diante das atuais ameaças à segurança humana, como a pobreza, as mudanças climáticas, o terrorismo e os crimes transnacionais. Tudo isso deveria fazer-nos refletir sobre a dimensão ética e a legitimidade moral da produção das armas nucleares, de sua elaboração, desenvolvimento, acúmulo e uso, bem como da ameaça de usá-las. "Devemos evidenciar novamente – ressaltou ainda – que as doutrinas militares baseadas nas armas nucleares como instrumento de segurança e de defesa de um grupo de elite, numa exibição de poder e supremacia, retardam e colocam em grave perigo o desarmamento nuclear e de não-proliferação." "É hora de contrastar a lógica do medo com a ética da responsabilidade alimentando um clima de confiança e de diálogo sincero, capaz de promover uma cultura de paz, fundada no primado do direito e do bem comum, através da cooperação coerente e responsável de todos os membros da comunidade internacional" – concluiu Dom Mamberti. (RL) Fonte: Rádio Vaticano

REFLEXÕES SOBRE AS LEITURAS DE HOJE

Reflexão Pessoal – 1a. Leitura – Zacarias - 2,5-9.14-15 – “um motivo de grande alegria Somos hoje a Jerusalém, que precisa estar livre, aberta, de modo que o próprio Deus seja uma muralha de fogo a nos proteger e nos guardar. Assim como o Senhor mandou o mensageiro para derrubar as muralhas que limitavam Jerusalém e deixavam o Seu povo preso, Ele também nos convida a deixar cair todo e qualquer obstáculo que possa nos limitar e impedir que nos apossemos do Seu Amor e consequentemente, da Sua glória. Ele deseja fazer de nós um povo livre, de coração aberto, a fim de que o Espírito Santo manifeste em nós a Sua glória e o Seu poder. Este é, portanto, um motivo de grande alegria! O Senhor promete e cumpre! “ eis que venho para habitar no meio de ti” e “mostrarei a minha glória!” Somente sob a ação do Espírito Santo nós podemos resplandecer a alegria de ser possessão de Deus e, de tal modo, atrair para Si, muitas pessoas que ainda se encontram prisioneiras do medo, da desesperança, apegadas a si mesmo e ao que possuem, sem ter a chance de dar um passo à frente amarradas a tais realidades. Que todos nós possamos fazer uma reflexão sobre a atual contingência da nossa vida para verificar quais são as barreiras que nos impedem de sentir a presença do Espírito Santo. – Você sente a presença do Espírito Santo de Deus no seu coração? – Você se sente amada por Deus? - Você sente-se preso (a) por alguma muralha? Qual? - O que você tem feito para sair desta prisão? O que pode estar lhe prendendo? Salmo – Jeremias 31- “O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho” O salmista canta com alegria a expectativa da libertação com a certeza de que as promessas do Senhor se cumprirão. Nós também, mesmo que ainda estejamos no cativeiro e no exílio nós podemos anunciar ao mundo que o Senhor já nos remiu e somos predestinados a viver junto Dele no lugar que Ele já nos preparou. Nunca mais haverá tristeza, apenas cânticos, louvor e alegria, pois tudo terá passado e o próprio Deus será o nosso conforto após a guerra. Evangelho – Lucas 9,43-45 – “medo de conhecer para enfrentar os desafios” Diante dos acontecimentos prodigiosos que Jesus manifestava o povo ficava admirado e os discípulos de Jesus se extasiavam, embora não tivessem nenhuma consciência da verdade. No fundo, eles ainda estavam presos ao ideal de um Messias comum naquela época, um guerreiro que pudesse reconduzir o povo de Israel ao brilho de um reino humano, à semelhança dos outros reinos. No entanto, Jesus queria formá-los a fim de que percebessem que o reino dos céus era diferente do reino dos homens e, enquanto não mudassem de ideia não poderiam realizar os atos de libertação a que Jesus viera ensinar. Eles, porém, não queriam entender o que Jesus lhes advertia e tinham medo de lhe fazer perguntas. Apesar disso, Jesus continuava preparando os seus corações para o que ia lhe acontecer. Eles, porém, por não admitirem a ideia do sofrimento, os discípulos fugiam de qualquer coisa que lhes acenasse com esta realidade. Tinham medo de lhe fazer perguntas sobre o assunto e se esquivavam. Isso também acontece com cada um de nós! Quantas vezes a Palavra de Jesus também nos diz: “prestai bem atenção”, e nós, por não querermos admitir a sua mensagem, dizemos que não a entendemos. Procuramos algum subterfúgio para fugir do real significado da Palavra porque temos medo de enfrentar os desafios que Ela nos propõe. Entretanto, precisamos ter consciência de que nós também, como os apóstolos, só poderemos realizar atos de libertação se também formos libertos das nossas cadeias e impedimentos pessoais. Não tenhamos medo do conhecimento da vontade de Deus para nossa vida. Que possamos pedir ao Espírito Santo, coragem e força para assumir a Palavra de Deus que nos liberta e tira as nossas limitações. - Em que você tem evitado se aprofundar com medo de sofrer? - Há alguma coisa que você terá que enfrentar e não quer nem pensar? - A Palavra de Deus também deixa você apavorado (a)? – Por quê? - Você não quer enfrentar o desafio de, com Jesus, procurar descobrir um caminho para a sua dúvida? Faça a experiência e você verá que depois todo o medo terá passado. Helena Serpa, Fundadora da Comunidade Missionária Um Novo Caminho

EVANGELHO DO DIA

Lucas 9,43b-45 Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas. Glória a vós, Senhor.Naquele tempo, 43todos estavam admirados com todas as coisas que Jesus fazia. Então Jesus disse a seus discípulos: 44“Prestai bem atenção às palavras que vou dizer: O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens”. 45Mas os discípulos não compreenderam o que Jesus dizia. O sentido lhes ficava escondido, de modo que não podiam entender; e eles tinham medo de fazer perguntas sobre o assunto.Palavra da Salvação.

SANTO DO DIA - SÃO VENCESLAU

O santo que nos ensina com sua opção pelo Reino de Deus e de vida constante na luta para a santidade, é o príncipe Venceslau. Sua história se entrelaça com a vida e fé da família real. Nasceu em 907. Seu pai, Vratislau, era duque da Boêmia. O pai e sua avó eram cristãos fervorosos, ao passo que sua mãe era uma pagã ambiciosa e inimiga da religião. São Venceslau foi educado pela avó (Ludmila), por isso cresceu religioso e muito caridoso para com os pobres, enquanto seu irmão educado pela mãe (Boleslau) tornou-se violento e ambicioso. Com a morte do pai e pouca idade do santo herdeiro, a mãe má intencionada assumiu o governo. Sendo assim tratou de expulsar os missionários católicos. O povo revoltado, juntamente com os nobres pressionaram o príncipe para assumir o governo e com o golpe de estado Venceslau assumiu em 925. Nos oito anos de reinado, Venceslau honrou a fama de “O príncipe santo”. Logo que assumiu o trono, tratou de construir igrejas, mandou regressar os sacerdotes exilados, abriu as fronteiras aos missionários da Suábia e da Baviera. Venceslau governou com tanta justiça e brandura que com pouco tempo conquistou o coração do povo que o amava e por ele era concretamente amado: protetor dos pobres, dos doentes, dos encarcerados, dos órfãos e viúvas. Verdadeiro pai. Este homem que muito se preocupou com a evangelização do povo a fim de introduzir todos no “sistema de Deus”, era de profunda vida espiritual mas, infelizmente, odiado pelo irmão Boleslau e pela mãe, que além de matar a piedosa sogra – educadora do santo -, concordou com a trama contra o filho. Quando nasceu o primogênito de Boleslau, São Venceslau foi convidado para um solene banquete onde foi pensando na reconciliação de sua família. Tendo saído para estar em oração, na capela real, foi apunhalado pelo irmão e pelos capangas dele. Antes de cair morto, São Venceslau pronunciou: “Em tuas mãos, ó Senhor, entrego o meu espírito”. Isto ocorreu em 929. São Venceslau, rogai por nós!

CNBB DIVULGA CARTAZ E SUBSÍDIOS DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2014: "FRATERNIDADE E TRÁFICO"

Os subsídios da Campanha da Fraternidade 2014 já estão disponíveis nas Edições CNBB. São diversos materiais como o manual, texto base, via sacra, celebrações ecumênicas, folhetos quaresmais, CD e DVD, banner, cartaz, entre outros. Com o objetivo de trabalhar os conteúdos da campanha nas escolas, for... Fonte: CNBB Leia mais...

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

COMISSÃO PARA A JUVENTUDE ENVIA CARTA AOS PADRES E RESPONSÁVEIS PELA EVANGELIZAÇÃO DOS JOVENS NO BRASIL

O presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB, dom Eduardo Pinheiro da Silva, enviou carta aos padres e responsáveis pela evangelização da juventude no Brasil. No texto, o bispo deseja que o Dia Nacional da Juventude (DNJ), a ser celebrado no final deste mês missionário, atinja o maior número possível de adolescentes e jovens. Fonte: CNBB Leia mais...

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA O CURSO À DISTÂNCIA SOBRE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2014

Tem início, no dia 30 de setembro, o Curso à distância sobre os conteúdos do Texto Base da Campanha da Fraternidade (CF) 2014, que terá como tema “Fraternidade e Tráfico Humano” e lema “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5, 1). O curso é uma novidade e conta com a supervisão da equipe executiva da CF, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O secretário executivo da CF, padre Luiz Carlos Dias, explica que o objetivo do curso é “oferecer uma nova modalidade de capacitação sobre os conteúdos da Campanha da Fraternidade e, assim, contribuir com a formação que ocorre nos regionais e em várias dioceses do Brasil”. O curso será oferecido em quatro módulos, com total de 40 horas e duração de 40 dias. Abordará especificamente o Texto Base da CF 2014, focado no método: Ver, Julgar e Agir. As unidades do curso são: 1-) O tráfico humano no contexto da globalização, com foco na mobilidade e trabalho e as formas de enfrentamento ao tráfico humano, 2-) A iluminação no Antigo e Novo Testamento, 3-) Propostas para o enfrentamento do tráfico humano e canais de denúncia e 4-) Histórico e sentido da Campanha da Fraternidade no Brasil. Durante o curso os participantes terão contato com as práticas de tráfico humano em suas várias formas, com condições de denunciar as situações de tráfico e de como agir concretamente nestes casos. “A CNBB tem buscado meios para cumprir a missão de capacitar os agentes que atuam nas pastorais para que estejam cada vez mais preparados”, destaca padre Luiz Dias. As inscrições podem ser feitas pelo site: www.solarconsultoria.com Fonte: CNBB

PAPA FRANCISCO AOS CATEQUISTAS: "SEJAM CRIATIVOS, NÃO TENHAM MEDO DE ROMPER OS ESQUEMAS PARA ANUNCIAR O EVANGELHO"

Cidade do Vaticano (RV) - O Papa encontrou na tarde desta sexta-feira, na Sala Paulo VI, os participantes do Congresso Internacional sobre a Catequese organizado no âmbito do Ano da Fé. Em seu discurso, o Pontífice ressaltou que "a catequese é um pilar para a educação da fé". "É preciso bons catequistas!", exclamou, agradecendo aos presentes por esse serviço "à Igreja e na Igreja". "Mesmo se por vezes pode ser difícil, há muito trabalha, se esforça e não se veem os resultados desejados, educar na fé é belo! Talvez seja a melhor herança que podemos dar: a fé! Educar na fé" para que cresça. Ajudar as crianças, os adolescentes, os jovens a conhecer e a amar sempre mais o Senhor é uma das aventuras educacionais mais bonitas, se constrói a Igreja! 'Ser' catequistas! Não trabalhar como catequistas, eh! – observou. Isso não serve! Eu trabalho como catequista porque gosto de ensinar... Mas se você não é catequista, não serve! Não será fecundo! Não será fecunda! "Catequista é uma vocação: 'ser catequista', essa é a vocação; não trabalhar como catequista. Vejam bem,não disse 'trabalhar como catequista, mas sê-lo', porque envolve a vida. E assim se conduz ao encontro com Jesus com as palavras e com a vida, com o testemunho". Francisco convidou a recordar aquilo que Bento XVI disse: "A Igreja não cresce por proselitismo. Cresce por atração". "E aquilo que atrai – precisou o Papa – é o testemunho. Ser catequista significa dar testemunho da fé; ser coerente na própria vida. E isso não é fácil! Não é fácil. Nós ajudamos, conduzimos ao encontro com Jesus com as palavras e com a vida, com o testemunho." Em seguida, recordou aquilo que São Francisco de Assis dizia a seus confrades: "Preguem sempre o Evangelho e se fosse necessário também com as palavras". Mas antes vem o testemunho: "que as pessoas vejam o Evangelho em nossa vida. E 'ser' catequistas requer amor, amor sempre mais forte a Cristo, amor a seu povo santo. E esse amor não se compra nas casas comerciais; não se compra nem mesmo aqui em Roma. Esse amor vem de Cristo! É um presente de Cristo! É um presente de Cristo! E se vem de Cristo parte d'Ele e nós devemos partir novamente de Cristo, desse amor que Ele nos dá. O que significa esse partir novamente de Cristo, para um catequista, para vocês, também para mim, porque também eu sou um catequista? O que significa? O Papa respondeu com três coisas. Em primeiro lugar, partir novamente de Cristo significa ter familiaridade com Ele. Mas ter familiaridade com Jesus: Jesus o recomenda com insistência aos discípulos na Última Ceia, quando se aproxima a viver a doação mais alta de amor, o sacrifício da Cruz. Jesus utiliza a imagem da videira e dos ramos e diz: permaneçam em meu amor, permaneçam junto a mim, como os ramos na videira. "Se estivermos unidos a Ele – observou Francisco – podemos dar fruto, e essa é a familiaridade com Cristo. Permanecer em Jesus!" É um permanecer apegado a Ele, "com Ele, falando com Ele: mas, permanecer em Jesus". "A primeira coisa para um discípulo – prosseguiu – é estar com o Mestre, ouvi-lo, aprender d'Ele. E isso vale sempre, é um caminho que dura a vida inteira." O Papa contou um episódio: "Numa de minhas saídas, aqui em Roma, numa missa aproximou-se um senhor, relativamente jovem e me disse: 'Padre, prazer conhecê-lo, mas não creio em nada! Não tenho o dom da fé! Entendia que era um dom... 'Não tenho o dom da fé! O que me diz?' 'Não desanime. Cristo lhe quer bem. Deixe-se olhar pelo Senhor! Nada mais que isso'. E isso digo a vocês: deixem-se olhar pelo Senhor! – exortou o Santo Padre: "Entendo que para vocês não è tão simples: especialmente para quem é casado e tem filhos, é difícil encontrar um tempo longo de calma. Mas, graças a Deus, não é necessário fazer todos do mesmo modo; na Igreja há variedade de vocações e variedade de formas espirituais; o importante é encontrar o modo adequado para estar com o Senhor; e isso se pode, é possível em qualquer estado de vida." O Papa acrescentou o segundo elemento: "partir novamente de Cristo significa imitá-lo no sair de si e ir ao encontro do outro. Essa é uma experiência bonita, e um pouco paradoxal. Por qual motivo? Porque quem coloca no centro da própria vida Cristo, se descentra! Quanto mais se une a Jesus e Ele se torna o centro da sua vida, mais Ele o faz sair de si mesmo, o descentra e abre você aos outros. "O coração do catequista vive sempre esse movimento de 'sistole – diastole': união com Jesus – encontro com o outro. Sistole – diastole. Se falta um desses dois movimentos, não bate mais, não pode viver." O terceiro elemento, que está sempre nessa linha: "partir novamente de Cristo significa não ter medo de ir com Ele às periferias". De fato, o Pontífice exortou a não ter medo de caminhar com Jesus às periferias: "Se um catequista se deixa tomar pelo medo, é um covarde; se um catequista está tranqüilo acaba por tornar-se uma estátua de museu; se um catequista é rígido torna-se estéril. Pergunto-lhes: alguém de vocês quer ser covarde, estátua de museu ou estéril?" Francisco pediu criatividade e nenhum medo de sair dos próprios esquemas: isso caracteriza um catequista. Quando permanecemos fechados em nossos esquemas, nossos grupos, nossas paróquias, nossos movimentos – explicou – ocorre o que acontece a uma pessoa fechada em seu quarto: adoecemos. A certeza que deve acompanhar todo catequista – acrescentou Francisco é que Jesus caminha conosco, nos precede. "Quando pensamos ir longe, a uma periferia extrema, Jesus está lá." (RL) Fonte: Rádio Vaticano